Imagem da matéria: ETF de criptomoedas na bolsa brasileira cai 15% com correção do bitcoin
Foto: Shutterstock

O HASH11, primeiro ETF de criptomoedas da bolsa brasileira, está em queda de 15% nesta quarta-feira (19), o pior desempenho do produto desde que foi lançado na B3 em 26 de abril.

As cotas são negociadas nesta manhã a R$ 38, um pouco acima da mínima histórica de R$ 37,60, registrada hoje na abertura do mercado, segundo dados da B3.

Publicidade

O desempenho negativo do HASH11 reflete a forte correção que as criptomoedas enfrentam nesta manhã de quarta que fez o mercado perder US$ 320 bilhões do seu valor total.

hash11 queda criptomoedas
HASH11 registrou queda de 15% nesta quarta-feira (19) (Fonte: B3)

Como o HASH11 acompanha o desempenho das criptomoedas rastreadas no Nasdaq Crypto Index (NCI), ele é afetado diretamente pela desvalorização.

O índice está em queda de 12,4% nas últimas 24 horas e registra agora 2.523,63 pontos, conforme os dados da Hashdex. Quando a correção do mercado estava mais agravada no início da manhã, o NCI mostrava com uma variação negativa de 29,04%. 

O índice foi desenvolvido pela gestora brasileira Hashdex em parceria com a Nasdaq e é composto por seis criptomoedas: Bitcoin, Ethereum, Stellar, Litecoin, Bitcoin Cash e Chainlink

Publicidade

O bitcoin tem a maior participação no índice (65%), e está em queda de 13% nesta quarta, a US$ 37.400. No Brasil, a criptomoeda é negociada a R$ 204 mil, segundo o Índice de Preço do Bitcoin (IPB). Já o Ethereum que representa 30% no NCI, está caindo 19,8% nas últimas 24 horas, cotado agora a US$ 2.700. 

As demais criptomoedas que possuem uma participação menor no índice, registram quedas ainda mais expressivas no dia, como a stellar (-26%), litecoin (-32%), bitcoin cash (-29%) e chainlink (-27%).

O que pode estar causando as quedas generalizadas do mercado são as recentes declarações do governo chinês. Nesta terça-feira (19), os reguladores do país asiático voltaram a lembrar que todos os bancos e instituições financeiras da China estão proibidas de oferecer serviços que envolvem criptomoedas aos clientes.

Queda das empresas ligadas ao setor

As empresas públicas que possuem ligação com o setor cripto também sofrem com a correção do mercado. As ações da MicroStrategy (MSTR), por exemplo, operam em queda de 8,84% nesta quarta, valendo US$ 444.  Na abertura do mercado, a queda era de 12%, segundo dados do Investing.

Publicidade

Ontem (18) a companhia aproveitou a queda do bitcoin para comprar mais 229 BTC, subindo para 92,079 BTC o total de ativos sob sua gestão. Como a criptoativo compõe uma parte significativa do balanço da empresa, o desempenho de suas ações é impactada de forma direta pelos movimentos do ativo. 

A Coinbase (COIN), que em abril se tornou a primeira empresa de criptomoedas a oferecer ações na bolsa de valores, também abriu o dia em queda de 12%. Porém, à medida que o preço do BTC voltou a se estabilizar em torno de US$ 57 mil, as perdas diminuíram para 5,25%, e agora as ações são negociadas a US$ 226.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Fotos dos equipementos de mineração de criptomoedas operados com furto de eletricidade em Canela, RS

Polícia Civil do RS fecha fazenda de mineração de criptomoedas que lucrava R$ 400 mil por mês

Além de crime de furto de energia, casal preso responderá por porte ilegal de arma e lavagem de dinheiro
Fachada do MPDFT - Facebook

PM que atraía colegas de farda para pirâmide com criptomoedas é alvo do MP do DF

O policial militar e um grupo suspeito de pessoas e empresas teriam aplicado um golpe de R$ 4 milhões; alvos do MPDFT são do DF e GO