Imagem da matéria: Improbable arrecada US$ 150 milhões para startup que conecta mundos do metaverso
(Foto: Shutterstock)

Nos últimos meses, o hype pelo metaverso explodiu desde a reformulação do Facebook para Meta, mas a visão de uma futura internet imersiva e experimental pode demorar anos até tomar forma.

Será preciso bastante infraestrutura e a startup inglesa de tecnologia de jogos Improbable espera liderar o setor com uma nova iniciativa e bastante financiamento.

Publicidade

Nesta quinta-feira (7), a companhia divulgou a M² (MSquared), uma nova entidade que irá focar no desenvolvimento da tecnologia para a Web 3, necessária não apenas para trazer grandes mundos de metaverso à vida, mas também permitir que haja interoperabilidade para que usuários possam movimentar tokens não fungíveis (ou NFTs, na sigla em inglês) e itens entre mundos. NFTs são tokens cripto utilizados para demonstrar propriedade sobre itens digitais.

A M² é uma entidade independente da empresa principal Improbable e, assim, também arrecadou fundos separados. A nova entidade arrecadou US$ 150 milhões frente a uma avaliação de US$ 1 bilhão, tornando-se o mais novo “unicórnio” do setor cripto — termo dado a empresas que estão avaliadas acima de US$ 1 bilhão.

Andreessen-Horowitz (ou a16z) e Softbank lideraram a rodada de financiamento, que também contou com a participação do Digital Currency Group (ou DCG), Ethereal Ventures, Mirana, SIG e CMT.

O metaverso se refere a uma visão da futura internet, em que usuários vão interagir via avatares 3D entre ambientes imersivos, utilizados para trabalho, diversão, socialização, compras e mais.

Publicidade

Jogos desenvolvidos no Ethereum, como Decentraland e The Sandbox, são considerados como exemplos iniciais de como poderá ser o amplo metaverso.

Embora desenvolvedores cripto vislumbrem um metaverso desenvolvido em torno de ambientes interoperáveis, que permitam que usuários migrem seus NFTs — como avatares, itens, vestuário e mais — entre mundos, esse pode não ser o caso para todas as empresas que estão tentando desenvolver o metaverso.

Por exemplo, ainda não se sabe quão aberto e interoperável será o metaverso do Facebook.

Aparentemente, a M² foi criada com foco em interoperabilidade. A iniciativa combina a tecnologia de jogos Morpheus da Improbable — que permite que mundos on-line mais detalhados, com mais de dez mil usuários — com novas ferramentas e tecnologia para a Web 3.

Foi criada para trazer mundos de metaverso à vida, mas foi formada para trabalhar em conjunto com “mundos existentes, bem como projetos”, de acordo com um comunicado de imprensa. O trailer abaixo mostra um exemplo da tecnologia em prática, com mais de mil jogadores interagindo juntos em um mundo compartilhado de jogo.

Publicidade

No entanto, ainda não se sabe exatamente como a M² planeja unir (ou “fazer o bridging”) de diferentes mundos de metaverso.

Herman Narula, CEO e cofundador da Improbable, descreveu as atuais “bridges” (ou “pontes” de acesso entre blockchains) à Bloomberg como uma “solução bastante crua” e disse que iria publicar um whitepaper que descreve seus planos de cibersegurança.

Nos últimos meses, bridges entre blockchains têm sido cada vez mais alvo de ataques. No fim de março, a bridge que conecta a sidechain (blockchain paralela) Ronin, do jogo Axie Infinity, à rede principal do Ethereum, foi invadida e perdeu US$ 622 milhões em criptomoedas.

Em fevereiro, Wormhole, a bridge entre Ethereum e Solana, foi hackeada e perdeu US$ 320 milhões.

Segundo a Bloomberg, investidores da M² vão receber tokens cripto por conta do financiamento, mas a quantia concedida não irá representar a maior parte do fornecimento. Narula contou ao jornal que pretende permitir que a comunidade de usuários governe a futura plataforma, fazendo referência à descentralização progressiva.

Anteriormente, a16z e Softbank já haviam liderado rodadas de financiamento da Improbable — a entidade principal, e não a nova iniciativa M² —, avaliada em US$ 2 bilhões em 2017 após uma rodada “series B” (quantia concedida quando uma empresa atinge certos objetivos e não está mais na etapa inicial) de US$ 502 milhões.

Publicidade

Após esse financiamento, a Improbable sofreu para executar sua infraestrutura de jogos SpatialOS e teve de interromper diversos jogos após o lançamento do sistema. Narula admitiu à Bloomberg que a tecnologia inicial era “mais desafiadora de operar do que o necessário”.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador

Bitcoin cai para a casa dos US$ 67 mil após Fed manter taxa de juros

Jerome Powell afirmou que a busca do banco central dos EUA pela meta de 2% de inflação ainda não acabou
smartphone com logotipo da Toncoin TON à frente de monitor que mostra gráfico de mercado

Semana Cripto: Bitcoin cai enquanto Toncoin sobe e se aproxima da Dogecoin em valor de mercado

Criptomoedas de grande capitalização como PEPE e WIF também tiveram quedas de até 20% na semana
Letras que formam a sigla ETF próximas a uma moeda dourada de Bitcoin (BTC)

ETFs de Bitcoin têm novo dia de saídas com fluxo de US$ 226 milhões liderado pela Fidelity

O único ETF de Bitcoin a ter entrada líquida na quinta foi o IBIT da BlackRock, o maior em valor patrimonial líquido, com fluxo positivo de US$ 18 milhões
Imagem da matéria: Agentes federais acusam britânicos de fraude de US$ 3 milhões com NFTs Ethereum "Evolved Apes"

Agentes federais acusam britânicos de fraude de US$ 3 milhões com NFTs Ethereum “Evolved Apes”

Um trio do Reino Unido anunciou o lançamento de um jogo de battle royale, mas, em vez disso, embolsou as criptomoedas e fugiu