Imagem da matéria: O discurso pró-criptomoedas de uma reguladora da SEC: "O código governa a conduta"

A Comissária Hester M. Peirce é a voz mais ativa dentro da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) a favor do mercado de criptomoedas, conhecida por defender uma regulação clara e sensata que permita a evolução da indústria cripto nos EUA.

No dia 8 de outubro, ela discursou no evento Texas Blockchain Summit em defesa do setor, rebateu a visão do presidente da SEC, Gary Gensler, de que o mercado é um ‘Velho Oeste’, e compartilhou quais caminhos a regulação das criptomoedas e das finanças descentralizadas (DeFi) devem seguir no futuro. Leia abaixo o discurso na íntegra da comissária Hester M. Peirce:

Publicidade

Obrigado ao Texas Blockchain Summit pela chance de estar aqui hoje. Tenho que começar com a minha isenção de responsabilidade de que as opiniões são minhas e não as da Comissão de Valores Mobiliários (SEC) ou dos meus colegas Comissários.

Estou interessada, no entanto, no que meus colegas têm a dizer, e é por isso que o hábito do presidente Gensler de chamar o universo das criptomoedas de “Velho Oeste” chamou minha atenção. Ele não está sozinho ao se referir ao ecossistema cripto como o Velho Oeste, um lugar que imaginamos ter sido sem lei — uma sociedade em que o pistoleiro com os melhores reflexos e a pior moral vence às custas de todos.

Merriam-Webster define o “Oeste Selvagem” como “o oeste dos EUA em seu período de fronteira caracterizado pela aspereza e ilegalidade”. Trazer o governo para esse tipo de ambiente para estabelecer alguma ordem parece um tanto óbvio. Hoje, no entanto, vou oferecer uma visão diferente do Velho Oeste e, com essa imagem em mente, sugerir um caminho a seguir na regulação das criptomoedas.

O Oeste do passado chamava por pessoas que se irritavam com as sociedades sóbrias e rançosas do Leste e buscavam se lançar na construção de um novo futuro em um lugar mais promissor. A fronteira do Oeste era um lugar para os aventureiros, os rudes nas bordas, os idealistas, os pensadores livres e os inquietos.

Publicidade

Eu sou de Ohio, que já foi o que o Oeste significava para as pessoas que vinham dos estados da costa leste. Refletindo essa história, a parte de Ohio de onde venho é chamada de Western Reserve. Minha alma mater, não uma academia militar como alguns pensam, ainda leva o nome da região — Case Western Reserve University.

As pessoas de Connecticut colonizaram a região nas primeiras décadas do século XIX. Esses colonos deixaram Connecticut, relativamente bem povoado e bem organizado, e se mudaram para o Oeste com grandes sonhos, para uma parte do país incrivelmente bela e abundante, mas também repleta de perigos, decepções e dificuldades.

A vida no Oeste foi difícil no início, conforme descrito em ‘Western Reserve: a história de New Connecticut em Ohio’: “As condições eram péssimas durante o primeiro quarto de século, e provavelmente nenhuma melhoria viria sem um sistema de transporte e suprimentos de dinheiro”. 

Essas coisas realmente aconteceram, e “[o] empreendimento e a energia sem limites que levou Moses Cleaveland e seus homens a explorar o deserto e sustentou os primeiros colonos durante os anos difíceis em suas clareiras entre as florestas nunca ficaram para trás ou vacilaram”. Esse espírito e energia se tornaram a base para um próspero centro industrial, educacional e cultural em Ohio. 

Publicidade

Eu recentemente li um livro fascinante de David McCullough, The Pioneers, que discute o assentamento pós-guerra revolucionária de outra parte de Ohio — Marietta — desta vez por pessoas de Massachusetts. 

