Imagem da matéria: Polícia fecha garimpo clandestino de ouro no interior de São Paulo
Membros da polícia durante a operação (Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)

Uma operação da Polícia Ambiental de São Paulo contra a extração clandestina de palmito e caça na Mata Atlântica terminou por desmantelar um garimpo ilegal de ouro. O caso ocorreu na região do Parque Estadual Intervales, no município de Sete Barras, região sul do Estado.

Segundo informações do portal G1, a ação começou na tarde da última sexta-feira (1º) e se estendeu até a madrugada de sábado (2). Após patrulhamento de policiais e de agentes do parque, foi localizado o ponto de garimpo ilegal, com o uso de motor a combustão, mercúrio e outras ferramentas para extração de ouro.

Publicidade

Ao localizarem o garimpo, foram encontrados quatro suspeitos, que fugiram inicialmente. Em seguida, o grupo voltou e atacou os agentes de segurança a tiros. Um vigilante do parque morreu na ação e outro ficou ferido.

Dentre os suspeitos, três conseguiram fugir e um foi detido, e o garimpo ilegal foi destruído. O caso foi registrado na delegacia de Sete Barras e será investigado pela Polícia Civil.

Polícia Ambiental estoura garimpo ilegal de ouro no interior de São Paulo
Local do garimpo o Parque Estadual Intervales (Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)

A ação chama a atenção porque o Estado de São Paulo atualmente não possui tradição na extração de metais preciosos, como o ouro. A situação é mais comum especialmente em Estados da região Norte do país.

Também durante o último final de semana, uma operação de rotina da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-316, no Estado do Pará, prendeu um homem por transportar 12 kg de ouro dentro de suas botas. O produto é avaliado em cerca de R$ 3 milhões.

Publicidade

Crime ambiental

Apesar de não servir mais de lastro para reservas financeiras globais, o ouro é apreciado como tipo de investimento e conta com seus entusiastas — seja em forma de contratos, seja em seu estado físico. E sua procura tende a ser maior em tempos de crise.

No caso do investimento em metal propriamente dito, no entanto, é preciso ter cautela adicional. Um erro comum é a compra de ouro de fontes que não possuam certificação de origem da CVM (Comissão de Valores Mobiliários)

Isso porque o simples porte de ouro de procedência duvidosa configura crime ambiental e inafiançável, de um a cinco anos de cadeia, além de multa — como no caso ocorrido no Pará.

Aos interessados em investir em ouro físico como forma de preservar patrimônio, a dica é comprar o metal precioso de fontes que possuam certificação da CVM — ainda que saia mais caro.

Publicidade

Ou seja, aquela oferta que parece tentadora de um vendedor que oferece ouro de procedência desconhecida pode render um belo prejuízo — financeiro e penal — ao investidor mais descuidado.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Receita alerta sobre golpe do “erro na declaração” do Imposto de Renda; veja como se proteger

Os criminosos informam supostos erros em declarações para induzir a vítima a baixar um arquivo malicioso
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã