Imagem da matéria: Diem está morta, mas o Facebook ainda não desistiu das criptomoedas
Foto: Shutterstock

O Facebook anunciou seu grande plano cripto no dia 18 de junho de 2019: uma “moeda global sem fronteiras” nomeada Libra, lastreada por uma “série de ativos de baixa volatilidade como depósitos bancários e ações de governos, emitidos em moedas de estáveis de bancos centrais respeitados”. Em outras palavras: uma stablecoin. No mesmo dia o Facebook anunciou uma wallet chamada Calibra para guardar a moeda.

Dois anos e sete meses depois, o Facebook se chama Meta, Libra se chama Diem e Diem está vendendo todos os seus ativos (não está claro quais são os ativos.)

Publicidade

É um fim vergonhoso para um projeto que todos em cripto sabiam que estava condenado desde o início. O único produto cripto que o Facebook realmente criou foi a carteira Novi (anteriormente Calibra), mas ela só pode armazenar a stablecoin USDP Paxos, já que o Diem nunca foi lançado.

Então, o que o Facebook fez de errado?

Para começar, sua stablecoin nunca foi realmente descentralizada, apesar do Facebook insistir que a Libra era supervisionado pela Libra Association, um consórcio de membros com sede na Suíça.

Quatro meses depois de anunciar, a Libra Association perdeu oito membros fundadores, incluindo MasterCard, PayPal, eBay e Stripe. Eles perceberam que havia algo de errado.

Também foi difícil para o Facebook argumentar que Libra não era apenas uma coisa sua quando colocou seu próprio executivo no comando: David Marcus, ex-chefe do Facebook Messenger (ele abandonou a empresa em novembro)

Publicidade

Mas a centralização de Libra por si só não significaria a ruína do projeto. Afinal, os críticos apontam que as três principais stablecoins também são centralizadas: Tether (USDT) é controlado por Tether e Bitfinex, USDC é controlado por Circle, e USDP é controlado por Paxos. Não, o problema para Libra desde o primeiro dia foi a marca do Facebook.

O anúncio da stablecoin do Facebook foi um “momento divisor de águas”, disse o diretor executivo do Coin Center, Jerry Brito. Ele alertou o Congresso sobre as stablecoins, que o governo vê como uma ameaça à sua autoridade monetária. Também veio logo após a Cambridge Analytica e outros escândalos sobre a influência política do Facebook e falhas em manter a desinformação fora de sua plataforma.

Apesar de tudo isso, havia um fato que sugeria que Libra ainda poderia ter sucesso: 2 bilhões de usuários. Essa base torna difícil para qualquer produto do Facebook falhar completamente. Se Libra pudesse apenas sair do portão de partida, uma grande quantidade de pessoas provavelmente tentaria pelo menos. Mas o obstáculo político era muito alto.

É tentador agora declarar que este é o fim das ambições de criptomoedas do Facebook, mas isso não está certo. Ele entrou no metaverso, e o metaverso é amplamente visto hoje em dia como uma coisa de cripto, mesmo que isso não seja muito preciso.

Publicidade

O conceito do metaverso remonta ao início dos anos 90 com Snow Crash de Neal Stephenson, e jogos metaversos como “Second Life” e “Animal Crossing” eram pré-cripto, mas o surgimento de jogos metaversos que usam blockchain e NFTs borrou as linhas .

O Facebook estava tão desesperado para mostrar que está tudo no metaverso que mudou seu nome para Meta – a ação caiu 5% desde a mudança de marca –, e renomeou Oculus para Meta Quest, provocando vaias generalizadas, incluindo de VCs (venture capitalist) como Chris Dixon, cuja empresa foi construída com dinheiro do investimento inicial de Marc Andreessen no Facebook (Dixon, desde então, apagou seu tuíte). E de acordo com um relatório do Financial Times, Meta agora está experimentando um mercado NFT no Instagram.

Portanto, a stablecoin da Meta está morta, e agora caberá a outros emissores, como Circle e Paxos, navegar na hostilidade do governo em relação às stablecoins.

Mas não espere que a Meta desista ainda das criptomoedas.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin à frente da bandeira de hong kong

Parlamento de Hong Kong cria subcomitê legislativo de criptomoedas

Johnny Ng disse que o comitê está trabalhando com o mercado para coletar propostas focadas em Web3 e ativos virtuais para melhorar o cenário em Hong Kong
Imagem da matéria: Traders de Ethereum apostam na estratégia "Condor de Ferro" para aumentar lucros; entenda

Traders de Ethereum apostam na estratégia “Condor de Ferro” para aumentar lucros; entenda

Os traders têm usado a faixa de preço entre US$ 3.200 e US$ 3.400 para definir o risco, disse a Wintermute
Letras que formam a sigla ETF próximas a uma moeda dourada de Bitcoin (BTC)

ETFs de Bitcoin quebram sequência de 19 dias de entradas e têm saídas de US$ 65 milhões

Em uma sequência recorde que durou um mês, ETFs de Bitcoin tiveram a entrada de cerca de US$ 4 bilhões, período em que o BTC se aproximou de sua máxima histórica
Imagem da matéria: Chefe de criptoativos e cibernética da SEC deixa o regulador

Chefe de criptoativos e cibernética da SEC deixa o regulador

David Hirsch, que liderou a Unidade de Criptoativos e Cibernética da SEC na Divisão de Execução, deixou a agência após servir por nove anos