Imagem da matéria: Exército Brasileiro vai criar game inspirado em Counter Strike e Fortnite
Foto: Shutterstock

O Exército Brasileiro (EB) vai criar um game inspirado nos mais populares jogos de tiros em primeira pessoa, como Counter Strike e Fortnite. O objetivo é aproximar os jovens e criar impressões positivas da instituição, principalmente nas faixas etárias de 16 a 24.

De acordo com o Boletim do Exército de 10 de junho, a iniciativa faz parte das diretrizes do Projeto Missão Verde-Oliva (Missão VO) que está sendo desenvolvido pela instituição. O projeto prevê tanto melhorar a imagem da instituição quanto ampliar sua integração à sociedade.

Publicidade

Por meio da ação, o órgão espera desenvolver atitudes favoráveis ao Exército Brasileiro, divulgando programas estratégicos a fim de contribuir para a preservação da coesão e da unidade nacional.

Desta forma, diz o documento, um jogo específico pode conscientizar melhor a sociedade brasileira da importância dos assuntos de defesa do País. Segundo o órgão, o jogador será estimulado a cultuar os valores do Exército e a respeitar regras de engajamento.

Game é alternativa à TV

Conforme explicou o EB, embora o órgão esteja estendido em todo o território nacional, as características da vida militar ainda não são muito conhecidas pelos brasileiros.

Por esse motivo, mais a necessidade de alcance da sua comunicação social, o órgão acredita que um jogo pode ser alternativas à TV e às redes sociais, que segundo a intuição, “só atingem outros públicos em situações especiais”. 

Publicidade

Outro ponto, diz o Exército, é a dependência de outras instituições para poder transmitir algo à população.

“A veiculação gratuita na televisão é incerta”, diz um trecho. “Depende das redes e da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República”, acrescentou o órgão.

Conforme explicou, o Exército não dispõe de verba publicitária. Como consequência dessa restrição, acaba dependendo das mídias sociais, de patrocínios e de parcerias.

“Diante do exposto, faz-se necessário a procura por outras ‘mídias’ e os jogos eletrônicos apresentam-se como oportunidades que o Exército Brasileiro pode aproveitar para ampliar o alcance da sua comunicação social e da veiculação gratuita de seus anúncios na televisão”, argumentou o órgão.

Como será o game do Exército Brasileiro

Segundo o documento, no game não poderá haver sangue em demasia nem violência exagerada. Também não haverá a possibilidade de o jogador combater contra outro jogador. “O combate será sempre contra a máquina/inteligência artificial”, diz o texto.

Publicidade

Projetado para ser lançado em dois anos, o game do EB será inspirado em jogos similares, como o Arma 3, Insurgency Sandstorm, Game Squad e as diferentes versões do game do Exército dos EUA.

“A equipe desenvolvedora do game irá pesquisar outros games, como o Counter Strike, Fortnite, Arma 3 e Rainbot Six, por exemplo, antes de conceber o game”, diz boletim.

Inicialmente o jogo será projetado para para atender um volume de 15 mil jogadores e cerca de 3 milhões de downloads. Mas para isso, diz o órgão, será necessário um grande esforço na divulgação.

Meio ambiente e etnia

Apesar de o game ser em primeira pessoa, haverá a possibilidade da criação equipes. Os gráfico dos cenários, promete o EB, será de alta qualidade. Outro ponto é sobre a Natureza. “O game demonstrará cuidado com a preservação do meio ambiente”, diz o documento.

“Os jogadores poderão escolher diferentes características e montar os seus próprios avatares. Os avatares deverão representar a composição étnica e social da sociedade brasileira”, descreveu a entidade.

Publicidade

Acrescentou também que o jogo vai ser fiel às características de armamentos, uniformes, velocidade e que será ambientado no futuro, em 2025. Isso para evitar desdobramentos ligados ao atual contexto político.


BitcoinTrade: Negocie criptomoedas com segurança e agilidade!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. 95% dos depósitos aprovados em menos de 1 hora! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Estudo mostra que 61% dos investidores brasileiros não pretendem vender Bitcoin

Pesquisa realizada pela Bitget releva otimismo pós-halving do Bitcoin
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido