Imagem da matéria: Justiça bloqueia R$ 3 milhões por venda de imóvel de luxo da sócia de empresário sequestrado de Santos
Foto de Paulo Bilibio em 2014, quando ele promovia a pirâmide financeira BBom no Guarujá (Foto: Reprodução)

A Justiça de São Paulo deferiu o pedido liminar de Guilherme Aere dos Santos e arrestou R$ 3 milhões recebidos pela sócia da BWA na venda de um imóvel de luxo. O processo está em segredo de justiça, mas constam algumas informações dele e do arresto no Registro Geral do referido imóvel.

O Portal do Bitcointeve acesso ao referido documento público que trata sobre um apartamento, em Santos,  pertencente a Jéssica da Silva Farias, sócia-administradora da BWA. Ela, no entanto, assim como Paulo Bilibio Ramos e o filho dele, Bruno Henrique Maida Bilibio, não se encontra mais no país.

Publicidade

Apesar de ter havido outros bloqueios deferidos pela Justiça, essa é a primeira vez que um cliente consegue alcançar um bem. O fato, contudo, é que o imóvel de mais de 360m², localizado no Residencial L’Art Vila Rica, havia sido vendido a outras pessoas em outubro pelo valor de R$ 3 milhões. 

Sócia da BWA executada

O juiz, então, da 12º Vara Cível de São Paulo decidiu arrestar o valor referente a essa venda do apartamento e mandou nomear como depositária fiel desse montante milionário a própria Jéssica Farias, conforme consta no registro nº 10 do imóvel.

Um fato, no meio disso tudo, que chama a atenção é que a sócia da empresa BWA, suspeita por atividade fraudulenta com criptomoedas, havia comprado esse apartamento por R$ 4.910.000,00 alguns meses antes de se desfazer dele.

Em maio de 2019 ela havia pagado R$ 1.910.000,00 a mais do que o valor pago pelo casal Rogério Aguiar de Paiva e Ana Paula Deleuse de Paiva, que adquiriu o imóvel em outubro. 

Publicidade

No registro de imóveis consta a promessa de compra e venda datada em novembro. No entanto, há um contrato referente a essa transação registrado um mês antes. Esse documento está em anexo ao registro público do apartamento.  Em ambos documentos, se tem que os R$ 3 milhões já foram recebidos por Jéssica Farias.

Estranha transação

O advogado de Guilherme Aere, Samir Farhat, do escritório Arbach & Farhat Sociedade de Advogados, afirmou que essa promessa de compra e venda é um tanto estranha.

“As características e elementos (práticos e jurídicos) dessa promessa de venda para terceiros fogem bastante do usual, em operações dessa natureza e valor. Considerando que esse imóvel é de uma das sócias da empresa, ele poderia sim servir para indenizar pessoas que foram lesadas pela BWA Brasil ou qualquer das empresas do grupo econômico”. 

Segundo o advogado, juridicamente ainda não se efetivou a transferência da propriedade deste imóvel para terceiros. “O contexto e os reflexos jurídicos dessa promessa de venda certamente serão objeto de análise pelo Poder Judiciário”. 

Publicidade

Farhat explicou que vem acompanhando as crescentes demandas na Justiça contra a BWA que se iniciaram em dezembro e hoje contabilizam mais de 100. De acordo com o advogado, em muitas dessas ações foram incluídos sócios informais e outras empresas relacionadas com a atuação da BWA Brasil.

 “Dos processos que pudemos analisar há até consumidores relacionando a BWA Brasil com a Negociecoins, que está em recuperação judicial, bem como com o Sr. Claudio José de Oliveira, dono da Negociecoins”, afirmou. 

Suspeita de fraude

Ele disse que não há como negar a “existência de uma relação de consumo entre a BWA Brasil e seus clientes”, o que no seu ponto de vista facilita a constrição desse imóvel.

Por outro lado, o advogado mencionou que “a BWA Brasil e seus sócios planejaram um sofisticado esvaziamento patrimonial antes de pararem de pagar seus clientes”.

Farhat acredita que a BWA tenha atuado em atividade fraudulenta.Ele ainda aconselhou que as pessoas tenham cuidado com empresas de investimento que prometam rendimentos destoem com o mercado. 

Publicidade

“Nesses casos sempre há grande chance de existir algum tipo de fraude, seja no esquema conhecido como “pirâmide” ou qualquer outra estrutura previamente idealizada para lesar as pessoas. É preciso ter cuidado, porque dificilmente encontra-se patrimônio da empresa ou dos sócios para satisfazer a dívida”.

Dívida da BWA

A ação se trata de uma execução civil, ou seja, um processo pelo qual não se discute a existência do débito em si e isso se difere das outras mais de 100 ações comuns que tramitam na Justiça de São Paulo contra a BWA.

Não há informações sobre os detalhes desse processo pelo fato de ele estar sob segredo de justiça. No entanto, o valor do arresto aponta que se trata do investimento de R$ 3 milhões feito por Guilherme Aere dos Santos em novembro de 2018.

A transação teria ocorrido com o uso da  tecnologia de arbitragem da BWA por meio de uma empresa chamada Calegari.

Santos havia se tornado a principal suspeita de ser o mandante do sequestro do dono da BWA. Em depoimento, no entanto, ele negou ter participado do crime ocorrido no final de 2018.

Santos relatou à Polícia que havia comprado Bitcoins por meio da BWA, mas teve suas criptomoedas retidas numa das empresas do grupo Bitcoin Banco (GBB). Ele disse que somente procurou o empresário para cobrar a dívida porque Bilibio havia prometido resolver o problema do GBB.

Publicidade

No mesmo depoimento prestado à Polícia, Santos afirmou que Bilibio era o verdadeiro dono do Bitcoin Banco, o que foi negado  pelo empresário santista.

Decisão sem efeito

No ínicio deste mês, os sócios da BWA foram proibidos de fazer viagem internacional. A decisão, contudo, não teve efeito prático uma vez que os sócios já haviam deixado o país.

Paulo Bilibio Ramos e o filho dele Bruno Henrique Maida Bilibio foram para os Estados Unidos após começarem a estourar escândalos em torno da empresa. 

A BWA havia deixado de pagar centenas de investidores e chegou a prometer que resolveria a situação até o último dia 15, mas nada mudou até então e isso desencadeou em inúmeras ações judiciais, incluindo essa execução promovida por Guilherme Aeres. 

 Calote generalizado

A BWA, baseada em Santos, parou de pagar os seus clientes no ano passado, deixando esses investidores em desespero. A empresa inicialmente dava rendimentos de 3% mensais sobre as aplicações que variavam entre R$ 30 mil e R$ 300 mil. No entanto, esses rendimentos não duraram tanto tempo e seus clientes tiveram todo o investimento preso.

Ainda no ano passado, a plataforma da empresa chegou a mudar de nome. Deixou de se chamar BWA e passou a dotar o nome Alpen Global. Os clientes naquele período até conseguiam ver os saldos mas não havia mais os dados sobre a rentabilidade. Também não era possível retirar os recursos aportados.

Não só os clientes foram lesados. A empresa além de dar calote em seus investidores deixou também de pagar os aluguéis de sua sede, o que levou a imobiliária Praiamar Corporate entrasse com uma ação judicial requerendo o despejo e o pagamento de R$ 87.906,83.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br


VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken