Imagem da matéria: Manhã Cripto: Promotores ampliam investigação sobre FTX; investidores de olho na Hodlnaut e Bitcoin (BTC) abaixo de US$ 23 mil  
Foto: Shutterstock

O mercado de criptomoedas começa a segunda-feira (6) no vermelho, em linha com o clima de cautela das bolsas internacionais. Os índices futuros dos EUA apontam para uma abertura em baixa, sob o peso de dados de emprego e tensão entre o governo americano e a China.  

O Bitcoin (BTC) registra baixa de 2,1% nas últimas 24 horas, cotado a US$ 22.845. Em reais, o BTC tem queda de 2,2%, negociado a R$ 118.455, de acordo com o Índice do Portal do Bitcoin (IPB). 

Publicidade

O Ethereum (ETH) também recua 2,1%, para US$ 1.632, segundo dados do Coingecko.  

A principais altcoins operam em terreno negativo, com destaque para BNB (-2,6%), XRP (-3,2%), Cardano (-2,1%), Dogecoin (-3,5%), Polygon (-3,5%), Solana (-4,3%), Polkadot (-2%), Shiba Inu (-4,6%) e Avalanche (-4,2%).  

OKB, token nativo da exchange OKX, vai na contramão e sobe 1,1%, com alta de quase 12 % em sete dias. 

Bitcoin hoje           

Números que mostraram um mercado de trabalho forte nos EUA intrigaram investidores em Wall Street na sexta-feira (3), o que trouxe perdas para os índices acionários e esfriou o rali das criptomoedas. 

A economia americana criou 517 mil empregos em janeiro, enquanto a taxa de desemprego caiu para 3,4%, o menor nível desde maio de 1969. Os dados levantaram dúvidas sobre o rumo da política monetária dos EUA, após os sinais de desaceleração dos preços terem alimentado expectativas de cortes dos juros ainda este ano. 

Publicidade

A tensão em torno do balão da China – que supostamente estaria espionando instalações militares nos EUA e foi derrubado pelo governo americano – também influencia as negociações no pré-mercado. 

Nesta terça (7), investidores ficarão atentos ao discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em Washington. A semana também conta com balanços de gigantes, entre eles do SoftBank e da Uber Technologies. 

Apesar da conhecida correlação entre o desempenho do Bitcoin e Wall Street, análise do CoinDesk destaca que investidores devem olhar para os mercados emergentes para justificar o investimento na maior criptomoeda. 

O argumento é apoiado pela maior demanda em países com sistemas financeiros deficientes, como Nigéria, Líbano e Vietnã e outros que se destacam no índice da Chainalysis com os 10 maiores mercados em adoção cripto, entre eles Filipinas, Índia e Brasil, além dos EUA, que ocupam a 5ª posição. 

Publicidade

Demissões na Protocol Labs 

Mesmo com sinais do crescente uso de criptomoedas em alguns mercados, o cenário macro ainda afeta empresas do setor. 

A Protocol Labs, empresa por trás da rede descentralizada de armazenamento de dados Filecoin, está demitindo 21% da equipe, o equivalente a 89 empregos, anunciou o CEO Juan Benet em post no blog da empresa na sexta-feira (3). 

Benet citou uma “recessão econômica extremamente desafiadora”, especialmente para empresas no espaço cripto, como a razão por trás dos cortes, o que obrigou a empresa a reduzir custos para enfrentar o novo ambiente, afirmou. 

A indústria cripto cortou quase 29 mil empregos desde abril do ano passado, de acordo com o CoinDesk

A crise também encolheu o mercado de crédito cripto e atingiu em cheio a MakerDAO, emissora da stablecoin DAI. A receita da organização autônoma descentralizada despencou 42%, para 65 milhões de tokens DAI (US$ 65 milhões) 2022.  

‘Unicórnios caídos’ 

O ano passado não foi nada fácil para os unicórnios, empresas privadas avaliadas em pelo menos US$ 1 bilhão. Reportagem da Forbes revela que 44 fundadores de unicórnios perderam quase US$ 100 bilhões em 2022. 

Entre eles estão os fundadores da startup de cartão de crédito Brex, os brasileiros Pedro Franceschi, de 26 anos, e Henrique Dubugras, 27, que haviam se tornado os bilionários “self-made” mais jovens do mundo, de acordo com a revista. Mas os dois já não são bilionários em dólares. A fortuna de cada um agora está avaliada em US$ 900 milhões, comparada a US$ 1,5 bilhão há um ano. 

Publicidade

No entanto, o maior perdedor foi de longe Sam Bankman-Fried (SBF), cujo patrimônio foi zerado. O fundador da exchante cripto perdeu US$ 24 bilhões no período. 

Investigações na FTX 

E por falar em Bankman-Fried, promotores federais estão investigando um número crescente de pessoas ligadas ao falido império da FTX, incluindo seu pai, irmão e ex-colegas, segundo o New York Times, que cita 13 pessoas com conhecimento do inquérito. 

No entanto, a intenção da nova gestão da FTX e de um comitê de credores de intimar a família imediata de SBF e outros executivos da corretora foi contestada pelo U.S. Trustee, uma divisão do Departamento de Justiça dos EUA que supervisiona processos de recuperação judicial. De acordo com o CoinDesk, o assunto vai ser discutido em audiência nesta quarta (8).  

