Imagem da matéria: Ex-funcionário do governo da China pega prisão perpétua por se envolver com mineração de criptomoedas
Foto: Shutterstock

A China condenou um ex-funcionário do governo à prisão perpétua por envolvimento em atividades corruptas, incluindo relação a mineração de criptomoedas – proibidas no país – segundo informou um tribunal chinês nesta terça-feira (22).

Yi Xiao, um ex-funcionário da província de Jiangxi, no sudeste do país, foi acusado de abusar de seu poder para facilitar atividades de mineração de criptomoedas no país.

Publicidade

Leia também: Como os chineses driblam a censura do governo para negociar criptomoedas na Binance

O julgamento, que ocorreu em Hangzhou, uma cidade na província de Zhejiang, no leste da China, concluiu que, de 2008 a 2021, Xiao se aproveitou de seus cargos para ilegalmente aceitar mais de 125 milhões de yuans (US$ 17,1 milhões) em subornos.

Além disso, quando Xiao atuou como secretário do partido na cidade de Fuzhou, de 2017 a 2021, ele ajudou empresas envolvidas com mineração de criptomoedas, “resultando em perdas significativas para a propriedade pública, interesses nacionais e populares”, disse o tribunal.

Como resultado, Xiao foi condenado à prisão perpétua, privado dos direitos políticos pelo resto da vida e teve todos os bens pessoais confiscados.

China x criptomoedas

Depois de muitas idas e vindas sobre liberar ou não as criptomoedas no país, a China definiu em setembro de 2021 proibir completamente qualquer transação utilizando moedas virtuais no país.

Publicidade

No mesmo ano, mas em maio, o governo já havia reprimido a mineração de criptomoedas, decisão que na época teve bastante impacto no mercado como um todo e no preço do Bitcoin (BTC), que caiu forte já que o país tinha a maior rede mineradora do mundo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas