Imagem da matéria: Mercado Bitcoin passa a valer US$ 2,1 bilhões após investimento de US$ 200 milhões do Softbank
Comando da 2TM: da esquerda para direita: Roberto Dagnoni, Chairman do 2TM; Reinaldo Rabelo, CEO do MB; Maurício e Gustavo Chamati, fundadores da empresa (Foto: Divulgação/Mercado Bitcoin)

A 2TM, controladora da corretora brasileira Mercado Bitcoin, passou a valer US$ 2,1 bilhões após receber um investimento de US$ 200 milhões da gestora internacional Softbank.

A injeção de capital, cuja negociação foi liderada pelo banco JP Morgan, foi assinada nesta semana e permitirá à empresa fortalecer os planos para um ecossistema que busca a fusão das criptomoedas com o mercado financeiro tradicional.

Publicidade

“O investimento é para acelerar e aumentar a escala das nossas iniciativas: da tokenização dos precatórios ao MeuBank, Bitrust, Clearbook, além da expansão para América Latina”, disse Gustavo Chamati, o cofundador do MB, ao Portal do Bitcoin.

Conforme Maurício, que fundou a corretora junto com o irmão Gustavo, o processo para receber o investimento não foi fácil: 

“A due diligence durou cerca de 70 dias. Foi pesado, mas validaram o que a gente construiu nos últimos anos”.

R$ 25 bilhões negociados em 2021

Em janeiro, o MB recebeu o primeiro investimento em uma rodada que contou com seis investidores. O valor exato não foi revelado, mas possibilitou à empresa ter R$ 200 milhões para aplicar.

Publicidade

Desde então, inspirada pelo movimento da americana Coinbase, a 2TM começou a estudar o processo de abertura de capital. 

Ao mesmo tempo, o mercado de criptomoedas explodiu no Brasil e no mundo e chegou à maturidade institucional.

“Negociamos mais de R$ 25 bilhões até maio. Em toda nossa história, até dezembro de 2020 tinha sido R$ 20 bilhões”, disse Gustavo.

O executivo acredita que estamos vivendo um processo sem volta no qual todos os grandes bancos vão explorar serviços com criptomoedas dentro de algum modelo de negócios.

Com a preparação para o IPO, começaram as conversas com os fundos. E então o namoro com o Softbank: 

“A gente conseguiu mostrar para o Softbank nossa tecnologia blockchain e experiência regulatória na construção da ponte entre o mercado tradicional e essa nova economia que temos desenhado desde 2019”, afirmou Gustavo. 

Assim também, o IPO perdeu por hora a relevância. “Era uma alternativa para levantar capital. Em outro momento, isso pode mudar”. 

Publicidade

Desafios e futuro

Sobre os desafios, como a crescente competição internacional, o executivo diz que a empresa está preparada para competir de acordo com as regras do jogo e acredita que estar de fora das regras não é algo sustentável no longo prazo. 

Gustavo comentou também que os problemas com os bancos, sobretudo o constante fechamento de contas, se tornaram coisa do passado.

“A gente já não enfrenta mais esses problemas. Conseguimos construir um compliance muito robusto de KYC a AML. Criar o MeuBank, por exemplo, não foi reativo, mas sim uma estratégia que já atingiu R$ 3 bilhões de volume transacionado”.

Segundo os fundadores, a empresa está chegando aos 500 funcionários e planeja ter a 700 até o final do ano.

“Tivemos que criar um modelo novo, do nada, e temos orgulho do construímos. Como pessoas e como empreendedores, estamos muito contentes”, disseram.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…