Policiais federais fotografados de costas
(Foto: Divulgação/PF)

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (7) a Operação SYMBOLIC para um esquema de fraudes cambiais, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, que usava, entre outras formas, operações com criptomoedas para realizar os desvios. O caso de hoje é um desdobramento da Operação HARVEST, de março de 2023.

Estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, além de ordens de indisponibilidade de bens e de valores que podem atingir R$ 620 milhões. As operações ocorrem nas cidades de Curitiba, Campinas e São Paulo, após autorização da 22ª Vara da Justiça Federal em Porto Alegre.

Publicidade

Segundo a Polícia Federal, o principal investigado é um brasileiro radicado em Montevidéu, Uruguai, que controlava um grupo de empresas com sede em Santana do Livramento, que movimentou, entre 2019 e 2023, cerca de R$ 15 bilhões.

“O grupo de empresas atuava na intermediação de pagamentos vinculados a casas de apostas e plataformas de investimento do exterior, tendo estruturado processos de envio informal de dinheiro ao exterior e de lavagem de dinheiro”, diz a PF em nota, citando ainda que ele trabalhava com pessoas radicadas no Brasil, na Argentina e na Espanha.

De acordo com a investigação, as remessas de dinheiro ao exterior se davam, em grande parte, de maneira informal ou irregular, via dólar-cabo ou mercado de criptoativos. O grupo mantinha um fundo estrangeiro responsável pela compensação remota de pagamentos no exterior, enquanto contava também com o apoio de uma exchange de criptoativos para efetuar a remessa de valores ao exterior de maneira totalmente informal.

A PF diz ainda que a organização usava o mercado de câmbio formal para documentar o envio desse dinheiro para outros países – buscando dar aparência de regularidade às operações.

Publicidade

Uma corretora e um banco de câmbio estão sendo investigados por possível envolvimento nesses processos, afirmou a Polícia.

Por fim, a PF diz que empresas não diretamente ligadas à organização investigada eram usadas para movimentar parcelas dos recursos de forma a burlar os sistemas de controle e de compliance dos bancos, bem como dissimular essas movimentações financeiras.

VOCÊ PODE GOSTAR
jogo hamster kombat em tela de celular

Hamster Kombat (HMSTR) já está no pré-mercado; veja como negociar

Hamster Kombat já tem ordens de compra e venda fixadas no pré-mercado de grandes corretoras
Imagem da matéria: Jovem executiva usa tokenização para financiar MBA de R$ 570 mil na França

Jovem executiva usa tokenização para financiar MBA de R$ 570 mil na França

Yasmin Hund conseguiu toda a verba necessária para passar um ano na França fazendo MBA, tudo graças à tecnologia blockchain
Imagem da matéria: Polkadot gasta US$ 37 milhões com marketing e revolta parte da comunidade

Polkadot gasta US$ 37 milhões com marketing e revolta parte da comunidade

Quanto é demais para gastar em marketing de criptomoedas? Usuários e desenvolvedores da Polkadot debatem em meio às queixas
Imagem da matéria: Ethereum em staking alcança 27% do suprimento com o início das negociações de ETF se aproximando

Ethereum em staking alcança 27% do suprimento com o início das negociações de ETF se aproximando

“Definitivamente, não precisamos de tanto ETH em staking,” disse o proeminente pesquisador de Ethereum Evan Van Ness ao Decrypt