Imagem da matéria: CVM multa G44 em R$ 750 mil por manter oferta irregular de investimentos após stop order
Saleem Zaheer e Joselita Escobar, responsáveis pela G44. (Foto: Reprodução/YouTube)

Por unanimidade, o colegiado da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) condenou nesta terça-feira (9) a G44 Brasil e seus sócios a pagarem multas que somam R$ 750 mil pela oferta de investimentos mobiliários sem autorização da autarquia.

A punição veio em resultado de um PAS (Processo Administrativo Sancionador) da CVM contra a empresa, liderada pelo português de origem paquistanesa Saleem Ahmed Zaheer e a brasileira Joselita Escobar.

Publicidade

O processo surgiu em meio à continuidade das operações da G44 após o “Stop Order” emitido pela própria CVM contra a companhia, em março de 2018, por ofertar investimentos mobiliários sem autorização da autarquia.

O relator do processo na CVM, Gustavo Gonzalez, rebateu todos os argumentos apresentados nos autos pela G44, que questionou os documentos que embasaram a punição anterior da autarquia. Também apontou que a empresa fez mudanças em seu contrato social logo após a punição de 2018, mas manteve a oferta irregular de investimentos.

“Penso que tal estratagema tinha por intuito gerar uma aparência de regularidade na atuação da empresa, buscando mitigar eventuais incertezas por parte dos potenciais investidores quanto à
segurança dos contratos de investimento coletivo oferecidos”, afirmou Gonzalez em seu voto.

Em conclusão, o relator votou pela condenação da empresa e de seus dois sócios, no valor de R$ 250 mil cada — totalizando R$ 750 mil. O parecer foi acolhido por unanimidade pelos demais integrantes do colegiado.

Publicidade

O final do voto do relator sinaliza ainda para mais apuros contra a empresa de Zaheer e Escobar. “Proponho que o resultado desse julgamento seja comunicado ao Ministério Público Federal, por meio da Procuradoria da República no Distrito Federal, nos termos da Lei Complementar nº 105/2001, dada a existência de indícios de crime de ação penal pública”.

Ascensão e queda da G44 Brasil

Sediada em Taguatinga (DF), a G44 opera no Brasil desde 2017. Ela se define como uma “holding empresarial que faz gestão de empresas do segmento de tecnologia em criptomoedas, mineração de pedras e metais preciosos e prestação de serviços”.

Os ganhos prometidos a seus investidores despertaram a atenção tanto da Polícia Civil quanto do Ministério Público, que passaram a investigar a G44.

Em novembro de 2019, poucos dias após uma luxuosa festa que marcou o aniversário de dois anos de funcionamento, a G44 admitiu problemas de liquidez para realizar todos os pagamentos. Ao todo são cerca de 10 mil pessoas afetadas.

Publicidade

A saída anunciada à época pela G44 foi a realização de um distrato, a ser cumprido em 90 dias. O prazo expirou no final de fevereiro e os investidores seguiram sem ver a cor do dinheiro investido.

Promessas de acordos

Nos meses seguintes, uma nova série de promessas quebradas por parte dos líderes. Zaheer chegou a sugerir um prazo de cinco anos para quitar dívidas, mediante um acordo. No entanto, condicionou essa possibilidade à retirada dos processos movidos pelas vítimas na Justiça na tentativa de reaver o dinheiro.

Zaheer também criticou as reportagens publicadas na mídia sobre a situação da empresa. De forma vaga, disse que iria reagir contra o que chamou de “fake news”.

“Quando chegar a hora, vão ter que explicar. Tudo o que se faz se paga aqui. Não vai ter só defesa, vai ter ataque também”.

A oferta de um acordo em troca da retirada do processo é um procedimento que já foi adotado no passado recente por outras empresas acusadas de pirâmide financeira.

Publicidade

Unick Forex, BWA e Bitcoin Banco são casos conhecidos de empresas que propuseram acordos para pagamentos de dívidas. No entanto, mesmo nos casos nos quais houve assinatura, os pagamentos não aconteceram e milhares de pessoas ficaram no prejuízo.


BitcoinTrade: Negocie criptomoedas com segurança e agilidade!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. 95% dos depósitos aprovados em menos de 1 hora! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken