Donald Trump é fotografado em comício nos EUA
Shutterstock

A inteligência artificial (IA) é “talvez a coisa mais perigosa que existe”, disse o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, avaliando a tecnologia globalmente disruptiva em uma entrevista que vai ao ar no próximo domingo.

De acordo com um trecho da conversa com a jornalista Maria Bartiromo, da Fox Business, Trump falou sobre vários tópicos, incluindo moedas digitais dos bancos centrais (CBDCs) e inteligência artificial.

Publicidade

“A IA, como a chamam, é muito assustadora”, disse Trump no episódio Sunday Morning Futures. “Acho que talvez seja a coisa mais perigosa que existe, porque não há uma solução real”, acrescentou.

Desde a sua estreia pública no ano passado, a inteligência artificial —  especialmente a IA generativa — conquistou o mundo. Um efeito colateral infeliz da proliferação de ferramentas de IA tem sido um aumento nos deepfakes gerados pela tecnologia, incluindo as do candidato presidencial republicano em 2024 e do seu rival e atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

“Outro dia vi alguém me enganando com um discurso sobre seu produto. Eu disse: nunca vou endossar isso, e estou lhe dizendo, você nem consegue perceber a diferença”, disse Trump.

Deepfakes gerados por IA de pessoas importantes, incluindo Trump, Biden, Papa Francisco, Tom Hanks e, mais recentemente, Taylor Swift, inundaram a Internet.

Publicidade

Na entrevista, Trump pediu medidas em relação às IAs e a deepfakes gerados por elas, levantando a preocupação de que a tecnologia pudesse ser usada para iniciar guerras.

“Algo tem que ser feito sobre isso, e tem que ser feito rapidamente”, disse Trump. “E ninguém sabe realmente o que fazer.”

No ano passado, uma preocupação semelhante foi manifestada tanto pela ONU quanto por seu Secretário-Geral.

“Todas as partes interessadas devem tomar medidas urgentes e imediatas para garantir o uso seguro, responsável, ético e compatível com os direitos humanos da inteligência artificial e abordar as implicações dos avanços recentes neste campo para a propagação de informações erradas e desinformação e discurso de ódio”, disse um relatório da ONU.

Trump chamou a IA de um problema que precisa ser resolvido “agora”.

“O que você diz em uma entrevista quase não importa mais”, disse Trump. Eles podem mudar as coisas e ninguém percebe a diferença; mesmo os especialistas não conseguem perceber a diferença. Este é um problema tremendo em termos de segurança”, disse o ex-presidente.

Publicidade

Até mesmo o presidente da SEC, Gary Gensler, soou o alarme sobre os deepfakes e o risco que eles representam para os mercados globais.

“Acho que temos boas leis, mas estas novas tecnologias irão desafiar essas leis. Se você está usando IA e fazendo deepfakes no mercado, isso é um risco real para os mercados”, disse Gensler, acrescentando que “fraude é fraude”.

No mês passado, a OpenAI divulgou um comunicado documentando como planeja ajudar a combater a desinformação usando o ChatGPT, rumo à temporada eleitoral de 2024.

“Enquanto nos preparamos para as eleições de 2024 nas maiores democracias do mundo, nossa abordagem é continuar nosso trabalho de segurança de plataforma, elevando informações precisas sobre votação, aplicando políticas ponderadas e melhorando a transparência”, disse OpenAI em uma postagem de blog .

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira
Joe Biden posa para foto

Biden vira sobre Kamala: mercados de criptomoedas esperam que o presidente seja indicado

Apostadores de criptomoedas no popular mercado de previsões Polymarket novamente favorecem Joe Biden como candidato dos democratas