Imagem da matéria: Por que a BlackRock considera Tether (USDT) um risco para o ETF de Bitcoin?

O pedido de aprovação do ETF de Bitcoin à vista da BlackRock foi novamente o assunto do mercado cripto nesta semana, mas desta vez desencadeada pelo FUD (sigla em inglês para medo, incerteza e dúvida) em relação à Tether, emissora da stablecoin USDT.

Embora o pedido seja de junho, observadores da indústria recentemente destacaram que a maior gestora de fundos do mundo incluiu alertas sobre como a Tether — e o mercado de stablecoins em geral — poderiam impactar negativamente as ambições de Bitcoin da gigante de Wall Street.

Publicidade

O crítico de criptomoedas e usuário pseudônimo do Twitter @Bitfinexed observou que “a BlackRock está espalhando ‘FUD’ sobre a Tether”, rotulando uma seção no pedido da BlackRock que afirmava que o preço do Bitcoin poderia ser afetado por stablecoins como semeando “medo, incerteza e dúvida”.

Qual poderia ser o objetivo final da BlackRock aqui?

Medo de exposição a um risco sistêmico

Antes de tudo: a BlackRock, que tem mais de US$ 9 trilhões em ativos sob gestão, causou ondas de choque no mundo cripto quando solicitou um ETF de Bitcoin em junho. O pedido da gestora de fundos — e os comentários subsequentes do CEO Larry Fink — levaram as pessoas a acreditar que o Bitcoin está a um passo da adoção institucional em massa.

Embora a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) ainda não tenha aprovado um ETF de Bitcoin, especialistas dizem que é apenas uma questão de tempo.

Os riscos das stablecoins

Toda aplicação de ETF precisa divulgar riscos. Então, qual é o “FUD em relação à Tether”?

“Embora o fundo não invista em stablecoins, ainda pode estar exposto aos riscos que as stablecoins representam para o mercado de bitcoin e outros mercados de ativos digitais”, dizia o pedido da BlackRock.

Publicidade

“Devido a uma grande parte do mercado de ativos digitais ainda depender de stablecoins como Tether e USDC, há o risco de que uma desvinculação desordenada ou uma corrida em direção a Tether ou USDC possa levar a uma volatilidade dramática nos ativos digitais de forma mais ampla.”

A Tether emite o USDT, a terceira maior criptomoeda depois do Bitcoin e do Ethereum, com uma capitalização de mercado de US$ 87 bilhões. Apesar disso, o USDT é o ativo digital mais negociado do mundo por ser uma stablecoin — uma criptomoeda lastreada por um ativo estável — e ser usado para entrar e sair de negociações rapidamente e sem usar um banco tradicional ou moeda fiduciária.

É especialmente útil quando os dólares estão restritos ou indisponíveis, principalmente na esfera DeFi, que busca desintermediar os bancos.

Mas a Tether é controversa: tem sido lenta para fornecer documentação para comprovar que os dólares americanos lastreiam o USDT, e a entidade não é auditada de forma independente.

Proibida em Nova York

Em 2021, a Tether concordou em não fazer mais negócios em Nova York depois que uma investigação de dois anos do Procurador-Geral de Nova York descobriu que ela havia “feito declarações falsas sobre o lastro” de sua stablecoin.

Publicidade

E a BlackRock teve que divulgar isso. As preocupações sobre o impacto de um colapso de stablecoins como a Tether no Bitcoin e no mercado cripto não são exageradas: quando a stablecoin algorítmica UST, emitida pela Terraform Labs, implodiu no ano passado, o Bitcoin sofreu um grande golpe — e o resto do mercado de ativos digitais seguiu o mesmo caminho.

Críticos ferrenhos da Tether continuarão a profetizar desgraças; eles sempre disseram que a Tether poderia prejudicar o Bitcoin.

Mas isso é apenas hipotético — e a BlackRock precisava mencionar qualquer coisa que teoricamente pudesse acontecer ao mercado cripto.

A Tether não respondeu às perguntas enviadas por e-mail pela Decrypt, mas Gabor Gurbacs, estrategista da VanEck, disse no Twitter que não havia “muito o que ler” nos comentários da BlackRock.

“Os emissores de ETF listam todos os riscos que podem pensar para divulgação”, disse ele. “O próprio dólar americano e a disponibilidade bancária são riscos, assim como as interrupções elétricas e os desastres naturais.” Ele acrescentou que mencionar qualquer risco era uma “prática prudente”.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Merge Madrid: encontro Web3 promete unir Europa e América Latina em outubro

Merge Madrid: encontro Web3 promete unir Europa e América Latina em outubro

De 8 a 10 de outubro, pontos chave da cidade de Madri atrairão o ecossistema Web3 sob uma perspectiva de negócios, legal e técnica
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas
Imagem da matéria: Vitalik Buterin critica prisão de dev do Tornado Cash: "Realmente lamentável"

Vitalik Buterin critica prisão de dev do Tornado Cash: “Realmente lamentável”

O fundador do Ethereum nem se importou em comentar sobre os ETFs, mas refletiu sobre a recente condenação de um desenvolvedor do Tornado Cash
Imagem da matéria: O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

Notcoin é um jogo baseado no Telegram que nos últimos meses acumulou um total de 35 milhões de jogadores