Ele conta a história da difícil jornada para o oeste e os sucessos, desastres, perigos e fracassos que moldaram o que eventualmente se tornou uma comunidade próspera. Para esses imigrantes, o Oeste ofereceu esperança e promessa em contraste com o Leste, como explica McCullough:

“Um pânico financeiro sem precedentes tomou conta da nova nação desde o fim da Guerra Revolucionária. Os recursos e crédito do governo se esgotaram. O dinheiro, na forma de uma moeda emitida pelo governo, era quase sem valor… O comércio estava paralisado… Os agricultores estavam sendo presos por dívidas… Do jeito que estava, a severa depressão econômica que se seguiu à guerra duraria ainda mais do que a guerra. Mas agora, no Oeste, havia terras como nunca se imaginou — vastas terras, terras ricas… O oeste era uma oportunidade. O oeste era o futuro”.

Os colonos que se mudaram para o Oeste não vieram apenas com grandes expectativas, mas também com uma ampla gama de talentos e profissões. Eles cultivaram outras habilidades por necessidade depois que chegaram. A sociedade era mais dura do que a que eles haviam deixado, mas mesmo assim era governada pelas normas sociais que eles carregavam consigo, pela lei e pela preocupação mútua intensificada pelas condições difíceis nos primeiros anos.

Mesmo que imitassem a velha sociedade do leste de muitas maneiras, essas novas sociedades de fronteira foram criadas por seus habitantes. McCullough descreve, por exemplo, o trabalho dos cidadãos líderes de Marietta para garantir que Ohio fosse um estado livre e para desenvolver instituições educacionais e torná-las acessíveis à população em geral. 

Publicidade

É claro que nem tudo era bom no Oeste. O próprio nome de Ohio — Iroquois para “Grande Rio” — e os nomes nativos americanos de muitos outros lugares em Ohio servem como um lembrete dos habitantes que foram forçados a sair quando os imigrantes do leste chegaram.

Ohio era a fronteira no início do século 19, mas no final do século as pessoas ainda estavam olhando para o Oeste, mais para o Oeste, em busca de oportunidades. John Soule escreveu no Indiana Express em 1851: “Vá para o Oeste, jovem.” 

Horace Greeley pegou essa frase quinze anos depois, quando escreveu: “Washington não é um lugar para se viver. Os aluguéis são altos, a comida é ruim, a poeira é nojenta e a moral é deplorável. Vá para o Oeste, meu jovem, vá para o Oeste e cresça com o país”.

O Texas pode vir à mente mais prontamente do que meu Ohio natal, quando pensamos no Velho Oeste. Aqui também, porém, o Velho Oeste foi marcado por mais ordem do que os filmes nos fazem acreditar. Andrew Morriss, que, depois de um período na Case Western Reserve University, mudou-se para o Oeste e acabou indo para o Texas, pesquisou o Velho Oeste e identificou várias formas de regulamentação privada eficazes, que eram eficazes precisamente porque enfrentavam a concorrência.

Ele explicou, por exemplo, que os criadores de gado do Texas, cujas fazendas eram delineadas por linhas claras de propriedade, foram capazes de “criar ordem em suas fazendas”. O código de um rancho “proibia os vaqueiros de jogar, carregar seis atiradores, manter cavalos particulares, correr com cavalos [do rancho], beber e roubar gado de outras fazendas”.

Conforme detalhado em um artigo intitulado “O Não Tão Selvagem, Oeste Selvagem”, a ordem ocidental não se limitava às proibições de jogos de azar a cowboys feitas por fazendeiros imponentes, mas também incluiu uma série de organizações privadas dedicadas a manter a ordem:

Publicidade

“Na ausência de um governo formal, parece que a fronteira oeste não era tão selvagem quanto a lenda nos faz crer. O mercado forneceu agências de proteção e arbitragem que funcionaram de forma muito eficaz, seja como um substituto completo para o governo formal ou como um suplemento a esse governo”. 

