Imagem da matéria: Influencers devem avisar quando divulgarem conteúdo pago, recomenda CVM
Shutterstock

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) publicou nesta quarta-feira (19) um estudo recomendando como deve ser regulamentada a ação de influenciadores digitais que abordam o mercado financeiro em seus conteúdos. 

O material sugere que seja criado um dispositivo que obrigue a exigência de transparência e divulgação ativa de quaisquer relações contratuais de publicidade e divulgação de valores mobiliários celebrados entre os regulados pela CVM e os influenciadores digitais – sejam pessoas físicas ou plataformas de divulgação. 

Publicidade

Vale lembrar que nos EUA diversos influencers e celebridades estão sendo processadas por supostamente recebem para fazer propaganda da falida corretora FTX na divulgação de valores mobiliários não autorizados.

O estudo da CVM aponta que uma pesquisa da B3 identificou que 73% das pessoas físicas que realizaram o primeiro investimento tomaram essa decisão com base em informações de YouTube de influenciadores. 

A entidade ressalta que a medida tem um custo baixo de implementação e com diversos benefícios: “O mercado como um todo ganharia em higidez, ao mitigar potenciais conflitos de interesses no consumo de conteúdo patrocinado regulado; para os participantes, a maior segurança jurídica e o correto estabelecimento das responsabilidades previne futuros riscos financeiros e de imagem; para os influenciadores, a transparência de suas relações com os participantes do mercado pode ser também um sinalizador de credibilidade da sua atuação”.

Em comunicado divulgado para a imprensa, José Antônio de Souza, analista da CVM, explica que o objetivo não é regular a atuação dos influenciadores, mas estender a eles as obrigações exigidas aos regulados da CVM. 

Publicidade

“Todo participante autorizado pela Autarquia a atuar no mercado de capitais deve cumprir as normas do regulador. Isso é primordial para o bom funcionamento e a integridade do setor. A mesma conduta também deve ocorrer para os contratados pelos regulados. Então, a proposta é demonstrar que a transparência com o investidor deve se estender aos influenciadores e às plataformas de investimento contratadas por regulados da CVM”, afirma o analista.

Já Bruno Luna, também analista da CVM, lembra que o “foco não é entrar em questões operacionais, que poderão ser melhor descritas por meio da autorregulação”. Segundo o especialista, o “objetivo é informar o público investidor de que aquela orientação, informação ou opinião está sendo emitida por conta de um contrato entre o influenciador e um regulado da CVM”. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Nathalia Arcuri falando em evento

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria de conteúdo via blockchain

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria via blockchain e promovem educação financeira de criptoeconomia gratuita
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken