Imagem da matéria: CVM diz que Binance parou de oferecer derivativos no Brasil e que suspendeu processo contra corretora
Foto: Shutterstock

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) declarou que a Binance interrompeu a prática ilegal de oferecer derivativos no Brasil. Dessa forma, a corretora não registraria pendências junto a autarquia, que não deu início a um processo administrativo sancionador (ou seja, punitivo) para investigar mais a fundo o caso.

A manifestação da CVM foi em resposta a um pedido de esclarecimento feito pelo Senado, segundo a publicação. O documento foi primeiro revelado pelo Cointelegraph.

Publicidade

Na visão do órgão regulador, a corretora não oferece mais o produto para o público brasileiro. Contudo, a oferta continua disponível no Brasil — basta o usuário alterar a idioma dentro da plataforma.

O caso teve início em 2020, quando a corretora fundada por Changpeng “CZ” Zhao lançou uma plataforma no Brasil chamada Binance Futures. Por meio dela, os clientes conseguiam investir em derivativos atrelado a criptomoedas.

No esclarecimento feito agora, a CVM lembra que criptoativos não são considerados valores mobiliários e por isso estão fora da alçada de regulação e fiscalização da entidade.

Porém, no momento em que a Binance criou os derivativos, passou a lidar com valores mobiliários sem ter autorização da autarquia — o artigo 2º, inciso VIII, da Lei nº 6.385/76, estabelece que os contratos derivativos são considerados valores mobiliários independentemente dos ativos.

Publicidade

O pedido de esclarecimento foi feito pela senadora Soraya Thronicke (União), que foi autora do PL 4.207/2020, projeto de lei que buscava criar uma regulação do setor de criptomoedas no Brasil. O texto eventualmente foi juntado com outras propostas em um relatório feito pelo senado Irajá (PSD-TO). O PL agora está na Câmara dos Deputados em sua reta final para aprovação (ou não) dos deputados.

Retirada da Binance Futures

A CVM afirma no pedido de esclarecimento que a Binance retirou a ferramenta do ar, após um procedimento administrativo ter sido aberto e o Ministério Público de São Paulo ter sido notificado para apuração de um eventual crime.

Segundo a comissão, a “oferta de contratos futuros de bitcoins por parte da Binance” levou à instauração de processo administrativo 19957.004079/2020-29.

“Após a publicação do referido Ato Declaratório, a página da Binance Futures direcionada aos investidores brasileiros na qual tais derivativos eram oferecidos foi removida, não tendo sido verificada a existência de outros valores mobiliários dentre os demais ativos que seguiram sendo oferecidos. Dessa forma, tendo em vista a cessação da prática que o Ato Declaratório 17.961 pretendeu coibir, não restou configurada justa causa para instauração de processo administrativo sancionador por parte desta CVM”, afirma a entidade, em documento assinado pelo presidente Marcelo Barbosa.

Publicidade

Porém, a CVM ressalta que “caso seja eventualmente detectada nova oferta de valores mobiliários”, poderá a qualquer momento voltar a avaliar a atuação da Binance Futures.

Parte do esclarecimento da CVM ao Senado sobre atuação da Binance com derivativos

ICO pode resultar em valores mobiliários

A CVM tocou em um assunto específico no documento enviado aos senadores. A comissão esclareceu que as Initial Coin Offerings (ICOs) podem ser enquadradas como valores mobiliários dependendo de como a operação for feita.

ICOs são os períodos em quem uma criptomoeda é criada e começa a receber investimentos iniciais antes de ser lançada ao mercado.

“Nas hipóteses em que um ICO venha, a depender do contextoeconômico de sua emissão e dos direitos conferidos aos investidores, a se caracterizar como valor mobiliário, sua emissão estará sujeita à competência fiscalizatória da CVM. Via de regra, porém, as chamadas “critpomoedas” não são valores mobiliários”, afirma a CVM.

Doria, Binance e CVM

No dia 30 de maio, CVM e Binance terão um encontro público em rodadas de debates da LIDE, empresa de eventos fundada pelo ex-governador de São Paulo João Doria. Pela corretora estará o diretor de relações institucionais para o Brasil, Daniel Mangabeira. Pela CVM, o convidado será o presidente, Marcelo Barbosa.

Publicidade

*Texto alterado às 11h36 do dia 27 de maio de 2022 para correção de informação. O cargo de Daniel Mangabeira é diretor de relações institucionais para o Brasil, e não CEO Brasil como estava descrito anteriormente.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Imagem da matéria: Vitalik Buterin critica prisão de dev do Tornado Cash: "Realmente lamentável"

Vitalik Buterin critica prisão de dev do Tornado Cash: “Realmente lamentável”

O fundador do Ethereum nem se importou em comentar sobre os ETFs, mas refletiu sobre a recente condenação de um desenvolvedor do Tornado Cash
Imagem da matéria: O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

Fabrício Tota, diretor do MB, discutiu no Ethereum Rio como empresas podem tirar o máximo proveito da tecnologia blockchain através da tokenização
Sam Bankman-Fried da FTX falando em vídeo

Criador da FTX vai mudar de presídio nos Estados Unidos

Transferência de presídio pode durar até um mês nos EUA, com o detento sendo levado para várias penitenciárias até chegar ao destino final