Esses relatos não pintam um quadro de ordem perfeita, mas sugerem que a ordem social nem sempre vem do setor público. Morriss explicou que as fronteiras fomentam a ordem privada: “A fronteira é um lugar difícil. As condições são difíceis, o capital social está disperso e muitas das instituições que consideramos certas estão ausentes ou são escassas”.

Morriss então elogiou o famoso economista e filósofo político Friedrich Hayek, observando que “as instituições jurídicas hayekianas floresceram na fronteira e foram perdidas com o avanço da civilização. Isso sugere que as fronteiras atuais provavelmente fomentarão as instituições jurídicas de Hayek”.

A história não nos permitiu ver como esses arranjos privados evoluiriam para enfrentar novos desafios ao longo do tempo, pois, como Morriss ainda observa, “uma vez que havia riqueza no Oeste, a chegada do governo era inevitável.” Talvez, então, também seja inevitável a fronteira das criptomoedas.

Vamos voltar nossa atenção para lá agora. A fronteira cripto, como o Velho Oeste, parece bastante selvagem à primeira vista: lar de muitos codificadores, especuladores e alguns vendedores ambulantes, este Novo Oeste também tem suas lutas internas, amizades forjadas através de dificuldades e sucessos compartilhados, personalidades coloridas, paixões, sonhos, dificuldades, fracassos espetaculares e vitórias notáveis.

Mas, como no Oeste do passado, há ordem e disciplina em toda essa confusão. Como a criptomoeda é construída em código, o próprio código serve como um governador de conduta. Mas a criptomoeda também é construída sobre as pessoas, e essas pessoas responsabilizam-se umas pelas outras não apenas por meio de um discurso público desenfreado, mas também pelo uso ou não de um protocolo.

Usuários de protocolo, concorrentes, caçadores de recompensas de bugs e céticos sofisticados monitoram protocolos em busca de pistas de centralização, chaves de administrador vulneráveis que podem ser comprometidas, lentidão, custos altos, segurança fraca e assim por diante. Uma paralisação do sistema, um rug pull, um incidente de negociação com informações privilegiadas ou falha exposta no código dá origem a uma inevitável tempestade de fogo.

Comunidades descentralizadas descobrem coletivamente como lidar com problemas imprevistos. Esses mecanismos de disciplina cooperativa e competitiva ajudaram a limpar a fronteira das criptomoedas, embora ainda haja mais trabalho a ser feito. A persistência tanto de autorregulação quanto de pedidos da comunidade por clareza por parte dos reguladores do governo sugere que a ilegalidade não é a cultura predominante na fronteira das criptomoedas.

Por outro lado, ironicamente, nossos métodos de atirar no velho e supostamente sóbrio mundo regulador do governo no Leste estão fazendo com que as pessoas questionem nosso compromisso com o Estado de Direito. 

Deixe-me explicar levantando várias questões sobre nossa abordagem regulatória até o momento. Concluirei sugerindo que não é tarde demais para os reguladores governamentais estabelecerem regras claras que respeitem os atributos e desafios únicos da vida na fronteira das criptomoedas.

I. Existe clareza legal em relação aos ativos digitais?

Uma área fundamental de conflito entre a SEC e o público é a clareza jurídica existente em torno dos ativos digitais. O porto seguro que propus para eventos de distribuição de token reconhece que há incerteza sobre quando as ofertas de ativos digitais implicam as leis de valores mobiliários, mas a atitude prevalecente na SEC é que há clareza, então por que se preocupar com um porto seguro?

A ideia de que há clareza sobre quando os criptoativos são títulos deve ser uma surpresa para os advogados que assessoram os projetos de criptomoedas que lutam com esse problema há anos. 

Tomemos, por exemplo, o feedback público que recebemos em relação à declaração da Comissão sobre a custódia de títulos de ativos digitais por corretoras, que distingue entre “títulos de ativos digitais” e “ativos digitais não relacionados a títulos”, o último dos quais não permitiremos que sejam custodiados por corretoras para fins especiais.

