Imagem da matéria: Ministério Público prepara roteiro para casos de confisco de criptomoedas
Foto: Shutterstock

O Ministério Público Federal (MPF) está finalizando um roteiro que servirá como guia de atuação para procuradores da instituição em todo o Brasil nos casos de confisco de criptomoedas – um procedimento legalmente conhecido como persecução patrimonial.

Um comunicado do MPF publicado na noite de sexta-feira (3) informou que o roteiro, chamado “Criptoativos: Persecução Patrimonial”, foi apresentado em reunião durante esta semana a integrantes de várias instituições. O documento foi detalhado ponto a ponto aos participantes, destacando a relevância crescente do tema.

Publicidade

Participaram dessa reunião membros da Câmara Criminal do MPF e representantes de órgãos como a Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise (Sppea/MPF), o Conselho Nacional de Justiça, a Polícia Federal e a Receita Federal, além do próprio Grupo de Trabalho mantido pelo MPF sobre o tema das criptomoedas.

Segundo o MPF, o texto final do roteiro será enviado para deliberação da Câmara Criminal nos próximos dias. Caso o documento seja aprovado pelo colegiado, será adotado como referência para a atuação de procuradores em casos que envolvam a apreensão de moedas digitais.

“O roteiro permitirá maior eficiência na persecução penal dos crimes envolvendo criptoativos”, afirmou o coordenador da Câmara, o subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos, ressaltando que existe urgência na criação de diretrizes nacionais de atuação sobre o tema.

A instituição também aprovou a criação de uma coletânea de artigos sobre a persecução patrimonial de ativos digitais, para registrar e difundir informações, experiências e conhecimentos.

Publicidade

O Ministério Público e as criptomoedas

O tema das criptomoedas tem entrado aos poucos no radar do MP. Em novembro do ano passado, o Conselho Nacional do Ministério Público havia determinado a criação de um Grupo de Trabalho para regulamentação de operações envolvendo criptomoedas.

O orgão atua junto à Comissão de Defesa da Probidade Administrativa, mas seus membros acumulam funções e seguem no postos de trabalho onde já estão alocados.

Depois de um ano de funcionamento, o grupo de trabalho irá produzir um relatório das atividades realizadas e dos resultados alcançados, com o objetivo de propor boas práticas de atuação ao Ministério Público sobre criptomoedas.

Já em janeiro de 2022, o MPDF oficializou a criação da “Unidade Especial de Cryptoativos (Crypto)”, criada para investigar crimes, estudar a evolução da tecnologia dos ativos digitais e os seus impactos no campo jurídico.

Publicidade

Segundo comunicado do órgão, “trata-se da primeira unidade especial de cryptoativos do Ministério Público Brasileiro e de outras instituições do país”.

A ação foi fruto do trabalho de apuração da evolução tecnológica relacionada a criptoativos e seus impactos de natureza jurídica, feita por um grupo de trabalho, instituído em setembro do ano passado pela Unidade Especial de Proteção de Dados e Inteligência Artificial (Espec).

Além disso, em março deste ano, a Escola Superior do Ministério Público de São Paulo promoveu um ciclo de palestras para membros e servidores do MP brasileiro que desejam conhecer o espaço Metaverso, remodelado com NFTs e criptomoedas, e o impacto global da Web 3.0.

Intitulado “Metaverso: um guia prático para o MP”, a iniciativa teve como foco a proteção dos direitos fundamentais nesse ambiente digital.

Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Imagem da matéria: Brasileiros importam R$ 8,9 bilhões em criptomoedas em abril apesar da queda do Bitcoin

Brasileiros importam R$ 8,9 bilhões em criptomoedas em abril apesar da queda do Bitcoin

Volume importado de criptomoedas mais que dobrou em abril em comparação com o mesmo período de 2023
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024