Imagem da matéria: Estudante de medicina acusado de golpe de pirâmide financeira reclama das ameaças que vem recebendo
Estudante de medicina Henrique Sepúlveda. (Foto: TV Bahia/Reprodução)

A Polícia Civil da Bahia investiga um suposto golpe de pirâmide financeira comandado pelo estudante de medicina Henrique Sepúlveda, que ficou conhecido nas redes sociais como trader da IQ Option. O prejuízo aos investidores pode ser da casa de R$ 7 milhões.

Segundo informações publicadas pelo G1 na terça-feira (7), o esquema, que consistia em captar dinheiro alheio e prometer até 7% de rendimento ao mês em troca, teria feito pelo menos 150 vítimas em Jequié, cidade que fica no sudoeste baiano.

Publicidade

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), dentre as vítimas estão empresários, políticos e policiais, que foram convencidos de que se tratava de um negócio lícito. O esquema, segundo o site, teria durado cerca de dois anos e meio.

Ameaça de morte

O advogado do acusado, João Rios, disse que seu cliente teve que mudar de endereço após ter recebido ameaças de morte e que inclusive teria sofrido crime de sequestro, juntamente com sua namorada.

Rios alega que Sepúlveda não foi atrás dos investidores e sim procurado por eles para atuar como gestor financeiro após se destacar com trader de opções binárias da plataforma IQ Option. No entanto, de acordo com uma das vítimas, o suspeito teria se apresentado como dono de uma empresa de investimentos, disse o site.

O advogado alegou também que seu cliente não praticou qualquer ato com a intenção de lesar alguém e que as negociações que eram consideradas extremamente lucrativas passaram a apresentar perdas consideráveis devido a “intempéries do mercado financeiro e oscilações naturais desses tipos de operações”. Uma família teria tido um prejuízo de R$ 1 milhão, relata a reportagem.

Publicidade

Polícia ouve vítimas

“Nos últimos meses veio esse transtorno”, disse uma das vítimas ao canal Jequié Urgente no Youtube. Segundo o investidor, que pediu para não ser identificado, ele começou no negócio com R$ 1 mil e foi aportando mais dinheiro até chegar aos R$ 50 mil. Outra vítima disse que aportou mais de R$ 60 mil.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR). Segundo informações do delegado Nadson Pelegrini ao G1, a maioria das vítimas tinha algum conhecimento do mercado financeiro e mesmo assim preferiu deixar o dinheiro nas mãos de Sepúlveda. Elas alegam que por ser um trader experiente, ele poderia gerar maiores lucros.

Henrique Sepúlveda pode responder por estelionato, crimes contra a economia popular, contra o mercado de capitais, contra a ordem econômica e contra o Sistema Financeiro Nacional. Segundo a SSP, as partes já estão sendo ouvidas desde o último dia 26.

VOCÊ PODE GOSTAR
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”