Em resposta, muitos comentários pediram clareza sobre o que constitui um “título de ativo digital”  e afirmaram que seria injusto esperar que uma corretora conduzisse a análise dada a falta de clareza. Além disso, se clareza significa que essencialmente todos os tokens devem ser considerados valores mobiliários, então por que estabelecer uma posição da Comissão sobre corretoras para fins específicos?

II. Estamos aplicando as regras por acordos ou acordando para ambiguidade?

A SEC aponta o precedente da Suprema Corte e nossa própria lista crescente de ações de execução e diz que o caso está encerrado — a maioria dos ativos digitais são títulos. Mesmo que aceitássemos a aplicação como uma forma adequada de fornecer clareza, ela não funcionaria. 

As determinações definitivas de valores mobiliários só ocorreram nos poucos casos em que um tribunal (e não a Comissão) decidiu a questão. Mesmo nesses casos, a determinação de que um token foi oferecido inicialmente como um título não diz nada sobre o próprio token ser um título, seja no momento da venda inicial ou em transações secundárias.

A maioria de nossas ações de fiscalização relacionadas às criptomoedas, no entanto, não foram ações judiciais; em vez disso, eles terminaram em acordos, que não são bons veículos para uma análise jurídica cuidadosa. 

Quando uma parte resolve uma ação de fiscalização da SEC, geralmente está tentando encerrar o caso para que possa seguir em frente. Não há incentivos para forçar a SEC, como condição do acordo, a apresentar uma análise jurídica clara. 

Nos casos em que uma plataforma está envolvida, a SEC geralmente afirma apenas que alguns dos ativos digitais eram títulos, sem especificar quais são ou o porquê. O comissário Elad Roisman e eu levantamos essa questão em conjunto no acordo com a Coinschedule.

Talvez essa abordagem seja compreensível, uma vez que as partes do acordo podem não incluir as partes com o maior interesse no status de título/não título desse token. No entanto, se a SEC não consegue articular facilmente uma teoria legal inatacável para explicar por que determinados ativos são valores mobiliários, a linha é tão clara quanto a SEC sustenta ser? 

A ambiguidade, em última análise, nos serve bem porque efetivamente força qualquer ator com qualquer conexão a ativos digitais a entrar em nossa jurisdição regulatória.

III. Estamos lutando por investidores ou por jurisdição?

À medida que os stablecoins crescem em popularidade, eles estão atraindo cada vez mais interesse de uma série de reguladores que disputam posições regulatórias. 

Os emissores de stablecoins devem ser registrados como bancos? As stablecoins devem ser garantidas por um seguro de depósito? As stablecoins devem ser designadas como sistemicamente importantes pelo Conselho de Supervisão de Estabilidade Financeira? As stablecoins são fundos do mercado monetário? A Agência de Proteção Financeira ao Consumidor deve intervir para proteger os consumidores?

Dado o impressionante crescimento das stablecoins, os reguladores, compreensivelmente, estão perguntando se elas se encaixam em uma estrutura regulatória existente e quais são suas implicações de proteção ao consumidor e estabilidade financeira de longo prazo. Enquanto eles realizam esta investigação, no entanto, espero que o façam com uma apreciação pelo seguinte:

  1. Muitas pessoas consideram stablecoins uma ferramenta de pagamento conveniente que facilita o movimento e a troca de criptomoedas, portanto, qualquer medida regulatória que restrinja o uso de stablecoins deve ser justificada por um benefício que supera a conveniência perdida.
  1. Os reguladores devem ser cuidadosos com amplas generalizações, uma vez que stablecoins não são uniformes em operação, lastro, reservas subjacentes ou transparência.
  1. A aplicação excessivamente ampla da lei para cobrir stablecoins inadvertidamente pode impactar outros produtos e serviços.
  1. As tentativas de descartar as stablecoins com base na experiência com notas de banco privado do século 19 se baseiam em um mal-entendido de ambos os lados.
  1. Embora seja bom tentar entender as stablecoins, o medo de stablecoin é injustificado. Como o vice-presidente do Federal Reserve, Randal Quarles, explicou:

“Nós não precisamos temer stablecoins. O Federal Reserve tem tradicionalmente apoiado a inovação responsável do setor privado. Consistente com essa tradição, acredito que devemos levar em conta os benefícios potenciais das stablecoins, incluindo a possibilidade de que uma stablecoin de um dólar americano possa apoiar o papel do dólar na economia global”.

IV. Estamos protegendo os investidores ou lhes negando oportunidades?

Embutida na analogia negativa do Velho Oeste para a fronteira das criptomoedas está a preocupação de que investidores involuntários e relutantes estão sendo prejudicados por participarem do mercado cripto. 

Para aqueles que não veem a oportunidade de participar desses mercados como valiosa, a falta de clareza regulatória nos Estados Unidos pode, na verdade, ser uma forma de proteger os investidores de danos: se a ambiguidade os impede de participar, tanto melhor! 

Dessa perspectiva, que alguns projetos e plataformas, por exemplo, excluam os americanos devido à incerteza regulatória é na verdade uma coisa boa. São apenas os projetos que não conseguem manter os americanos fora que enfrentam ações coercitivas

O bloqueio geográfico generalizado de americanos deve preocupar os reguladores dos EUA, mesmo que alivie sua carga regulatória. Considere exemplos recentes bem divulgados de airdrops que excluíram os americanos. Um airdrop é essencialmente uma distribuição gratuita de tokens para, por exemplo, participantes de uma rede. 

Esses tokens são uma forma de recompensar os participantes da rede. Por que queremos que os participantes dos EUA sejam excluídos do recebimento da recompensa que lhes é devida? Dê uma olhada no Twitter depois de um desses airdrops —  a SEC não está sendo agradecida.

Seja pela aprovação lenta de produtos ou pela desaprovação direta de produtos usando padrões aplicados de forma criativa, os reguladores podem tornar certos produtos indisponíveis para os investidores. A abordagem da Comissão aos veículos de investimentos agrupados em criptomoedas ilustra o problema.

As ofertas de produtos disponíveis atualmente — incluindo produtos de OTC e fundos mútuos com exposição limitada a futuros de criptomoedas, ETFs com exposição à indústria cripto e empresas públicas que mantêm criptomoedas em seus balanços — são menos diretas, menos convenientes e mais caras para os investidores do que os produtos negociados em exchanges de criptomoedas oferecidos em outros países.

Da perspectiva de um regulador que não gosta muito do produto, nada está perdido. O investidor, entretanto, perde a oportunidade de participar de algo que vale algo para ele, mesmo que opte por não comprar o produto em questão; apenas ter a opção de fazer isso é valioso. Como observou C.S. Lewis, “De todas as tiranias, uma tirania exercida sinceramente para o bem de suas vítimas pode ser a mais opressiva… Essa mesma bondade fere com um insulto intolerável”.  

V. Vamos fingir que tudo é centralizado para que possamos regular?

O presidente Gensler apontou corretamente que rotular algo como descentralizado não significa que ele o seja. Vimos esse fenômeno em jogo em uma ação de execução recente a um projeto DeFi, que acusou uma empresa e dois altos executivos que fizeram uma oferta ilegal  E talvez isso tenha ocorrido em um grau menor em um caso de vários anos atrás contra o criador de uma plataforma de negociação descentralizada que tinha alguns recursos centralizados. 

Mas o que acontece quando estamos lidando com um protocolo que facilita transações ponto a ponto ou pessoa a código sem um intermediário centralizado? Há alguém que possa ser responsabilizado de maneira consistente com o Estado de Direito e nossos princípios constitucionais? Podemos responsabilizar o desenvolvedor de um protocolo de código aberto pela forma como os outros o usam ou quais camadas estão por cima dele?

