Criptomoedas podem virar meio preferido para lavagem de dinheiro, diz perito da Polícia Federal em live

Webinário online foi promovido pelo Ministério da Justiça e contou com a presença de procuradora da Fazenda Nacional

Polícia Federal prende advogado ligado à Indeal suspeito de tentar antecipar informações do caso
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil


Com a popularização dos criptoativos, como o bitcoin e outras criptomoedas, crescem tanto as possibilidade lícitas quanto ilícitas de uso, como a lavagem de dinheiro. Essa preocupação foi expressada durante webinário promovido nesta sexta-feira (15) pelo Ministério da Justiça, que contou com a participação de um membro da Polícia Federal e da procuradoria da Fazenda Nacional.

“O uso de moedas virtuais pode se tornar o meio preferido para lavagem de dinheiro”, afirmou Silvino Schilickmann, perito criminal da Polícia Federal, durante o evento online.

Schilickmann, que foi diretor de Crimes Cibernéticos da Interpol, ponderou que as criptomoedas não são ilícitas, mas que existe a utilização delas para esquemas de lavagem de dinheiro e outros delitos.

“Isso não é para demonizar, mas sim para mostrar que bitcoin também é usado para lavar dinheiro”.

Quebra de paradigma

Um dos grandes desafios, segundo o perito, é que as moedas digitais trazem consigo uma quebra de paradigma em todos os sentidos [financeiro, regulatório e em outras áreas], o que leva à necessidade de uma melhor preparação para esse novo contexto:

“Existe necessidade de entender os mecanismos de transferência, desenvolver novas ferramentas, de se compreender melhor a tecnologia”.

A transmissão contou também com a participação da procuradora da Fazenda Nacional Ana Paula Bez Batti, que destacou anúncios recentes que tornam mais fácil menos árdua esse tipo de investigação e derrubam a tese de um anonimato absoluto no ambiente cripto.



Entre esses elementos está a criação de um CNAE específico para exchanges. Trata-se de uma demanda antiga do mercado cripto brasileiro, que estará disponível já a partir deste mês de maio, que deve trazer maior segurança jurídica para o setor.

“Criptoativos em parte facilitam a atividade criminosa, mas se cada vez temos mais ferramentas de ocultação, também temos cada vez mais ferramentas para investigação. É um pseudoanonimato”.

De olho nas criptomoedas

O debate envolvendo criptomoedas faz parte de uma série de lives intitulada “Conversando com os Especialistas”. Ela é promovida pela Rede Nacional de Laboratórios de Tecnologia no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Rede-Lab), ligada ao Ministério da Justiça.

Também subordinada à pasta, a Polícia Federal esteve envolvida em ações recentes que desbarataram esquemas de pirâmide financeira que usavam criptomoedas como chamariz para fraudes. Entre elas estão a Operação Lamanai (outubro/2019), que mirou a Unick Forex, e a Egypto (maio/2019), que teve como alvo a InDeal.

De acordo com o Ministério da Justiça, os debates online representam “uma oportunidade para trocar ideias e conhecimentos sobre iniciativas de combate à corrupção e à lavagem de dinheiro”.

Cartilha sobre criptomoedas

Em maio de 2019 vazou na internet a existência de uma cartilha elaborada pela própria Polícia Federal sobre criptomoedas. O material era considerado de uso restrito dos agentes da corporação.

A PF não se pronunciou oficialmente à época sobre a veracidade do documento, mas um agente confirmou à reportagem que a cartilha vazada era verdadeiro.

O documento esclarece que, apesar de não haver regulação sobre esses ativos digitais e existir o risco de seu uso para crimes como lavagem de dinheiro, as criptomoedas “não são ilegais, podendo ser usadas de maneira lícita”.

Para a Polícia Federal, segundo a cartilha, há grandes barreiras a serem enfrentadas com o uso das criptomoedas por criminosos. Uma delas é que não há fronteiras para transferências delas.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br