Moedas douradas de bitcoin sob a mesa
Shutterstock

O fundo de ETF de Bitcoin da BlackRock, O iShares Bitcoin Trust (IBIT), lançado há cerca de dois meses, já possui mais Bitcoin do que a MicroStrategy, que vem acumulando a maior criptomoeda do mundo há mais de três anos. Os números revelados recentemente pelas duas companhias mostram que a diferença é de cerca de 3 bitcoins.

De acordo com a última divulgação do fundo, o IBIT detém 195.985 bitcoins após 5.000 BTCs adicionados na sexta-feira (8), acumulando US$  13,5 bilhões. A última divulgação da MicroStrategy revelou uma carteira com 193.000 bitcoins em 26 de fevereiro, após comprar 3.000 moedas. No preço atual do BTC, um fundo de US$ 13,4 bilhões.

Publicidade

A MicroStrategy se tornou famosa por ter sido a primeira empresa listada na Nasdaq a comprar Bitcoin dentro de sua estratégia de proteção e alocação de recursos. O primeiro anúncio de compra veio a público em agosto de 2020, quando a companhia de Michael Saylor adquiriu 21.454 bitcoins avaliados na época em US$ 250 milhões.

Mas é possível que a MicroStrategy tenha aumentado seu estoque de BTC. Na última segunda-feira (4), a companhia disse que planejava oferecer uma venda privada de notas conversíveis sênior no valor de US$ 600 milhões para adquirir mais ativos.

Notas conversíveis são títulos emitidos por uma empresa que podem ser convertidos em ações ordinárias. Neste contexto, as notas sênior têm prioridade sobre outras formas de dívida.

Desde que a MicroStrategy adotou a estratégia de compra de Bitcoin, seus acionistas se saíram bem: as ações da empresa aumentaram 809%. Ela é agora a maior empresa de capital aberto que detém o ativo.

Publicidade

Já o ETF da BlackRock, que tem menos de dois meses de existência, se tornou o fundo de Bitcoin mais popular do mundo, o que contribuiu para os recentes recordes de preço, quando o BTC atingiu a marca histórica de US$ 70 mil. Na terça-feira (5), o IBIT bateu o recorde de aportes diários ao registrar entradas de US$ 788,3 milhões (quase R$ 4 bilhões).

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: 5 fatores que podem levar o Bitcoin a US$ 100 mil até o fim de 2024

5 fatores que podem levar o Bitcoin a US$ 100 mil até o fim de 2024

Apesar da recente queda do mercado de criptomoedas, vários catalisadores oferecem uma oportunidade para os investidores de longo prazo que buscam um alívio
Jamie DImon, CEO do JP Morgan

Crítico do Bitcoin, CEO do JP Morgan é cotado por Trump para assumir Tesouro dos EUA

Dimon poderia ser o Secretário do Tesouro ideal, de acordo com o candidato presidencial republicano Donald Trump
Moeda de Bitcoin à frente de logo da Mt. Gox

Reembolsos de Bitcoin da Mt. Gox se aproximam: veja as previsões

Já faz uma década, mas não vai demorar muito mais, pois bilhões de dólares em Bitcoin estão a caminho dos credores da falida exchange
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Bernstein reitera previsão de Bitcoin em US$ 200 mil até final de 2025

Previsão já havia sido feito em junho e os analistas apontam que a tendência recente de queda do Bitcoin não mudou esse cenário