Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador
Jerome Powell, presidente do BC americano (Shutterstock)

O presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, disse na quinta-feira (7), durante uma sessão do Congresso americano, que os legisladores “não estavam nem perto” de tomar medidas para lançar uma CBDC (Moeda Digital do Banco Central). 

“As pessoas não precisam se preocupar com uma moeda digital do Banco Central, nada disso está nem remotamente perto de acontecer tão cedo”, disse Powell ao Comitê Bancário do Senado, segundo reportagem da Reuters.

Publicidade

De acordo com a agência de notícias, Powell acrescentou que o Fed não tem interesse em estabelecer contas para indivíduos que possam competir com o sistema bancário e não apoiaria qualquer monitoramento sobre transações financeiras.

“Se algum dia fizéssemos algo assim — e estamos muito longe de sequer pensar nisso — faríamos isso através do sistema bancário. A última coisa que desejaríamos com o Federal Reserve seria ter contas individuais para todos os americanos, ou para qualquer americano”.

Iniciativas de CBDC avançam em vários países, incluindo Brasil

A visão de Powell acerca das CBDCs vai na contramão de iniciativas já adotadas em várias regiões, como Hong Kong, Nigéria, Reino Unido, que avançam para adotarem suas CBDCs.

De acordo com um levantamento feito no ano passado pelo BIS, 93% de todos os bancos centrais do mundo já possuem algum tipo de projeto de CBDC e 24 moedas digitais devem entrar em operação nos próximos anos.

Publicidade

O Brasil está adiantado com o projeto do DREX, novo nome do real digital, a CBDC da moeda fiduciária brasileira, que deve ser lançado até 2025 e promete revolucionar o sistema financeiro nacional.

De acordo com Fabrício Tota, diretor de Novos Negócios do Mercado Bitcoin, “o real digital pode acelerar a transição para uma economia digital, facilitando processos complexos como a tokenização e possibilitando novos modelos de negócio”.

Na quinta-feira (7), o Hong Kong Monetary Authority (HKMA), o banco central da região autônoma chinesa, anunciou um conjunto de projetos  — denominado “Project Ensemble” pela entidade — para dar início à criação de uma “moeda digital do banco central atacadista” (wCBDC).

De acordo com o anúncio, o objetivo é explorar uma infraestrutura inovadora do mercado financeiro para facilitar a liquidação interbancária contínua de dinheiro tokenizado.

Publicidade

De acordo com a publicação da empresa de blockchain Gluwa no X, há uma parceria entre a entidade e o Banco Central da Nigéria (CBN) para tornar os sistemas da moeda digital eNaira mais eficientes e impulsionar a adoção no país.

A parceria, contudo, ainda não foi anunciada pelo CBN até o momento da publicação deste artigo. Repercutiram sobre o assunto os sites CoinDesk e The Block.

O Reino Unido também tem trabalhado para criar uma Libra Digital desde pelo menos abril de 2021, quando uma força-tarefa oficial foi criada.

VOCÊ PODE GOSTAR
Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador

O que o discurso do presidente do Federal Reserve hoje significa para o Bitcoin?

“Acreditamos que o fundo do poço ficou para trás ou muito próximo e recomendamos aumentar a exposição à medida que o Bitcoin ganha impulso”, disse um analista
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza e ETFs captam US$ 130 milhões, maior entrada em quase um mês

Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza e ETFs captam US$ 130 milhões, maior entrada em quase um mês

Os ETFs de Bitcoin não registravam uma captação tão grande de fundos desde 7 de junho
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin cai 5% para US$ 54 mil com início dos pagamentos da Mt. Gox

Manhã Cripto: Bitcoin cai 5% para US$ 54 mil com início dos pagamentos da Mt. Gox

O preço do Bitcoin chegou a atingir US$ 53.898 após uma carteira da Mt. Gox transferir US$ 2,7 bilhões