Imagem da matéria: Governo do Paraná cria projeto em blockchain para combater corrupção em licitações
Foto: Shutterstock

O Governo do Paraná está prestes a colocar em funcionamento o sistema Harpia, uma ferramenta baseada na tecnologia blockchain para combater a corrupção em licitações públicas. O investimento, estimado em R$ 25 milhões, é custeado com recursos do Fundo Estadual de Combate à Corrupção.

“É um grande projeto que visa atender a transparência pública e ter ferramentas robustas de controle e de auditoria de processos de aquisição, disse o o controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, em live no Youtube na segunda-feira (10)

Publicidade

Conforme explicou, o sistema tem desenhado em blockchain todos os pontos do processo licitatório. Segundo ele, a Controladoria Geral do Estado do Paraná (CGE) organizou o plano em conjunto com o Tribunal de Contas (TCE-PR) e Ministério Público do Estado (MP-PR).

“É um sistema que ataca e fere de morte qualquer ato de irregularidade, seja proposital ou uma mera falha, porque eu tenho alí o registro e a imutabilidade dos dados”, descreveu.

Controlador-geral do Paraná explicando sistema blockchain para litações. Imagem: Reprodução/Youtube

Sistema blockchain para licitação

A iniciativa está em discussão há cerca de um ano e meio. Na época, o governo paranaense entendeu que um sistema baseado na tecnologia blockchain poderia agilizar processos e impedir desvios de recursos públicos.

De acordo com o controlador público, o desenvolvimento e funcionamento do Harpia agora está a cargo da Celepar (Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná), que é responsável por lidar com grande banco de dados do Estado.

Publicidade

Em junho, o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), comentou sobre a ação. Ele disse que a tecnologia é inovadora e que vai aumentar de forma significativa a transparência e fiscalização de todos os processos de licitação no Paraná.

“Licitações são, sem dúvida, um grande problema no Brasil”, ressaltou Ratinho na época.

Durante a transmissão, Siqueira também ressaltou que a estimativa é de uma diminuição de 97% em qualquer nível de irregularidade em licitações.

Ferramenta com ‘olho de gavião’ 

O nome escolhido, segundo o controlador, é uma analogia à natureza da ave ‘harpia’, também conhecida como gavião-real. Conforme descreveu Siqueira, ela “voa muito alto e por isso tem uma visão ampla. Possui também garras muito fortes e é superprotetora do seu ninho.

Contextualizando, explicou, o sistema vai ter uma visão muito boa, vai ‘pegar mesmo’ as irregularidades e vai proteger o dinheiro público.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Fios de transmissão cortados

Rede de segunda camada do Bitcoin, Stacks fica parada por 9 horas — o que aconteceu?

A interrupção na produção de blocos na sexta-feira causou também uma queda de 16% no preço do token STX; aqui está o porquê
Ilusração com Teias simulam funcionamento de blockchais; ao fundo homem opera laptop

Adoção da tecnologia Blockchain por empresas da Fortune 500 avança 56%, diz estudo

No primeiro trimestre 2024; as 100 maiores empresas também aumentaram seus projetos blockchain e web3 em 39%