Imagem da matéria: Pirâmide financeira Indeal, que deixou prejuízo de R$ 1 bilhão, decreta falência
Foto: Shutterstock

A Justiça Federal de Porto Alegre (RS) recebeu comunicação de que a empresa Indeal – acusada de funcionar como uma pirâmide financeira com criptomoedas e desviar dinheiro de clientes – decretou falência. A informação é de reportagem da Gaúcha Zero Hora publicada no sábado (4).

Segundo o jornal, com a decretação da falência, os bens que foram sequestrados pela Justiça – ativos financeiros, imóveis e veículos – devem ser enviados para a Regional Empresarial da Comarca de Novo Hamburgo, cidade onde funcionava a empresa. A 7a Vara Federal também não deverá mais aceitar novos pedidos de reserva de penhoras, valores e informações de endereços dos réus.

Publicidade

Por outro lado, a ação penal contra a companhia e os sócios continua em andamento. Em julho do ano passado, o Ministério Público Federal pediu a condenação de 15 réus.

O fim do esquema, que consistia em oferecer falsos rendimentos de até 15% ao mês em investimentos em Bitcoin, ocorreu em 2019 com a operação Egyto da Polícia Federal (PF) que levou à prisão de vários suspeitos. A Procuradoria da República no RS requer que os acusados paguem R$ 1,19 bilhão a título de reparação de danos a 23,2 mil consumidores lesados.

Além do golpe de pirâmide, os acusados também respondem ao crime de lavagem de dinheiro devido à grande quantidade de valores enviados para o exterior. Eles converteram o dinheiro arrecadado dos investidores em criptomoedas em corretoras como Binance e Poloniex. Os EUA cooperaram com as investigações e congelaram US$ 24 milhões (cerca de R$ 136 milhões) em criptomoedas oriundas da fraude.

Desde a derrubada do esquema em 2019, os clientes da Indeal tentam reaver os investimentos na Justiça. Segundo a Gaúcha Zero Hora, existem diversos relatos de vítimas que venderam bens como carros, imóveis e terrenos para aplicar na Indeal e nunca mais tiveram acesso ao dinheiro.

Publicidade

Golpe da Indeal começou em 2017

Desde 2017 a Indeal captava recursos para investimento em criptomoedas e prometia ganhos de até 15%, sendo que no primeiro mês essa porcentagem era declarada como garantida.

Alguns sócios apresentaram uma evolução patrimonial descomunal — teve sócio que passou de menos de R$ 100 mil para dezenas de milhões de reais em cerca de um ano.

O tipo de negócio chamou a atenção da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que proibiu a empresa de operar no Brasil.

De acordo com o Superintendente da PF no RS, a Operação Egyto foi iniciada a partir de um e-mail. Nele, a pessoa questionava a legalidade dessa companhia que “estava captando recursos para investimentos com criptomoedas, que possuía capital social de R$ 100 milhões e prometia 15% de retorno ao mês”.

Quer fazer uma denúncia? Envie um e-mail para [email protected]

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Mercado Bitcoin celebra 11 anos com nova assinatura de marca

Mercado Bitcoin celebra 11 anos com nova assinatura de marca

Completando 11 anos, o MB introduz um novo posicionamento de marca, caracterizado por uma atualização na identidade visual
Imegem aérea feita pela ANDE de fazenda de mineração de bitcoin em Canindeyú

Polícia do Paraguai desmonta fazenda de mineração de Bitcoin com 2.700 ASICs

Ação na cidade de Canindeyú contou mais uma vez com a ajuda da inteligência artificial para identificar variações na carga da rede elétrica
Imagem da matéria: Microstrategy e Michael Saylor irão pagar US$ 40 milhões em acordo de processo fiscal

Microstrategy e Michael Saylor irão pagar US$ 40 milhões em acordo de processo fiscal

Procurador-geral disse em 2022 que Saylor se envolveu em um “esquema fraudulento” para evitar o pagamento de impostos
Imagem da matéria: MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

“Muitas dessas novidades podem ser acessadas a partir de R$ 1. Isso dinamiza nosso portfólio, e viabiliza a democratização”, diz executivo