O DoJ é contra ampliar a medida devido aos planos de indicar um investigador independente para o caso e, por isso, argumenta que duas investigações paralelas resultariam em custos extras. 

Os novos administradores da FTX também estão de olho em doações feitas a políticos dos EUA e pediram que os recursos sejam devolvidos. Os credores estão revisando cerca de US$ 93 milhões doados pela FTX entre março de 2020 e novembro de 2022, informou o The Block

Ativos da FTX 

A plataforma de criptomoedas Hodlnaut e seus créditos na FTX estão no radar de investidores. 

“Várias partes interessadas em adquirir” a Hodlnaut, de Singapura, e seus créditos entraram em contato com os administradores interinos que supervisionam a empresa após seu pedido de recuperação judicial, de acordo com um documento visto pela Bloomberg News.  

Publicidade

Os administradores negociam a assinatura de acordos de sigilo com os potenciais investidores, mostra o documento. 

Enquanto isso, a Emergent Fidelity Technologies, um veículo de investimento offshore que Bankman-Fried usou para comprar uma participação na Robinhood Markets, entrou com pedido de recuperação judicial nos EUA em meio à disputa com a nova gestão da FTX e com a plataforma de crédito cripto BlockFi pela fatia. 

A saga da FTX parece longe do fim, mas produtoras se apressam para lançar filmes, séries de TV e documentários sobre o caso. 

Falência da InDeal 

No Brasil, a história de uma empresa chegou ao capítulo final. A InDeal – acusada de operar uma pirâmide financeira com criptomoedas e desviar dinheiro de clientes – decretou falência, de acordo com comunicado da Justiça Federal de Porto Alegre. Segundo o jornal Zero Hora, com a falência, os bens que foram confiscados pela Justiça – ativos financeiros, imóveis e veículos – devem ser enviados para a Regional Empresarial da Comarca de Novo Hamburgo, sede da InDeal.  

Já a Braiscompany, outra empresa problemática que tem atrasado o pagamento a clientes pelo serviço de “aluguel de criptoativos”, é marcada pela “obsessão” em atrair novos usuários. Em depoimentos ao Portal do Bitcoin, ex-funcionários revelaram a pressão por metas agressivas de captação de recursos e patrulha ideológica. 

Outros destaques das criptomoedas 

O PicPay, maior carteira digital no país, ampliou a oferta de criptomoedas, que agora soma 10 diferentes tokens, e superou a marca de 1 milhão de usuários em sua plataforma de criptoativos, conforme o Valor. A exchange passou a oferecer também Solana (SOL), que se soma à oferta de Bitcoin (BTC), Ethereum (BTH), stablecoin Pax Dollar (USDP), e dos tokens Uniswap (UNI), Chainlink (LINK), Litecoin (LTC), Polygon (MATIC), Bitcoin Cash (BCH) e Aave (AAVE). 

A Binance recomendou que a Zanmai Labs, a entidade que opera a exchange cripto indiana WazirX, busque maneiras de retirar quaisquer ativos remanescentes mantidos nas carteiras da maior corretora cripto do mundo, de acordo com um post na sexta-feira. A solução parece ter intensificado ainda mais a polêmica sobre o controle acionário entre as duas exchanges, de acordo com o CoinDesk, embora a WazirX tenha iniciado a transferência de ativos para outras carteiras. 

Apesar das disputas no mercado indiano, a BNB Chain, ligada à Binancepretende ser competitiva em 2023, após um ano tumultuado para os mercados de criptomoedas, disse a Messari. A rede blockchain se concentrará em estratégias de crescimento e desenvolvimentos tecnológicos, incluindo soluções de dimensionamento e aumento da taxa de transferência, segundo relatório

Analistas da Cowen também estão otimistas em relação à Coinbase. O volume total negociado pela exchange cripto americana em janeiro somou US$ 55 bilhões, um aumento de 58% em relação ao mês anterior. Já o volume médio diário de US$ 1,8 bilhão é o maior desde agosto, quando a média diária foi de US$ 1,9 bilhão, escreveram os analistas Stephen Glagola e George Kuhle. 

O carnaval já começou em Veneza e terá extensa programação até seu encerramento, no dia 21. Em 2023, a folia acontecerá também no metaverso, segundo o jornal O Globo. A ideia é que pessoas em qualquer lugar do mundo possam aproveitar a festa, “vestindo” as versões virtuais das inconfundíveis máscaras e fantasias venezianas.  

VOCÊ PODE GOSTAR
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Executivo da Binance preso na Nigéria vai parar no hospital após desmaiar em julgamento

O executivo da Binance Tigran Gambaryan passou mal durante seu julgamento na Nigéria e precisou ser hospitalizado
Donald Trump é fotografado em comício nos EUA

Trump agora aceita doações em Bitcoin e cumpre promessa com relação às criptomoedas

Bitcoin, Ethereum, Dogecoin, Solana, Shuba Inu e XRP estão entre criptomoedas aceitas pela candidato Donald Trump