Imagem da matéria: Hacker devolve todas criptomoedas roubadas da Poly Network e recusa recompensa de US$ 500 mil
Foto: Shutterstock

A Poly Network confirmou por meio de um tweet na quinta-feira (12) que todos os seus ativos roubados restantes em ethereum foram devolvidos pelo hacker que atacou a rede na última terça-feira (10), subtraindo cerca de US$ 611 milhões em criptomoedas.

Antes da devolução, porém, a equipe da Poly havia oferecido ao invasor, mediante a devolução integral dos fundos, uma recompensa de US$ 500 mil pela detecção do bug, o que foi rejeitada por ele.

Publicidade

De acordo com a empresa, o invasor transferiu os fundos para uma carteira com multiassinatura controlada tanto pelo invasor quanto pela equipe PolyNetwork, exceto o montante em tether (USDT) que foi congelado após o ataque.

A equipe da Poly Network também esclareceu que o processo de reembolso ainda não foi concluído e que se esforça em continuar a se comunicar com o hacker para garantir a recuperação segura dos ativos do usuário, bem como transmitir informações precisas ao público.

“Com a cooperação do Sr. White Hat e o apoio de todas as outras partes, todo o incidente agora chegou a um resultado provisório, mas ainda temos um longo caminho pela frente antes que possamos finalmente devolver o controle dos ativos de volta para os usuários”, disse a equipe em sua última postagem nesta sexta (13)..

Até a manhã de quinta-feira, o hacker havia devolvido US$ 342 milhões. Em 24 horas ele transferiu US$ 252 milhões da Binance Smart Chain e mais US$ 85 milhões da Polygon. Na manhã de quarta (11), o invasor já tinha devolvido US$ 4,6 milhões, restando US$ 268 milhões da rede Ethereum.

Publicidade

Hacker quis “ensinar lição”

Desde o início da exploração, o hacker lançou diversas mensagens em transações para manter o diálogo com a comunidade. Na noite de quarta, ele fez uma espécie de entrevista com ele mesmo, confessando que hackear é divertido, mas que queria ensinar uma lição ao Poly Network.

Nesta sexta-feira (13), outro tweet da Poly Network afirma que o objetivo da equipe é garantir a recuperação completa, segura e tranquila dos ativos e retomar as normalidades nas operações, observando alguns pontos.

“Por motivos de segurança, retomaremos as operações com uma atualização da rede principal e vamos restaurar as funções básicas da rede cruzada após a auditoria, enquanto adiamos a ativação de outras funcionalidades avançadas”, adiantou a equipe.

Acrescentou também a publicação que foram corrigidas vulnerabilidades e o próximo passo é  trabalhar com vários grupos de segurança e auditoria para revisar o código da Poly.

Publicidade

Disse também que está planejando um programa de recompensa global para encorajar mais agências de segurança a participarem da auditoria das funções centrais de sua rede.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Manhã Cripto: Ethereum sobe 2,6% e flerta com US$ 4 mil; PEPE bate novo recorde

Com ganhos de 10% no dia, PEPE foi capaz de atingir um novo preço recorde de US$ 0.000017
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza acima de US$ 67 mil; Ethereum atinge US$ 3 mil em semana decisiva para ETFs

Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza acima de US$ 67 mil; Ethereum atinge US$ 3 mil em semana decisiva para ETFs

A semana promete ser agitada à medida que chega o prazo final para a SEC decidir se aprova ou rejeita o lançamento de ETFs de Ethereum à vista
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).