Imagem da matéria: GAS Consultoria mandou bitcoin para Bitstamp, Binance, Bitfinex e Bittrex para evitar Receita Federal
Glaidson Acácio dos Santos, fundador da GAS Consultoria. (Foto: Reprodução/YouTube)

A GAS Consultoria fazia as transações de criptomoedas por meio de exchanges sem presença oficial no Brasil para conseguir fugir da fiscalização da Receita Federal. A empresa de Glaidson Acacio dos Santos vendia e comprava por meio das exchanges Bitstamp, Bittrex, Binance e Bitfinex.

Apenas com a Binance, Glaidson, chamado de “Faraó do Bitcoin”, movimentou mais de R$ 1 bilhão, segundo reportagem do jornal Valor Econômico.  

Publicidade

Glaidson passou a utilizar corretoras estrangerias depois de ter sido barrado pela Foxbit Serviços Digitais, que segue as normas da Receita Federal do Brasil e travou as operações da GAS em 2017 por suspeita de fraude.

A pirâmide da GAS Consultoria

Glaidson começou a operar com criptomoedas em 2014, quando trabalhava como garçom. Em pouco tempo criou a empresa, alardeando o ‘fantástico investimento sem risco’. Prometia retorno de 10% ao mês, como uma caixa mágica na qual você apenas coloca o dinheiro, nunca perde e ainda ganha mensalmente.

O empresário foi preso no dia 25 de agosto durante a ‘Operação Kryptos’, deflagrada pela Polícia Federal e resultado de uma investigação em decorrência de denúncias da CVM e Ministério Público.

Durante a operação, descobriu-se que ele escondia em sua casa várias malas de dinheiro, carros de luxo, joias, e 591 bitcoins que agora serão convertidos em reais. Já no dia 16 de setembro, o Ministério Público Federal (MPF) anunciou que autorizou a venda imediata de R$ 150 milhões em bitcoin apreendidos de Glaidson.

Publicidade

A empresa formada por Glaidson foi registrada como G.A.S Consultoria e tem patrimônio de R$ 75 milhões, sendo registrada na Junta Comercial do Rio de Janeiro. Glaidosn possui 80% de participação e o restante é de sua mulher, a venezuelana Mirelis Yoseline Zerpa, que é considerada foragida pela Justiça.

Justiça confirma prisão

A Justiça já negou dois pedidos de Habeas Corpus feitos pela defea de Glaidson, sendo a última decisão tomada no Superior Tribunal de Justiça (STJ), última instância antes do Supremo Tribunal Federal. O desembargador Jesuíno Rissato, da quinta turma do STJ negou o HC apontando indícios de movimentações financeiras atípicas que chegariam a bilhões de reais, valores que estariam sendo remetidos ao exterior.

Conforme explica o STJ, isso é “uma possível forma de ocultar o patrimônio investigado”. O juiz também considerou o potencial risco de fuga dos investigados e a possibilidade de “lesão irreversível aos investidores”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum abrem em queda e BlackRock supera Grayscale em número de BTC sob custódia

Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum abrem em queda e BlackRock supera Grayscale em número de BTC sob custódia

ETF de Bitcoin da BlackRock agora detém mais BTC do que sua rival, a tradicional Grayscale Bitcoin Trust
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo