Imagem da matéria: Opinião: Bolsonaro e Guedes trabalham para a alta do Bitcoin
Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Acredite se quiser, o governo brasileiro acaba de tomar medidas que impulsionam a alta do Bitcoin, bom, ao menos na cotação em Reais (R$).

Qualquer decisão que aumente a quantidade de moeda fiduciária em circulação no país é benéfica para o preço do Bitcoin. Em momentos de crise, é comum os governos recorrem à estímulos:

Publicidade
Fonte: Valor Investe

Por mais benéfico que seja o estímulo para a economia e até mesmo o impacto da redução do juros no pagamento da dívida de empresas e do próprio governo, no fim das contas a cotação do Real (R$) medido em  moedas mais fortes sofre por conta disto.

O impacto do câmbio no Bitcoin em Reais (R$)

Em abril de 2018, o bitcoin exatamente no mesmo preço de R$ 32.315 encontrado hoje em março de 2020. A cotação em Dólar na época, acredite, era de US$ 9.390, ante os atuais US$ 6.260.

Repare no milagre: o Bitcoin caiu 33% em Dólar, mas a cotação em Reais se manteve. Isto ocorre pois nossa moeda local se desvalorizou de 3,45 para atuais 5,10 por cada Dólar.

Cotação do Bitcoin em Reais R$ – fonte: IPB Portal do Bitcoin

A eficiência dos pacotes de estímulo

Não cabe a nós debater se pacotes de estímulo pelo governo são ou não benéficos em momentos de crise, em especial quando há uma questão de saúde envolvida.

Publicidade

O fato é que nosso governo gasta mais do que arrecada, portanto só nos resta queimar reservas internacionais ou aumentar a liquidez do sistema, colocando mais dinheiro em circulação.

Qualquer outro tipo de solução envolveria grandes cortes na máquina pública, mas sabemos que esta batalha seria demorada e dificilmente aprovada em um período de crise.

Impacto no Câmbio

Um dos efeitos da queda nos juros é o fim do “carry trade”, o investimento estrangeiro entrava no país buscando as taxas de juros mais altas.

O Investimento Estrangeiro Direto, aportes realizados em indústrias e empresas, por exemplo, desaparecem em momentos de pânico nos mercados.

Câmbio é um jogo de confiança. Se o mercado acredita que a capacidade do governo de cumprir seus compromissos é reduzida, ou que o fluxo de entrada de Dólares será interrompido, imediatamente a ocorre a desvalorização.

Publicidade

Redução no risco das criptomoedas

Com a opção da Renda Fixa saindo da jogada, uma vez que o rendimento líquido está igual ou pior que a inflação, os investidores se vêem forçados e buscar mais risco.

Outra opção seria comprar ativos em Dólares ou Euros, mas estas regiões também estão tomando medidas drásticas de caráter expansionista.

Isto resulta na tempestade perfeita pro Bitcoin, pois sua política monetária: halving + ajuste de dificuldade de mineração, garante  proteção contra inflação, que em algum momento vai bater na porta das moedas fiat dos governos.


Sobre o autor

Marcel Pechman atuou como trader por 18 anos nos bancos UBS, Deutsche e Safra. Desde maio de 2017, faz arbitragem e trading de criptomoedas, além de ser cofundador do site de análise de criptos RadarBTC.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Bolsa de valores da Austrália recebe seu primeiro ETF de Bitcoin

O VBTC da gestora global de ativos debutou na ASX com uma alta de 1% em relação ao seu preço de abertura
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin e todo mercado continuam em queda, enquanto Biden se aproxima do setor

Manhã Cripto: Bitcoin e todo mercado continuam em queda, enquanto Biden se aproxima do setor

Autoridades do governo do presidente dos EUA, Joe Biden, devem participar de uma mesa redonda sobre Bitcoin
Moeda dourada de Bitcoin (BTC) sobre um gráfico de preço com candles indicando queda nos preços

Bitcoin cai 7,5% em 24 horas e fica abaixo dos US$ 60 mil

Queda abaixo dos US$ 60 mil não ocorria desde o início de maio
Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador

Bitcoin cai para a casa dos US$ 67 mil após Fed manter taxa de juros

Jerome Powell afirmou que a busca do banco central dos EUA pela meta de 2% de inflação ainda não acabou