Imagem da matéria: FTX empresta US$ 120 milhões a exchange de criptomoedas hackeada
Foto: Shutterstock

A Liquid Global, exchange de criptomoedas com sede no Japão que sofreu um ataque hackers na semana passada, vai receber US$ 120 milhões da FTX Trading, operadora da FTX.com, na forma de empréstimo.

De acordo com o anúncio publicado na quinta-feira (25), a Liquid disse que o novo fundo vai fortalecer sua posição de capital e acelerar novos projetos de geração de receita, fornecendo, assim, mais liquidez.

Publicidade

Durante esta semana, a Liquid revelou que suas hot wallets foram comprometidas, resultando em uma perda de pelo menos US$ 85 milhões em várias criptomoedas, incluindo Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e Ripple (XRP) .

No entanto, de acordo com a empresa forense de blockchain, Elliptic, os hackers subtraíram da plataforma um valor em torno de US$ 97 milhões em criptoativos. Esse montante incluía US$ 45 milhões em vários tokens baseados na rede Ethereum, posteriormente convertidos em ETH por meio de corretoras descentralizadas (DEXs), como Uniswap e SushiSwap.

Os hackers também usaram ‘Tornado Cash’, um serviço projetado para ocultar transações no blockchain Ethereum. A ferramenta utiliza smart contracts (contratos inteligentes) e provas de conhecimento zero (zero-knowledge proofs),uma criptografia com foco na privacidade que foi aplicada pela primeira vez no sistema da criptomoeda Zcash.

Em sua última atualização sobre o hack, a Liquid garantiu a seus clientes que eles não sofrerão nenhuma perda devido ao incidente. A empresa também afirma que os dados pessoais dos usuários não foram comprometidos.

Publicidade

Liquid busca licença no Japão e Cingapura

Ainda acerca do empréstimo liberado pela FTX, a Liquid disse que o financiamento também vai contribuir com suas principais metas regulatórias. Segundo a empresa, esse acordo corrobora ainda mais com seus esforços de licenciamento em curso nas principais jurisdições do Japão e Cingapura.

A Liquid, que é operada pela Quoine Corporation, já obteve inclusive uma licença para operar negociação de criptomoedas de acordo com a Lei de Serviços de Pagamento do Japão (PSA). Menos avançada está sua filial em Cingapura, que ainda aguarda posição do regulador (Monetary Authority of Singapore — (MAS) de seu pedido de licença.

A ação hacker contra a Liquid foi o segundo grande incidente no setor de criptomoedas neste mês. No último dia 10, a Poly Network registrou uma exploração ilegal de criptomoedas que perfez um prejuízo de US$ 611 milhões .

O hack da Poly Network foi um dos mais incomuns na história das criptomoedas, cujo invasor — que foi apelidado de “Mr. White Hat” pela Poly Network — decidiu devolver todos os fundos roubados.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
Logotipo OKX ao fundo tela trading

OKX diz que contas de usuário foram drenadas com roubo de identidade

A exchange OKX disse que está colaborando com as autoridades e que o roubo não tem relação com o uso do Google Authenticator ou verificação por SMS
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Deputados pressionam Biden para trazer de volta aos EUA executivo da Binance detido na Nigéria

Em carta ao executivo, os deputados alegam que Tigran Gambaryan está na condição de refém do governo da Nigéria e corre risco de morrer de malária
Imagem da matéria: Terraform Labs e Do Kwon pagarão US$ 4,5 bi para resolver o caso de fraude da SEC

Terraform Labs e Do Kwon pagarão US$ 4,5 bi para resolver o caso de fraude da SEC

Embora o magnata das criptomoedas ainda esteja em Montenegro, ele agora está sendo responsabilizado pessoalmente por US$ 204 milhões
Imagem da matéria: Bitcoin Lightning e soluções de segunda camada podem ser “abusadas ​​por criminosos”, diz UE

Bitcoin Lightning e soluções de segunda camada podem ser “abusadas ​​por criminosos”, diz UE

Um relatório do Centro de Inovação da UE diz que as soluções de Bitcoin e de segunda camada podem causar “problemas para as investigações policiais”