Imagem da matéria: InDeal: donos da empresa se calam em depoimento na Polícia Federal
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Cinco sócios da InDeal foram levados do sistema prisional para serem ouvidos na Delegacia de Combate a Crimes Financeiros (Delecor) da Polícia Federal (PF) na quarta-feira (29), em Porto Alegre. Todos permaneceram em silêncio o tempo inteiro, segundo o Gaúcha ZH.

Eles foram presos durante a Operação Egypto no dia 21 deste mês por estarem envolvidos nos negócios da empresa que está sendo investigada pela Polícia Federal, com apoio da Receita Federal e Polícia Civil.

Publicidade

As autoridades acreditam que eles façam parte de um plano milionário de arrecadação da InDeal para posterior uso do dinheiro em benefício próprio. A prova disso, segundo a Polícia, é um déficit de R$ 300 milhões nos cofres da empresa.

Neste caso, eles vão responder por gestão fraudulenta, por não investirem em criptomoedas como prometido, e apropriação indébita financeira. Mas eles também são suspeitos de comprar bens com os valores investidos dos clientes, o que os leva a responder também por lavagem de dinheiro.

Outros crimes, como atuar sem autorização e atrapalhar as investigações, cometidos pela organização também fazem parte do processo. Além disso, a Polícia Federal também já estuda plano para restituir as vítimas.

De acordo com o site, os suspeitos eram Francisco Daniel Lima de Freitas, Marcos Antônio Fagundes, Tassia Fernanda da Paz, Ângelo Ventura da Silva  e Régis Lippert Fernandes. No entanto, eles nada falaram.

Publicidade

A reportagem do Gaúcha ZH disse que tentou contato com a defesa da InDeal, a advogada Veridiana Paiva, mas não obteve sucesso com a ligação.

Clientes fazem abaixo-assinado

Alguns clientes da InDeal estão fazendo um abaixo-assinado a favor da empresa, mesmo depois que a Polícia e a Receita Federal darem detalhes sobre a atuação ilícita da empresa após a Operação Egypt.

Registrada na plataforma Avaaz como ‘Manifestação pública de apoio a InDeal’, a campanha visa 7.500 votos de apoio. Na manhã desta quinta-feira, cerca de 6.200 pessoas já haviam assinado a petição.

O grupo de apoio diz que o intuito da petição é que a atual situação seja esclarecida o mais rápido possível para que a empresa possa continuar atuando no mercado.

Publicidade

Operação Indeal

A Operação Egypto foi idealizada a partir de um e-mail direcionado à PF, onde a pessoa questionava a legalidade da companhia.

Após investigações, descobriu-se, então, que a suposta empresa de criptomoeda arrecadou R$ 700 milhões entre agosto de 2018 e fevereiro de 2019.

No entanto, esse valor pode chegar a R$ 1 bilhão, segundo um auditor fiscal de Receita Federal que falou após a ação.

Participaram da operação 130 policiais federais, 20 servidores da Receita Federal do Brasil e seis policiais civis que cumpriram mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão em várias cidades do país.

Além dos mandados, foram expedidas ordens judiciais de bloqueio de ativos financeiros em nome de pessoas físicas e jurídicas, de dezenas de imóveis e a apreensão de veículos de luxo.

Publicidade

Promessa da Indeal

O inquérito policial foi instaurado em janeiro de 2019 para apurar a atuação da empresa. Ela estaria captando recursos de terceiros sem a autorização dos órgãos competentes.

A empresa dizia que aplicava o dinheiro em criptomoedas e oferecia um retorno garantido de 15%, ao menos, no primeiro mês de aplicação.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

Talvez você queira ler
Imagem da matéria: Liqi anuncia fim de corretora de criptomoedas, mas segue com produtos para empresas

Liqi anuncia fim de corretora de criptomoedas, mas segue com produtos para empresas

Os clientes terão até o dia 11 de janeiro para realizar saques; após esse prazo, a Liqi procederá com a liquidação dos ativos
Imagem da matéria: Criptomoedas não devem ser “expelidas” do mundo financeiro, diz presidente do Banco Central

Criptomoedas não devem ser “expelidas” do mundo financeiro, diz presidente do Banco Central

“Quanto mais perto estiver, mais você vai conseguir regular e entender”, disse Campos Neto ao analisar o mercado de criptomoedas
Imagem da matéria: Lei escrita totalmente pelo ChatGPT é sancionada em Porto Alegre

Lei escrita totalmente pelo ChatGPT é sancionada em Porto Alegre

O vereador Ramiro Rosário só revelou sua metodologia após o prefeito de Porto Alegre sancionar a lei
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Juiz proíbe ex-CEO da Binance de deixar os EUA; Investidores da FTX processam F1 e liga de beisebol 

Manhã Cripto: Juiz proíbe ex-CEO da Binance de deixar os EUA; Investidores da FTX processam F1 e liga de beisebol 

O fundador da Binance deverá permanecer em território americano até que o tribunal de Seattle avalie se ele poderá retornar aos Emirados Árabes