Imagem da matéria: Google, Microsoft e Facebook dizem que o metaverso será livre: devemos acreditar?
Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, apresentando o futuro metaverso da Meta (Foto: Reprodução/YouTube)

Na terça-feira (21), um grupo de 35 empresas de tecnologia — entre elas gigantes como Meta (anteriormente conhecida como Facebook), Microsoft, Alibaba e Sony — anunciaram que serão membros-fundadores de uma organização chamada “Metaverse Standards Forum”.

O objetivo do fórum será fomentar a coordenação e cooperação entre centenas de empresas atualmente disputando para criar — ou dominar — o ainda nascente metaverso: Uma coleção imersiva de espaços digitais e mundos navegados via avatares 3D que muitos consideram como o futuro da internet.

Publicidade

Essas gigantes da tecnologia afirmam ter se unido para definir padrões e criar um “metaverso aberto e inclusivo”. Mas há pessoas que afirmam que existem motivos para duvidar disso.

“Acredito que sempre devemos ser céticos”, explicou Danny Greene, diretor-geral de uma organização autônoma descentralizada (ou DAO, na sigla em inglês) do projeto Meebits, ao Decrypt. “Afinal de contas, estamos lutando por um futuro descentralizado e essas são corporações que representam acionistas.”

Vizinhanças digitais

Uma parte fundamental da afirmação do fórum em criar um metaverso aberto, incapaz de ser controlado por uma empresa, é uma palavra particular: interoperabilidade. Muitos consideram o metaverso como uma constelação de muitas “vizinhanças” digitais, em que cada uma é criada por uma empresa diferente.

Para que essas vizinhanças digitais sejam facilmente transitáveis, é necessário que ativos digitais de todos os tipos passem livremente, de forma interoperável, de uma vizinhança para a outra.

Publicidade

Atingir a interoperabilidade seria um recurso técnico (pense transformação de um vestido digital, por exemplo, de um mundo 2D para um mundo 3D) mas, ainda assim, seria um recurso econômico e político.

Críticos das “big techs” temem que gigantes corporações que estão entrando para o metaverso tenham uma visão diferente para ele: Um em que uma empresa como a Meta mantém seus mercados digitais, dados e análises sob seu controle em um ambiente digital e isolado em vez de em vizinhanças sem muros.

Após a Meta ter mergulhado de cabeça no metaverso e mudado seu nome em 2021, desenvolvedores de metaverso, como Jeff Zirlin (ou Jiho), líder de crescimento da Sky Mavis, considerou o evento como a primeira tentativa em uma “batalha pelo futuro da internet”.

Apesar do ceticismo, Greene também expressou um otimismo cuidadoso sobre o Metaverse Standards Forum caso a Meta e essas outras empresas listadas em bolsa estejam sendo sinceras sobre seu comprometimento em cooperarem para a criação desses padrões de interoperabilidade.

Publicidade

“À medida em que essas grandes corporações — que têm o dinheiro, o talento e o alcance para realmente propor ideias de metaverso — estão realmente assinando o compromisso da interoperabilidade, estou incrivelmente empolgado com a notícia”, afirmou Greene.

Colonialismo online

Porém, outros foram mais explícitos sobre seu cinismo. Yat Siu, fundador e presidente-executivo da Animoca Brands, empresa de software e capital de risco de US$ 5 bilhões responsável por inúmeros e grandes projetos de metaverso, anteriormente chamou as ambições de metaverso da Meta de “colonialismo digital”.

Em e-mail enviado ao Decrypt, ele considerou o Metaverse Standards Forum como um “tigre de papel” e o comparou à Liga das Nações, o órgão internacional criado após a Primeira Guerra Mundial para promover o multilateralismo e evitar outra catástrofe global, que rapidamente abriu caminho ao auge do fascismo e à Segunda Guerra Mundial.

Dentre as críticas de Siu ao pacto está a improbabilidade de que qualquer uma das corporações participantes realmente adote uma estrutura apermissionada, em que a propriedade de ativos não seja “bloqueada” por uma empresa e todos os dados permaneçam publicamente em uma blockchain.

“Isso é algo muito difícil de essas empresas fazerem”, disse Siu. “Empresas Web2 dependem do acesso exclusivo aos seus dados.”

Publicidade

Siu acredita que o modelo de negócio de empresas como a Meta seja fundamentalmente incompatível com a noção de um metaverso descentralizado e aberto, em que usuários, seus dados e seus pertences digitais existem de forma independente a qualquer empresa, assim como as roupas que você veste não são pertencentes ou controladas por uma vizinhança pela qual você passa.

“Um metaverso aberto permite que haja um acesso apermissionado e acredito que a grande maioria dessas empresas não irá permitir isso no início”, explicou Siu.

A palavra “apermissionada” (do inglês “permissionless”), popular entre defensores Web3 de um metaverso aberto, não aparece nos documentos do fórum. A Meta não respondeu aos pedidos por comentário do Decrypt para este artigo.

Um dos principais projetos da Animoca é The Sandbox, uma enorme plataforma de metaverso que vendeu quase US$ 500 milhões em terrenos digitais até hoje, de acordo com dados da Dune Analytics.

O diretor operacional e cofundador da plataforma, Sebastien Borget, contou ao Decrypt que o Metaverse Standards Forum nunca chegou a consultá-lo antes do anúncio da última terça-feira. Siu e Greene também nunca foram contatados pelo fórum. Siu notou que, dentre os 35 membros-fundadores do fórum, “houve uma ausência notável de empresas blockchain e nativas à Web3”.

O comunicado sobre a fundação do fórum nota que qualquer organização é bem-vinda para se juntar a ele. Ainda não se sabe se empresas nativas à Web3 e devotas ao desenvolvimento de um metaverso aberto vão achar que a missão do fórum faça seu tempo valer a pena ou se é genuinamente consistente com seus objetivos.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas
Mão segurando celular com o logo da carteira de criptomoedas MetaMask

MetaMask lança sistema para acabar com prática que drena dinheiro dos usuários do Ethereum

Smart Transactions busca fazer com que clientes sejam protegidos da prática de máximo valor extraível na blockchain Ethereum
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona