Imagem da matéria: Hinode processa Facebook por post onde é comparada com Unick e 18k Ronaldinho
Foto: Shutterstock

A Justiça de São Paulo ordenou que o Facebook retirasse uma publicação no Instagram que associava a Hinode a esquema de pirâmide financeira. O post feito pelo perfil “Pirâmide da Depressão” comparava a empresa à Unick Forex, DD Corporation e Telexfree. A publicação já foi retirada do ar.

A decisão foi tomada pelo juiz Renato Acacio de Azevedo Borsanelli, da 2ª Vara Cível de São Paulo em sede de liminar. Consta na ação, portanto, que não havia como identificar os responsáveis pela página Pirâmide da Depressão. 

Publicidade

Diante da publicação que associava a marca Hinode “de forma pejorativa ao termo ‘piramideiros’ e à hashtag ‘pirâmide financeira””, o magistrado, então, afirmou:

“A liberdade de expressão, como qualquer outro direito fundamental, não é absoluta, não podendo dela se utilizar para atacar a honra das pessoas, fato este que deve ser coibido, em especial, quando a atitude ofensiva é manifestada sob o manto do anonimato, o que é vedado pela carta magna”. 

Facebook na Justiça

A Larru’s Indústria e Comércio de Cosméticos Ltda (razão social da Hinode) entrou, então, com a ação contra o Facebook no último dia 24, após se deparar com a publicação feita pela Pirâmide da Depressão.

O post, já deletado, fazia uma alusão ao distanciamento social devido à COVID-19. A publicação era uma espécie de meme. Nela, se afirmava que uma pessoa deve manter um metro de distância para evitar a contaminação pelo Coronavírus. 

Publicidade

Na mesma imagem havia a recomendação de “10 metros” de distância de piramideiros. O post, além dos nomes, trazia os símbolos das empresas Unick Forex, 18K Ronaldinho, Telexfree e Hinode.

A empresa responsável pela Hinode, então, ajuizou a ação “pretendendo a identificação de usuários desconhecidos, responsáveis pela publicação de conteúdo”. Segundo a Hinode, a publicação era inverídica e ofensiva devendo ser removida das redes sociais.

A Larru´s argumentou que o perfil “Pirâmide da Depressão” usou “indevidamente o nome e a marca comercial da autora, de forma totalmente anônima”.

Publicação removida

O magistrado, portanto, concedeu a tutela antecipada para a empresa e mandou, que em 48 horas, o Facebook retirasse a publicação do ar, o que foi logo atendido.

Publicidade

“Reputo presentes os requisitos autorizadores da tutela provisória de urgência, e o faço para determinar à Ré, que no prazo de 48 horas, no que se refere ao perfil disponível sob a URL https://www.instagram.com/piramide_dadepressao/: – remova do ar o conteúdo disponível pela URL https://www.instagram.com/p/B_peHw2AOiP/”. 

O Facebook também foi intimado para oferecer informações que identifiquem os autores por trás do perfil. O provedor terá de se abster de comunicar os mesmos sobre o ocorrido. A medida é para que os suspeitos “não destruam provas armazenadas nos dispositivos eletrônicos utilizadas para as práticas ilícitas”.

Segundo o juiz, essa provas serão, portanto, “necessárias para a comprovação da autoria e materialidade, nos termos dos artigos 20 e 23 da Lei 12.965/2014”.

O Facebook ainda tem o prazo de 15 dias para apresentar a contestação.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: "Jogo do Tigrinho" deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

“Jogo do Tigrinho” deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

A liberação do “Jogo do Tigrinho” deve ser feita por meio de portaria que será emitida pelo Ministério da Fazenda
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM julga hoje a Olymp Trade, corretora proibida no Brasil promovida por Ronaldinho Gaúcho

A plataforma forex prometia retornos de até 92%
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM aplica multa de R$ 680 mil em corretora promovida por Ronaldinho Gaúcho

Promovida pelo ex-craque da Seleção, Ronaldinho Gaúcho, a Olymp Trade prometia retornos de até 92%
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas