Imagem da matéria: Mozilla lança bloqueador de mineração de criptomoedas no Firefox
(Foto: Shutterstock)

A Mozilla Foundation, organização por trás do popular navegador Firefox, lançou recentemente o seu aguardado bloqueador de mineração de criptomoedas, impedindo sites de usarem os recursos dos seus usuários para minerarem.

De acordo com o The Next Web, a ferramenta está apenas disponível nas versões Beta e Nightly do Firefox, criadas para usuários que querem experimentar novas funções, e desenvolvedores.

Publicidade

A ferramenta, no entanto, bloqueia atualmente pouco mais de 20 tipos de mineradores de criptomoedas encontrados pela internet, e vai em versões futuras ser disponibilizado na versão estável do Firefox.

Com a ferramenta, a Mozilla introduziu também um bloqueador de scripts de “impressões digitais” de dispositivos, que coletam configurações dos dispositivos dos usuários, e podem ser usados para os rastrear.

O bloqueador vem graças a uma colaboração com uma empresa chamada Disconnect, que rastreia mineradores de criptomoedas para os bloquear. Atualmente, o Firefox já bloqueia alguns dos mais populares, como o CoinHive, o JSE, e o MineXMR, apesar da função não estar ativada por padrão.

Para a ativar, os usuários precisam ir às configurações do navegador.  Dentro de “algumas semanas” a ferramenta vai ser ativada por padrão na versão Nightly, para no futuro ser em todas as outras. A organização afirmou:

Publicidade

Uma vez ativada, o Firefox bloqueará quaisquer scripts que tenham sido identificados pela Disconnect que participem na mineração de criptomoedas ou com impressões digitais.

A Mozilla, que tinha anunciado que ia banir a mineração de criptomoedas no Firefox em setembro do ano passado,  acrescentou que alguns sites podem perder funcionalidades quando o bloqueador estiver ativo, enquanto todos os detalhes do mesmo são acertados.

Navegadores bloqueiam mineração por ser “hostil”

Até agora, a Mozilla afirmou que ia bloquear a mineração de criptomoedas por considerar esta uma prática que “torna a web um lugar mais hostil.” Dito isso, acrescentou que não estava só querendo proteger os usuários, mas a dar-lhes uma voz.

Como noticiado pelo Portal do Bitcoin, um relatório de outubro do ano passado revelou que o Brasil liderava uma lista de vítimas de mineração de criptomoedas, uma prática que chegou a crescer mais de 700% em apenas quatro meses.

Note-se que outro navegador rival, o Opera, já tinha introduzido a proteção contra mineração nas suas versões para o desktop e para smartphones o ano passado. Na altura, a empresa homônima do navegador afirmou que mais de um bilhão de dispositivos em todo o mundo poderiam estar mais lentos devido a programas de mineração.

Publicidade

Meses depois de bloquear a mineração, o Opera introduziu uma carteira de criptomoedas para o seu navegador. Esta foi inicialmente lançada para smartphones, mas existe já nas suas versões para desktop.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Embora esteja em queda nesta sexta, o Ethereum ainda registra ganhos de mais de 21% na semana
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Hong Kong bane Worldcoin por coleta de dados “desnecessária e excessiva”

A Worldcoin chegou a escanear o rosto e a íris de 8.302 indivíduos durante sua operação em Hong Kong, segundo autoridades