Imagem da matéria: Por que há tanta briga entre maximalistas do Bitcoin e fãs do Ethereum?
Foto: Shutterstock

“O inimigo de meu inimigo é meu amigo”, escreveu na terça-feira (17) o entusiasta de criptomoedas e criador da casa de análises Messari, Ryan Selkis, em um pedido final para que a comunidade cripto cesse a constante troca de farpas sobre quem é melhor: Bitcoin ou Ethereum.

As brigas entre os maximalistas de BTC e os fãs do Ether não surgem de um evento isolado, mas circulam na comunidade de forma constante há um longo tempo. 

Publicidade

De um lado os maximalistas argumentam que o Bitcoin é a moeda nativa da internet, o primeiro e o melhor criptoativo que existe. Do outro lado, há quem defenda a superioridade do Ethereum por criar os contratos inteligentes e sustentar as principais inovações que são construídas no mercado cripto, desde outras criptomoedas como projetos descentralizados.

“Está muito cedo para dizer f***-se para os reguladores dos Estados Unidos e da União Europeia. A situação é precária. Há muitas pessoas de quem não gosto e com quem trabalho diariamente na missão muito maior de longo prazo de ajudar esta indústria a prosperar. Acho enlouquecedor que escolham lutar entre si ao invés de trabalhar para reformar o governo, big tech e os grandes bancos”, desabafou Selkis.

A moeda nativa da internet

Os ânimos da comunidade cripto se exaltaram na semana passada, quando Jack Dorsey, CEO do Twitter e maximalista do Bitcoin, postou um screenshot de um tweet que dizia: “A Fundação Ethereum é financiada por sua pré-mineração. O fato de eles pagarem a um pesquisador se exibir em podcasts proclamando que Ethereum é Bitcoin é exatamente porque os consideramos uma fraude”.

Apesar do contexto da mensagem ter sido outro — Dorsey falava sobre uma ferramenta do Twitter — a comunidade do Ethereum interpretou o ato como uma afronta. A esperança de que tudo não passou de um mal-entendido caiu por terra quando o empresário confirmou a alfinetada dizendo que “não existem coincidências” em relação à mensagem.

Publicidade

Embora já tenha afirmado que nunca investiria em ETH, Dorsey tentou amenizar a situação dizendo que não odeia o Ethereum, mas que prefere apenas focar na moeda nativa da internet: “concentrar-se nos princípios e na estrutura por trás de qualquer moeda é o que importa. Portanto, para mim, o Bitcoin”.

As discussões se espalharam pela rede social, com o cofundador do Ethereum e da Cardano, Charles Hoskinson, dizendo que o ETH é melhor que Bitcoin.

O foco exclusivo no BTC é compartilhado por outros maximalistas da moeda, como o CEO da MicroStrategy, Michael Saylor, que já chegou a dizer que diversificar é “vender o vencedor para comprar os perdedores”.

De forma geral, as críticas dos maximalistas do Bitcoin tendem a residir no fato de que o Ethereum, por mais incrível que seja, não é o BTC e não compartilha de suas melhores características como escassez, popularidade e total descentralização. Já os mais extremos do lado do ETH tendem a se concentrar na suposição de que o Bitcoin está ficando para trás por não se adaptar as inovações do mercado.

Publicidade

Os problemas do Bitcoin

A participação do pesquisador do Ethereum Foundation, Justin Drake, no podcast da jornalista Laura Shin na última quarta-feira (11), resumiu bem os principais problemas que os defensores de Ether têm contra o Bitcoin. O episódio, inclusive, foi o que motivou o tweet polêmico compartilhado por Jack Dorsey.

Na ocasião, Drake se aprofundou nas razões pelas quais teme que o BTC terá problemas no futuro, motivado pela falta de proatividade em implementar melhorias na rede. O ponto central na visão do desenvolvedor é a falta de garantia de que a blockchain se manterá segura quando o Bitcoin deixar de ser gerado e os mineradores passarem a ser recompensados apenas com as taxas de transação.

O controle inflacionário do BTC, que determina que apenas 21 milhões de tokens existam no mercado, é visto como um dos pontos mais atraentes da moeda. Para chegar a esse limite, a cada quatro anos acontece o halving, que corta pela metade a quantidade de tokens gerados a cada bloco minerado.

De acordo com Drake, quando os mineradores deixarem de ser recompensados com novas moedas no futuro, apenas as taxas de transações não serão suficientes para incentivar a comunidade a continuar dedicando poder computacional para a rede, algo essencial para garantir a segurança de uma blockchain baseada no consenso de prova de trabalho, como a do BTC.

“Assim você percebe que muito em breve o Bitcoin vai se tornar um sistema muito instável, e não vai acontecer daqui 100 anos, vai acontecer daqui 20 ou 30 anos, quando a emissão for perto o suficiente de zero, insuficiente para proteger a blockchain do Bitcoin”.

Publicidade

O “problema” é que o Bitcoin é um projeto totalmente descentralizado, sem uma fundação por trás ou líderes com nome e rosto — diferente do Ethereum —, de tal forma que atingir um consenso na comunidade sobre qualquer mudança importante na rede é uma grande dificuldade.

A Taproot, por exemplo, vai ser a primeira atualização que a criptomoeda recebe em quatro anos e, mesmo sem contar com uma melhoria polêmica, sua implementação não foi pacífica.

Justin Drake aponta três mudanças que o Bitcoin poderia adotar para contornar uma possível instabilidade no futuro:

A primeira — e o menos provável de acontecer — seria a comunidade abandonar o limite de 21 milhões de tokens emitidos, ou criar um novo mecanismo para controlar a inflação da moeda, capaz de garantir que a rede continue segura — como fez o Ethereum com a EIP-1559, que diminui a oferta da moeda através da queima de taxas.

O segundo cenário seria desacoplar o Bitcoin “blockchain” do Bitcoin “ativo financeiro”, para garantir a escassez do BTC e permitir que o ativo continue vivendo numa rede separada.

Em terceiro lugar, seria adotar o consenso de prova de participação.

“O Bitcoin adotou uma abordagem de curto prazo de previsibilidade, eles decidiram não mudar”, disse Justin Drake. Já o Ethereum, disse ele, trocou a previsibilidade a curto prazo para garantir que a moeda sobreviva a longo prazo no futuro.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Jovem de óculos viraliza após questionar Trump: ele salvou as criptomoedas nos EUA?

Jovem de óculos viraliza após questionar Trump: ele salvou as criptomoedas nos EUA?

Empreendedor se tornou um herói das criptomoedas em meio às mudanças na política dos EUA, depois que sua pergunta a Trump viralizou
Vitalik Buterin posa para foto na ETH Taipei 2024

Criador do Ethereum, Vitalik Buterin explica qual é o erro dos tokens de celebridades

O veterano do setor cripto criticou a captação de dinheiro pelas estrelas, afirmando que o hype pode ser aproveitado para fazer o bem
Imagem da matéria: FTX pode liquidar dívida fiscal de US$ 24 bilhões por US$ 200 milhões

FTX pode liquidar dívida fiscal de US$ 24 bilhões por US$ 200 milhões

Se aprovada pelo juiz, a FTX pagaria à Receita dos EUA US$ 200 milhões agora e US$ 685 milhões posteriormente
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Deputados pressionam Biden para trazer de volta aos EUA executivo da Binance detido na Nigéria

Em carta ao executivo, os deputados alegam que Tigran Gambaryan está na condição de refém do governo da Nigéria e corre risco de morrer de malária