Celular no bolso de trás de calça jeans mostra logo do Mercado Livre.jpg
(Foto: Shutterstock)

A Mastercard firmou uma parceria com o Mercado Livre visando fortalecer a segurança e a transparência de seu programa de criptomoedas lançado recentemente no Brasil. O anúncio do acordo entre as empresas de serviço financeiro e do comércio eletrônico foi anunciado nesta quarta-feira (08) em um comunicado à imprensa.

Segundo a nota, a tecnologia CipherTrace da Mastercard permitirá ao Mercado Livre identificar e monitorar transações individuais com criptomoedas e atribuir uma classificação de risco. Além disso, o sistema vai permitir à varejista introduzir soluções de rastreamento de criptomoedas e o gerenciamento de obrigações regulatórias e de compliance.

Publicidade

“O potencial das criptomoedas para mudar nossas experiências cotidianas é enorme”, disse Ajay Bhalla, presidente de Cyber & Intelligence da Mastercard. Ele enalteceu a tecnologia da Mastercard e acrescentou que “toda interação e experiência devem ser protegidas”.

Para Estanislau Bassols, presidente da Mastercard Brasil, a parceria amplia mais ainda o relacionamento de longa data entre as instituições em ações para resolver as necessidades dos clientes em comum. “O Brasil é um dos mercados de criptomoedas mais quentes da América Latina, com altos níveis de adoção”, ressaltou Bassols.

Já para a vice-Presidente Sênior e COO do Mercado Pago,  Paula Arregui, a parceria com a Mastercard vai proporcionar mais educação financeira e, porconsequência, mais engajamento dos usuários,além de promover mais transparência.

“Alinhados ao nosso propósito de democratizar o comércio e os serviços financeiros, queremos derrubar mais barreiras, proporcionando uma experiência simples e segura com criptoativos”, destacou Arregui.

Publicidade

A nota conclui:

“A parceria com o Mercado Livre aumenta o impulso da Mastercard, que se baseia em suas crescentes parcerias para construir transações de criptomoedas seguras e simples. Também ajudará no desenvolvimento de novas plataformas para testar e apoiar programas de Moedas Digitais do Banco Central em torno do uso mais amplo da tecnologia blockchain e NFTs, e oferecerá o potencial de dar suporte a stablecoins apoiadas por moedas fiduciárias diretamente em sua rede”.

Como parte de sua missão de democratizar os serviços financeiros na América Latina, em dezembro do ano passado, o Mercado Livre anunciou que milhões de clientes do Mercado Livre e do Mercado Pago no Brasil poderiam comprar, manter e vender criptomoedas.

Mercado Livre e criptomoedas

A Mercado Libre (Mercado Livre no Brasil), assim como tantas outras grandes instituições, entrou no mercado cripto bem devagar. Em 2019, por exemplo, a plataforma chegou a mudar sua política para anúncios de criptomoedas, apesar de afirmar que não proibiria tais vendas.

Na mesma época, a empresa anunciou um investimento de R$ 3 bilhões no Brasil que visava expandir a Mercado Pago e criar centro de distribuição, localizado em Cajamar (SP).

Publicidade

Em 2020, a Mercado Pago já tinha uma parceria com a argentina Ripio e permitia compra de criptomoedas com saldo em carteira.

No ano seguinte, o fundador e CEO do Mercado Livre, Marcos Galperin, já fazia elogios ao Bitcoin como uma reserva de valor. Pouco tempo depois, a Mercado Livre passou a permitir a venda de imóveis por Bitcoin na Argentina — cerca de cinco meses depois, Galperin investiu individualmente na Ripio, em uma rodada de investimentos Série B.

Não demorou muito e a empresa anunciou, em maio de 2021, a compra de US$ 7,8 milhões em bitcoin “como parte de nossa estratégia de tesouraria”.

Em novembro do ano passado, a Mercado Livre anunciou sua entrada no mundo das criptomoedas ao permitir aos clientes do Mercado Pago a compra, venda e posse de criptomoedas usando as carteiras digitais que possuem por meio do serviço.

Em janeiro deste ano, o Mercado Livre anunciou uma participação na 2TM, controladora da corretora Mercado Bitcoin, e também um investimento estratégico na Paxos, plataforma regulamentada e líder de infraestrutura de blockchain que potencializa a experiência de criptomoeda do Mercado Pago no Brasil.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Grupo de brasileiros se unem no Telegram para tentar entender comunicações da massa falida da FTX em meio ao receio de novos golpes
Imagem da matéria: Bitcoin deve cair mais após o halving, avalia JPMorgan

Bitcoin deve cair mais após o halving, avalia JPMorgan

Avaliação do JPMorgan é que o Bitcoin está sobrecomprado e que o mercado já precificou o halving nos últimos meses
Imagem da matéria: Notcoin: Jogo cripto do Telegram promete voltar com grandes mudanças após airdrop

Notcoin: Jogo cripto do Telegram promete voltar com grandes mudanças após airdrop

O jogo viral do Telegram, Notcoin, está planejando voltar ao ar após o airdrop de 20 de abril
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca