Fachada da Braiscompany em Campina Grande PB- Portal do Bitcoin
Fachada da sede da Braiscompany em Campina Grande, na Paraiba (Foto: Portal do Bitcoin)

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) está investigando — novamente — a suposta empresa de investimentos em criptomoedas Braiscompany em decorrência de denúncias de clientes feitas ao órgão. A apuração das queixas foi confirmada pela assessoria do MPPB em nota enviada ao Portal do Bitcoin nesta segunda-feira (06).

“O procedimento foi instaurado no último dia 26 de janeiro, tendo o representante do Ministério Público da Paraíba (MPPB) tomado as providências extrajudiciais com vistas à conciliação, inclusive, com a designação de audiência na última quinta-feira (2/2), à qual a Braiscompany não compareceu”, disse o órgão.

Publicidade

Segundo nota do MP, à frente das investigações está o promotor de Justiça de Campina Grande e diretor-regional do MP-Procon, Sócrates da Costa Agra, que “está apurando denúncias de alguns investidores que não estariam recebendo as remunerações acordadas em contratos com a empresa Braiscompany”.

MP e Braiscompany

Trata-se da segunda vez que o órgão público abre uma investigação com o esquema de Antonio Ais. A primeira foi feita a partir de uma denúncia feita em 2020 por uma pessoa e encerrada em setembro de 2022, poucos meses antes de Braiscompany parar de pagar os clientes.

Na época, o MP alegou que não havia consumidores lesados e por isso o caso não foi adiante.

Segundo apurou o site maisPB um dos casos se refere a uma mulher que provocou o MP apontado quebra de contrato.

A próxima fase do MPPB acerca do caso pode ser a de acionar a empresa de Antonio Neto Ais na justiça, caso o promotor ache necessário, por meio de uma ação civil pública, a fim de “garantir os direitos dos consumidores lesados, como também a reparação do dano coletivo que porventura tenha sido causado”.

Publicidade

“A empresa prestou defesa evasiva. Diante disso, o Ministério Público dará seguimento à apuração dos fatos denunciados”, comentou na nota o promotor.

Atraso de pagamentos na Braiscompany

Pelo menos desde dezembro de 2022 os depósitos dos rendimentos dos clientes da Braiscompany estão atrasados, o que gerou filas de investidores na porta da sede da companhia em Campina Grande, na Paraíba.  

Nesse cenário, a equipe da Braiscompany, liderada pelo casal Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, chegou a jogar a culpa dos problemas na corretora Binance, que supostamente estaria colocando travas em saques e liquidações da empresa.

Outro ponto é que a provável crise na empresa parece não atrapalhar os negócios, já que Ais teve tempo para promover uma partida de futebol com o ex-craque Ronaldinho Gaúcho, enquanto o negócio tem contas bloqueadas devido ao não pagamento do aluguel de um imóvel.

Publicidade

Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Imagem da matéria: Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

O autor de um golpe de “envenenamento de endereço” parece estar pensando duas vezes depois de roubar US$ 71 milhões de um grande investidor
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações
SBF da FTX no Congresso dos EUA

Criador da FTX diz que divide presídio com assassinos e brinca que arroz virou moeda com “boas oportunidades” de arbitragem

Sam Bankman-Fried, fundador da FTX, falou sobre sua vida na prisão, a visão diferenciada que tem sobre o que poderia ter sido sua vida e sua tentativa de apelação da condenação