Polícia Federal deflagra operação contra grupo que negociou mais de uma tonelada de ouro
Foto: Divulgação/PF

Um homem suspeito de tráfico internacional de drogas, que eram adquiridas por meio da Deep Web e pagas com criptomoedas, foi preso em flagrante pela Polícia Federal (PF) na manhã de sexta-feira (17) em Porto Alegre.

A PF não informou o tipo de criptomoeda usada pelo suspeito. No entanto, as moedas digitais que costumam ser usadas em operações na Deep Web são ou o bitcoin ou monero, uma por ser a mais popular e outra por apresentar características de anonimato, a peça chave de quem faz operações ilegais.

Publicidade

De acordo com comunicado da PF à imprensa, as investigações começaram com a apreensão de 15 encomendas no Centro Internacional dos Correios, em São José dos Pinhais (PR), entre meados de 2017 e janeiro de 2019.

As encomendas eram endereçadas a vários destinatários em um mesmo endereço, em Porto Alegre (RS). Nesse período foram apreendidos cerca de 600 comprimidos de ecstasy. A droga era proveniente da Europa, especialmente da Holanda.

Reincidente

A partir desse monitoramento foi possível identificar o suspeito e verificar que ele já responde por crime idêntico na Justiça Federal do Rio de Janeiro. Com base nessa investigação, a PF solicitou mandado judicial de busca e apreensão junto à 14ª Vara Federal em Curitiba.

Além do suspeito, os policiais encontraram no local comprimidos de esctasy, selos de LSD e cristal (MDMA), o que motivou a prisão em flagrante.

Publicidade

Caso condenado, o preso poderá cumprir pena de 15 anos de prisão, além do pagamento de multa.

Necessidade de entender a tecnologia

Embora as criptomoedas não sejam ilícitas, seu uso para delitos diversos — de tráfico de drogas a esquemas de lavagem de dinheiro — chama a atenção das autoridades mundo afora. E o Brasil não fica de fora desse cenário.

Em maio passado, um webinário promovido pelo Ministério da Justiça — ao qual a PF está subordinada — discutiu o uso de criptomoedas para atividades ilegais. No entanto, não deixou de reconhecer que tais ativos são lícitos, mesmo que ainda careçam de regulação.

Um dos convidados, o perito criminal da PF Silvino Schilickmann, disse que as criptomoedas trazem consigo uma quebra de paradigma em todos os sentidos [financeiro, regulatório e em outras áreas], o que leva à necessidade de uma melhor preparação para esse novo contexto.

“Isso não é para demonizar, mas sim para mostrar que bitcoin também é usado para lavar dinheiro. “Existe necessidade de entender os mecanismos de transferência, desenvolver novas ferramentas, de se compreender melhor a tecnologia”, disse ele durante o evento.


VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024