Imagem da matéria: Maior banco de custódia do mundo apoia marketplace de criptomoedas, diz jornal
Foto: Shutterstock

O BNY Mellon, maior banco de custódia do mundo, apoiou publicamente o marketplace de criptomoedas Pure Digital, baseado em Londres, segundo reportagem publicada nesta quarta-feira (21) pelo Financial Times.

O aceno da instituição financeira, considerada a mais antiga das américas, é um sinal de que gestores de ativos tradicionais perceberam que seus clientes também estão interessados no crescente mercado de criptoativos, disse o veículo.

Publicidade

Com o movimento, o BNY Melon se juntou a um consórcio formado por outros cinco bancos que já ‘abraçaram’ a Pure Digital, entre eles o State Street Corporation, outro gigante da custódia.

“Os ativos digitais só vão se tornar mais integrados nos mercados globais nos próximos anos, e esta colaboração está de acordo com a estratégia mais ampla do BNY Mellon de desenvolver uma capacidade de ativos digitais para clientes em todo o ciclo de vida comercial”, disse Jason Vitale, chefe global de câmbio do banco, ao veículo.

O cofundador da Pure Digital, Campbell Adams, disse para o Financial Times que havia procurado diversas instituições de primeira linha para se juntar ao negócio, mas os bancos de custódia foram os primeiros a ‘entrar no barco’.

Ele falou ainda que a primeira negociação de bitcoin dentro da plataforma deve ocorrer “dentro de uma semana”.

Bancos e criptomoedas

Em fevereiro, o BNY Melon já havia divulgado que iria oferecer gestão de bitcoin e outras criptomoedas para seus clientes, conforme notícia publicada na época pelo Wall Street Journal.

Publicidade

Roman Regelman, executivo-chefe de negócios digitais da instituição, falou que a medida estava sendo tomada porque os ativos digitais haviam virado “mainstream”.

No Brasil, alguns bancos, que costumavam atacar as criptomoedas no passado, mudaram de estratégia e começaram a disponibilizar fundos de investimentos em cripto.

VOCÊ PODE GOSTAR
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Hong Kong bane Worldcoin por coleta de dados “desnecessária e excessiva”

A Worldcoin chegou a escanear o rosto e a íris de 8.302 indivíduos durante sua operação em Hong Kong, segundo autoridades
máquinas de mineração de criptomoedas apreenidas em

Polícia apreende 396 mineradoras de Bitcoin em casa de ex-deputado paraguaio

Miguel Cuevas, que já foi preso por enriquecimento ilícito, agora pode também ser investigado por furto de energia
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Imagem da matéria: Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Em maio de 2022, o ecossistema da Terra (LUNA) entrou em uma “espiral da morte” que levou uma das criptomoedas consideradas mais promissoras daquele ano a cair para zero em 24 horas