Imagem da matéria: Presidente da Unick forex, Leidimar Lopes, tenta sair da cadeia mais uma vez e STF barra
Criador da empresa acusada de pirâmide financeira (Foto: Reprodução/Youtube)

Depois de ter habeas corpus negado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), a defesa do presidente da Unick Forex, Leidimar Lopes, levou o caso para o Supremo Tribunal Federal (STF). A corte decidiu nesta terça-feira (10) manter a prisão preventiva do suspeito por liderar uma organização criminosa que deixou um prejuízo na casa dos bilhões reais.

De acordo com a decisão, caso Leidimar Lopes seja solto há o risco de ele atrapalhar as investigações. A Suprema Corte após analisar dados levados pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre a investigação em curso constatou que há forte indícios de Lopes o chefe de todo esquema em torno da Unick Forex. 

Publicidade

“Os elementos probatórios reunidos apontam para indícios consistentes de que Leidimar Lopes é o líder de organização criminosa, estruturada hierarquicamente, com divisão de tarefas, para a prática de crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro, dentre outros delitos”.

A estratégia da Unick Forex

O MPF já havia destacado diálogos que demonstram que Lopes efetuava operações nos mercados Forex — atividade não permitida no Brasil — e de criptomoedas  e que “estaria enviando valores ao exterior sem autorização da autoridade competente”.

Na decisão do STF, foi apresentado um verdadeiro dossiê com toda a movimentação milionária feita por Lopes entre 2017 e 2018 as quais não condizem com as informações prestadas à Receita Federal. 

O suspeito movimentou em suas contas bancárias um total de mais de R$ 5,2 milhões, mas em sua “Declaração de Ajuste Anual 2017/2018, contudo, o investigado informou ter auferido R$ 30.377,00 em rendimentos tributáveis e possuir patrimônio de R$ 450.000,00”.

Publicidade

Durante a operação que desmantelou a Unick Forex, foi apreendida uma agenda com anotações manuscritas na residência de Lopes, cujo conteúdo indica a existência de patrimônio em moedas virtuais e imóveis (loteamento), no montante R$ 5,8 bilhões. Ele chegou a afirmar numa das conversas gravadas  pela investigação, que possuía esse montante em criptomoedas.

No entanto, somente foram apreendidos R$ 50 milhões em bitcoins, o que nem chega perto do rombo de R$ 12 bilhões deixados pela Unick Forex. Apesar desse prejuízo, a empresa teve uma farta movimentação de dinheiro entre 2017 e 2018.

A Unick movimentou em suas contas bancárias R$ 17.371.165,52 a crédito e R$ 16.894.651,52 à débito entre os meses de janeiro de 2017 e junho de 2018. Mesmo com todo esse montante, a empresa com o objetivo de burlar a Receita Federal, apresentou as declarações de renda da pessoa jurídica sob o “sistema Simples Nacional Declaratório, sem registro de faturamento e/ou rendimentos”. 

Simulando números e cancelando contratos 

Esse montante, entretanto, não era nada perto do volume que foi captado pela Unick, conforme revelado pelos investigados no curso monitoramento telefônico. Além disso, o MPF mostrou que a ausência de movimentação nas contas da empresa entre julho de 2018 e dezembro de 2018, “reforça a suspeita de utilização de estratagemas para ocultar e dissimular a movimentação dos recursos captados dos clientes”.

Publicidade

Nesse meio tempo, a empresa contratou, em outubro, o escritório Nelson Willians & Advogados Associados para fazer os acordos com os clientes. De acordo com a Polícia Federal, 10% foram cancelados, o que seria equivalente a R$ 400 milhões. O universo dos contratos atingiria valor de R$ 4 bilhões, segundo as investigações.

Estruturas bem planejadas

As empresas associadas à Unick Forex não passavam de fraude, conforme apontou o STF, tendo como laranjas pessoas próximas à Lopes. Nem o pai dele teria sido poupado. Alberi Pinheiro Lopes era sócio da própria Unick Forex.

A Golden Stripe Corp, companhia estrangeira de fachada sediada em Belize existia apenas com “a finalidade de simular ser esta a empresa que gerencia os investimentos do esquema Unick”.

A organização suspeita de crimes era muito bem estruturada e nada constava no nome de Lopes. A Dox Pay Banco digital, uma das empresas de solução de pagamentos utilizada pela Unick Forex constava como sócios Euler Silva Machado e Caren Cristiane Graeff de Oliveira. A investigação, entretanto, encontrou indícios de que essa empresa seria efetivamente de Lopes.

Os bens móveis e imóveis estariam em nome das empresas Vega, as quais eram de Fernando Baum Salomon e depois passaram para Caren Cristian Greff de Oliveira e por ficou no nome da filha do presidente da Unick Forex: Ana Carolina de Oliveira Lopes.

Publicidade

Outra empresa que serviria para albergar bens imóveis de Lopes e de sua família era a RR Meios de Pagamentos Ltda. Atualmente em nome de Rudimar da Silva  — pai do diretor de marketing, Danter Silva, que também está preso —, a RR Meio de Pagamentos chegou a pertencer a Roberta da Silva Rossi e Ronaldo Sembranelli, pessoas que também emprestariam seus nomes a Lopes para que ele adquirisse veículos e outros bens. Nada estava no nome do presidente da Unick Forex.

Até empresa de viagem foi adquirida por Lopes. A compra da Trinta Sul Agência de Viagens foi intermediada por Kroeff e segue em nome de Maria Cristina Franz Bassanesi (esposa de Paulo Bassanesi e titular original da empresa).

Lavando dinheiro

Consta na investigação que até mesmo uma escola infantil teria sido utilizada para a empresa lavar dinheiro. De acordo com a peça inicial do Ministério Público, os valores captados de clientes eram movimentados em contas pessoais ou de empresas, o que também ocorreu na Escola de Educação Infantil Jardim dos Anjos.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…