Imagem da matéria: Indústria dos jogos irá adotar NFTs apesar de críticas, afirma cofundador do Sandbox
The Sandbox (Imagem: divulgação)

Jogos rapidamente se tornaram um setor significativo da crescente indústria de tokens não fungíveis (ou NFTs, na sigla em inglês).

O jogo “play-to-earn” na Ethereum Axie Infinity gerou US$ 3,8 bilhões de volume negociado até hoje enquanto jogos de metaverso, como The Sandbox e Decentraland, se beneficiaram do crescente hype em torno dos terrenos digitais.

Publicidade

Mas embora jogos NFT nativos a cripto estejam crescendo e tendo sucesso, existe uma enorme resistência de jogadores e fãs da indústria tradicional de videogames.

Ubisoft, a grande publicadora de jogos por trás de Assassin’s Creed e Just Dance, lançou recentemente uma plataforma de NFTs integrados e movida pela Tezos chamada Quartz (e recebeu bastantes críticas nas redes sociais.

O estúdio vai seguir em frente com suas iniciativas, mas o estúdio GSC Game World cancelou planos de acrescentar NFTs a seu futuro jogo S.T.A.L.K.E.R. 2 e o serviço de chat para jogadores Discord (também popular entre organizações autônomas descentralizadas, ou DAOs, e comunidades cripto) pausou planos de integrar carteiras cripto após uma enorme reação de jogadores.

Sebastien Borget, cofundador e diretor operacional do The Sandbox, disse ao Decrypt que o atrito de jogadores será “inevitável” dadas as mudanças significativas que itens NFT pertencentes a usuários e economias tokenizadas de jogos representam.

Publicidade

Segundo ele, criar jogos em torno de NFTs e tokens cripto pode abalar a experiência da jogabilidade ao fornecer benefícios a jogadores, permitindo que comprem e vendam itens integrados livremente e possivelmente usá-los entre diversos jogos e plataformas on-line.

“Cada estúdio [de jogos] que eu conheço, desde a maior e principal empresa à menor, terá um produto, se não muitos, envolvendo blockchain [em 2022]”, disse. “O que isso irá criar será a transição de modelo de negócio mais rápida e mais adotada que veremos.”

Um NFT atua como um contrato de governança para um item digital, individual e exclusivo. Tais tokens são emitidos no registro imutável de plataformas blockchain como Ethereum e Solana, fornecendo escassez comprovável e a capacidade de comprar, vender e transferir tais ativos.

No caso dos jogos, um NFT pode atuar como um personagem ou avatar único, um design distinto de uma arma, um lote de terra virtual e mais. The Sandbox, um jogo de mundo compartilhado de metaverso, usa NFTs para representar terrenos, avatares e mais.

Publicidade

Por outro lado, Axie Infinity apresenta seus monstrinhos coloridos como NFTs colecionáveis, junto com terrenos e outros itens.

Tais ativos de NFTs são verdadeiramente pertencentes a jogadores e podem ser vendidos ou negociados e podem acumular valor ao longo do tempo.

É uma grande diferença dos jogos atuais, como Fortnite e Roblox, em que jogadores pagam dinheiro de verdade por moedas virtuais e as trocam por itens digitais (mas esses itens são bloqueados no mundo do jogo e não podem ser revendidos).

Alguns defensores da Web 3 os descrevem como “aluguel” de itens digitais: ainda podem tecnicamente pertencer à publicadora do jogo.

O advento de itens NFT internos a jogos e modelos de tokens “play-to-earn” não é a primeira mudança de negócios na indústria de jogos a sofrer com revoltas: conteúdos que podem ser baixados (DLC) e modelos de jogos “free-to-play” também foram criticados antes de se tornarem padrões da indústria.

Pode demorar um tempo para demonstrarem possíveis benefícios para um público que é apreensivo com mudanças.

“O atrito de jogadores – sim, é esperado. Às vezes, a sociedade não evolui tão rápido quanto modelos e tecnologias evoluem”, disse Borget.

Publicidade

Ele sugeriu que jogadores não devem temer um novo modelo de governança de itens digitais apenas porque “se acostumaram com o modelo antigo” e já investiram tempo e dinheiro nele.

Borget acredita que jogadores mais jovens, aqueles que cresceram em um mundo já digital e estão acostumados com jogos movidos por conteúdos premium, irão acolher jogos focados em NFT mais rápido.

“Apenas será o padrão que qualquer coisa que possuem virtualmente é valiosa porque a possuem e possam transferi-la onde quiserem”, disse.

Meta vs. o metaverso

A estrela do The Sandbox ascendeu nos últimos meses e, embora isso seja graças às grandes alianças com Snoop Dogg, a franquia “The Walking Dead” e outras marcas e celebridades, outro fator principal é a iniciativa de metaverso do Facebook.

No fim de outubro, o Facebook demonstrou sua visão para o futuro da internet: um metaverso on-line em que usuários jogam, trabalho e socializam em espaços compartilhados em 3D usando avatares.

A empresa mostrou o CEO Mark Zuckerberg como um avatar em desenho e sugeriu uma possível integração e venda com NFTs, além da reformulação do Facebook de sua empresa-mãe para Meta no processo.

Publicidade

Mas por ser uma gigante empresa centralizada, muitos da comunidade cripto têm receio de que o Facebook irá tentar possuir ou dominar o conceito de metaverso e ainda não se sabe quão aberta e interoperável sua versão será.

Um recente memorando interno vazado sugere que o Facebook está aberto à compatibilidade com blockchain, mas a empresa ainda precisa oficializar essa declaração.

Animoca Brands, empresa-mãe do The Sandbox e grande investidora em startups cripto, é uma das empresas que são contra Meta.

Em outubro, Yat Siu, cofundador e presidente executivo, disse considerar que o Facebook e a empresa chinesa de tecnologia Tencent como “uma ameaça” a um metaverso aberto e que a Animoca está “correndo” para financiar sua visão interoperável.

Em novembro, o cofundador e líder de crescimento do Axie Infinity Jeff Zirlin disse, durante a conferência NFT BZL, que a iniciativa Meta do Facebook é “uma batalha pelo futuro da internet” e que empresas centralizadas querem “comprar a alma da internet”.

Borget disse ao Decrypt que ele concorda “bastante” com os comentários de ambos os colegas.

“Existe um risco de que, se não agirmos e não mostrarmos que existe um caminho adiante em que usuários podem estar no centro da produção de valor – e serem recompensados por seu valor por meio da verdadeira governança e autossoberania”, disse Borget.

“Então, o metaverso só se torna a mesma coisa que a Web 2, onde usuários são monetizados como um produto.”

Tal versão centralizada do metaverso “não seria diferente do que vimos 20 anos atrás com o Second Life”, explicou, referindo-se ao jogo de mundo virtual do Linden Labs de 2003, geralmente considerado como um precursor das iniciativas modernas de metaverso.

Será um “local tedioso sem imaginação”, acrescentou, se o Facebook criar, com sucesso, um metaverso centralizado e intrínseco aos modelos da Web 2 em vez de adotar a tecnologia blockchain e economias pertencentes a usuários.

“O metaverso é um conceito fantástico que pode modelar a tecnologia para sempre – assim como nós, como seres humanos, interagem”, explicou Borget.

“[Quero que beneficie] a todos igualmente e é uma nova chance de melhorar as coisas – não apenas para lucro ou visão a curto prazo, mas mais sobre: Como modelamos o futuro para a próxima geração de usuários?”.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Reserva de Bitcoin de mineradores bate mínima em três anos com vendas antes do halving

Reserva de Bitcoin de mineradores bate mínima em três anos com vendas antes do halving

Diferente do que aconteceu antes do halving de 2020, desta vez os mineradores aproveitaram a recente disparada do Bitcoin para vender parte de suas reservas
Celular com o logo da OpenSea e imagens NFT

CEO do OpenSea fala sobre o futuro do mercado de NFTs mais popular do mercado

Devin Finzer falou sobre Bitcoin Ordinals, o lançamento de um token e o suporte para NFTs ERC721-C, um passo em direção ao OpenSea 2.0
silhueta de homem com celular e logo da coinbase no fundo

Coinbase entra com recurso contra decisão em caso contra a SEC

Ao interpor o recurso, a Coinbase alega motivos substanciais para divergências de opinião, segundo disse o site The Block citando uma pessoa familiarizada com o caso
Uniswap, venture, criptomoedas, investimentos, web3

Manhã Cripto: Token da Uniswap despenca 17% após alerta de processo da SEC e Bitcoin recupera os US$ 70 mil

CEO da Uniswap, Hayden Adams, disse não estar surpreso, “apenas irritado, desapontado e pronto para lutar”