Talvez nem devêssemos responder a essas questões. Afinal, se as pessoas se valem de um market maker automatizado para trocar criptomoedas, não o fizeram com a noção de que é o código que determina como essa negociação acontecerá e que ninguém está pronto para reverter um trade que deu errado? Plataformas verdadeiramente descentralizadas não combinam bem com uma abordagem regulamentada projetada para finanças centralizadas.

Como um comentarista observou, “Então, toda vez que eles dizem ‘a plataforma deve fazer isso’ ‘a plataforma deve fazer aquilo’ — [o que] isso significa!? Implicitamente, a única maneira de entender esses comentários é uma interpretação dos registros do mercado de títulos como sendo sobre que tipo de software pode ser escrito — isso não vai dar certo”.

Acontece que muitas pessoas querem lidar com intermediários centralizados no espaço cripto. Podemos regular essas entidades se elas se envolverem em atividades de valores mobiliários (assumindo, é claro, que possibilitamos que elas realmente façam negócios dentro de nossa estrutura regulatória), mas os protocolos DeFi com os quais as pessoas optam por interagir devem ser vistos por uma lente diferente. 

Tratar DeFi de maneira diferente faria, nas palavras do advogado Collins Belton, “[a] SEC ser provavelmente o melhor motivador para tornar algo verdadeiramente descentralizado.” E isso não seria uma coisa ruim para as criptomoedas, que, afinal de contas, se orgulham da descentralização.

VI. Estamos pegando os atores ruins ou criando um problema sem solução?

Os bons atores querem saber quais ativos digitais são títulos para que possam descobrir como cumprir as leis de valores mobiliários, mas pouco fizemos durante meus quase quatro anos na Comissão para explicar como isso seria. Coloco a culpa em mim mesmo e nos meus colegas da Comissão.

Simplesmente não permitimos que a equipe tivesse liberdade para considerar as questões difíceis sobre como a criptomoeda pode operar dentro da estrutura de títulos. O caminho a seguir não é arrastar as entidades para a Comissão por meio de ações coercitivas e aplicá-las à força bruta para um regime regulatório que não seja realmente adequado para elas. 

Em vez disso, devemos adotar uma abordagem metódica, que forneça respostas às principais questões para as quais os participantes do mercado precisam de respostas. 

Em uma dissidência em uma ação de fiscalização contra a plataforma de negociação de criptomoedas Poloniex, expus um paradoxo: considerar ativos digitais como títulos significa que as plataformas que os comercializam e as entidades que os intermediam precisam se registrar conosco, mas não podem operar como uma entidade registrada de acordo com nossas regras existentes, de modo que elas não poderiam se registrar. 

Nessa dissidência, pedi respostas para uma série de perguntas, que acho que vale a pena repetir aqui porque elas dão uma noção da complexidade que surge quando pelo menos uma negociação de ativo digital em uma plataforma é considerada um título:

  1. A plataforma pode custodiar os ativos do cliente, um recurso típico de plataformas de negociação de criptomoedas centralizadas? Em caso afirmativo, como, dadas nossas preocupações sobre a custódia de títulos de ativos digitais?
  1. Se não, poderia um número suficiente de corretoras navegar no processo de registro para criar um mercado líquido?
  1. As condições impostas ao seu registro permitiriam que funcionassem como market makers ou para facilitar a negociação em nome de investidores de varejo?
  1. A plataforma pode negociar ativos não títulos junto com títulos? Se não, como pode a plataforma, usando duas entidades — uma entidade corretora-distribuidora para títulos de ativos digitais e uma entidade afiliada não-corretora para não-valores mobiliários —, oferecer uma plataforma de negociação contínua ou, pelo menos, útil para os clientes, que provavelmente desejam, por exemplo, negociar ativos digitais e títulos de ativos digitais e pagar por transações em títulos de ativos digitais usando ativos digitais não relacionados a títulos?
  1. Como uma plataforma de negociação e seus clientes podem determinar se um ativo digital específico é um título?
  1. Se um token foi vendido em uma oferta de valores mobiliários como parte de um contrato de investimento, por quanto tempo as transações secundárias nesse token devem ser consideradas como transações de valores mobiliários por plataformas que negociam os tokens?
  1. Qual é a mecânica de registrar tokens vendidos como parte de um contrato de investimento como uma classe de “título de capital” sob a lei de câmbio?

E há outros que não mencionei naquela dissidência. Por exemplo: Como uma corretora ou plataforma de negociação pode trabalhar com títulos de ativos digitais juntamente com ativos digitais não relacionados a títulos e títulos não digitais? Como funciona a cobertura da Lei de Proteção ao Investidor de Títulos quando um corretor negocia com ativos digitais?

Qual é a função apropriada, se houver, de um agente de transferência com relação a títulos de ativos digitais? Quem pode custodiar ativos digitais de acordo com as leis de valores mobiliários? O Conselho de Padrões de Contabilidade Financeira deve abordar questões de contabilidade de criptomoedas? Como uma plataforma que se encontra negociando títulos, devido à nova clareza de definição sobre títulos de ativos digitais (assumindo que a clareza chega em algum ponto), encontra-se em conformidade com a negociação de títulos de ativos digitais?

Se pretendemos exigir o registro de entidades no espaço cripto, temos que dar a nossa equipe a permissão para fazer o trabalho árduo de descobrir como as regras serão aplicadas, dados os aspectos únicos do negócio e buscar ampla contribuição do público por meio de um transparente processo regulatório (não de execução) ao fazê-lo.

Conclusão

Essas perguntas têm como objetivo estimular um compromisso mais profundo entre os governos na busca de soluções regulatórias sensatas. As apostas são altas porque o governo está entrando na criptomoeda com a promessa de que pode fazer um trabalho melhor do que os mecanismos disciplinares informais existentes. 

Temos experiência regulatória que podemos trazer aqui, mas temos que fazer isso com cuidado. À medida que as agências governamentais consideram como regulamentar, elas devem assumir a liderança do Congresso, trabalhar em colaboração umas com as outras e consultar ativamente o público que estará sujeito e protegido pelas regras. 

Eu posso abordar todo esse esforço com uma mão menos rigorosa do que alguns de meus colegas reguladores, mas a verdadeira questão não é o que eu ou qualquer outro regulador queremos, mas o que vocês — os beneficiários pretendidos deste regulamento — desejam. Estou ansiosa para ver o que você realizará na fronteira das criptomoedas, uma vez que definamos alguns parâmetros regulatórios claros e sensatos.

Parafraseando as palavras de fechamento padrão de um popular podcast sobre criptomoedas, que segue um aviso apropriado sobre o risco do espaço, “[Você] está indo para o Oeste. Essa é a fronteira. Não é para todos…”. Obrigada por me permitir participar da sua jornada para o Oeste.

Tradução: Saori Honorato

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

O relatório semestral, realizado pela CCData, é considerado uma estrutura robusta para classificar a atuação de exchanges do Brasil e do mundo
Joe Biden posa para foto

Biden expulsa mineradora cripto chinesa de área próxima a base militar: “Risco de espionagem”

O governo afirma que a MineOne possui equipamentos especializados de origem estrangeira potencialmente capazes de facilitar atividades de vigilância e espionagem
Pessoa inserindo chip no celular

Justiça manda TIM pagar R$ 21 mil a cliente que teve celular clonado e perda de criptomoedas

A partir da clonagem do celular, os invasores tiveram acesso ao email e posteriormente a uma carteira cripto na Binance
Imagem da matéria: MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

A plataforma de ativos digitais também promove campanha para recompensar trades realizados até 4 de junho