família bitcoin posa para foto em sua van personalizada com logo do bitcoin
Foto: Divulgação

A “Família Bitcoin”, grupo de cinco holandeses que há cerca de seis anos vendeu tudo o que tinha e comprou Bitcoin para viajar pelo mundo, resolveu mudar a forma de como mantém seus ativos, após o colapso da FTX que culminou no fechamento de várias corretoras cripto.

Para o grupo familiar, o ideal agora é manter pelo menos US$ 1 milhão em criptomoedas em exchanges descentralizadas (Dexs), afirma uma reportagem da CNBC publicada na última quarta-feira (30).

Publicidade

Didi Taihuttu, o patriarca da “The Bitcoin Family”, como o grupo é conhecido na internet, confirmou também a mudança da família de Portugal para a Tailândia, onde já tinham passado um anteriormente um tempo, principalmente  durante a pandemia de covid-19, depois de percorrerem mais de 40 países.

Sobre os fundos em bitcoin, afirma a CNBC, os Taihuttus até então os mantinha em exchanges centralizadas (Cexs), “como Bybit e Kraken”, e em corretoras descentralizadas (Dexs) “como Uniswap”, além de carteiras físicas escondidas em cofres secretos em quatro continentes.

Nas Dexs, o usuário é seu próprio custodiante, já que trata-se de um protocolo descentralizado, ou seja, “se o DEX quebrar, não importa, porque os bitcoins estão sempre na sua própria carteira”, acrescenta Taihuttu, que no passado chegou a perder 4 BTCs em um hack na Cex Cryptopia. “A partir daquele momento, eu estava sempre procurando alternativas”, disse ele.

Isso porque o ativo só se move com a interação do próprio dono das chaves privadas, diferentemente das CEXs, onde a empresa por trás da plataforma pode bloquear saques a qualquer momento, além de exigir KYC e conta bancária para o caso de saque em dinheiro.

Publicidade

Mas Taihuttu afirmou que eles estão mais confiantes do que nunca em sua aposta no bitcoin  e que estão apenas mudando a forma de armazenamento. Ele revelou que o montante do fundo agora descentralizado é formado por bitcoin, ethereum, litecoin, polkadot, entre outras altcoins. Contudo, o carro chefe continua sendo o BTC.

“Para mim, o bitcoin ainda é sobre liberdade, e a moeda descentralizada deve poder ser usada por todos no mundo sem a necessidade de KYC ou qualquer outra coisa regulatória”, disse ele à CNBC.

Em resumo, Dexs funcionam na modalidade p2p, onde transações acontecem diretamente entre traders, eliminando totalmente qualquer intermediário, ou seja, nas Dexs o usuário confia no código e nas Cexs nas pessoas. Nos últimos anos, comenta a CNBC, as Dexs cresceram em popularidade à medida que os investidores procuram negociar de uma maneira que proteja seus fundos.

Colapso alertou a “Família Bitcoin”

Embora a Família Bitcoin não tenha tido nenhum ativo vinculado às exchanges falidas após o colapso FTX, Taihuttu ressalta a importância de o investidor ser o seu próprio custodiante. Vale lembrar que no mercado cripto há o ditado: “Sem suas chaves, sem suas moedas”.

Publicidade

Para os Taihuttus, conclui a CNBC nas palavras do entrevistado, a cascata de falências pós FTX apenas mostra que o Bitcoin é o rei das criptomoedas e completamente diferente de todos os outros projetos.

“Parece que aprendemos uma lição a cada ciclo de bitcoin”, disse Taihuttu, citando casos passados, como o da falida corretora Mt. Gox e as investidas do governo chinês contra o Bitcoin. “Sempre há um drama”, ressaltou.

“Mas olhando para a situação atual: temos uma grande guerra acontecendo, temos uma enorme crise financeira, temos FTX, temos Celsius, temos muitos sinais de mercado em baixa. “Acho que o bitcoin está realmente se mantendo forte em US$ 16.800. Para mim, o bitcoin ainda está perfeito e continua fazendo o que sempre faz: ser uma moeda descentralizada que pode ser usada por todas as pessoas em todo o mundo”, concluiu.

As carteiras de bitcoin da “Família Bitcoin” já perderam mais de US$ 1 milhão desde a última alta histórica da criptomoeda. A queda no preço do bitcoin, no entanto, não gera desespero ao grupo familiar que tenta ser otimista pensando no longo prazo.

A família lucrou com a alta estratosférica do bitcoin em 2017, quando a criptomoeda saiu de US$ 800 no início daquele ano para US$ 20 mil em dezembro.

Publicidade

Por outro lado, Didi Taihuttu, que nunca revelou o quanto de BTC mantém em hold — mas sabe-se que é 73% de tudo, afirmou ter vendido cerca de 15% dos BTC ainda no período de alta, quando 1 BTC valia em torno de US$ 55 mil.

Participe da comunidade de criptomoedas que mais cresce no Brasil. Clique aqui e venha conversar no Discord com os principais especialistas do país.

Talvez você queira ler
Imagem da matéria: Morre Charlie Munger, sócio de Warren Buffett que chamou Bitcoin de "veneno de rato"

Morre Charlie Munger, sócio de Warren Buffett que chamou Bitcoin de “veneno de rato”

Na última vez que falou sobre criptomoedas, Munger disse não se orgulhar dos EUA por não proibi-las como fez a China
Imagem da matéria: Enquanto EUA lutam para aprovar ETF de Bitcoin, produtos do Brasil já movimentam R$ 473 milhões 

Enquanto EUA lutam para aprovar ETF de Bitcoin, produtos do Brasil já movimentam R$ 473 milhões 

Brasil conta com ETFs de criptomoedas desde 2021 e já tem dois grandes produtos de Bitcoin à vista, liderados por Hashdex e QR Asset
Smartphone com logo da Binance sob uma mesa de vidro

Binance deixará de listar Tornado Cash (TORN) e outras três criptomoedas; confira

Após o anúncio, o token TORN desabou mais de 40%
Imagem da matéria: Crítica do Bitcoin, presidente do Banco Central Europeu admite que filho perdeu "tudo" em cripto

Crítica do Bitcoin, presidente do Banco Central Europeu admite que filho perdeu “tudo” em cripto

Líder do sistema bancário europeu, Christine Lagarde já afirmou que todos os ativos cripto “não valem nada” e são “baseados em nada”