Crime
Shutterstock

Mixers de criptomoedas são serviços que permitem que usuários “apaguem” o rastro do dinheiro digital deixado por grande parte das transações em redes blockchain, como bitcoin (BTC) e ether (ETH). Esses serviços dificultam a análise do que estaria disponível e facilmente acessível na blockchain.

Enquanto defensores da privacidade defendem mixers de criptomoedas como uma forma importante de proteger a identidade de usuários individuais, um novo relatório da empresa de inteligência em blockchain Chainalysis afirma que a maior parte das criptomoedas enviadas a mixers este ano foi encaminhada por criminosos e países que recebem sanções econômicas do Ocidente.

Publicidade

“Endereços ilícitos representam 23% dos fundos enviados a mixers até agora em 2022 — frente aos 12% registrados em 2021”, informa a Chainalysis – o principal tipo de endereços que envia dinheiro aos mixers.

A empresa reconhece que existem muitas razões legítimas para usar mixers, como para a negociação de cripto em um governo opressor ou a anonimidade legal de transações confidenciais.

“Porém, a funcionalidade principal de mixers, combinada com o fato de raramente, ou quase nunca, solicitarem informações KYC [ou “know your client”, de identificação pessoal], torna-os bastante atrativos a cibercriminosos”, afirma a Chainalysis.

A empresa de análise também alega que mixers receberam mais criptomoedas em 2022 do que nunca.

Uso sigiloso

Conforme o próprio nome sugere, “mixers” — também conhecidos como “tumblers” — unem transações depositadas por muitos usuários e as misturam. Na sequência, usuários recebem seus fundos equivalentes da quantia total ofuscada e com as taxas já descontadas.

Publicidade

Segundo a Chainalysis, mixers são classificados como transmissores monetários nos Estados Unidos sob a Lei de Sigilo Bancário (ou BSA, na sigla em inglês).

Transmissores monetários devem ser registrados na Rede de Combate a Crimes Financeiros (ou FinCEN) e implementar um programa de combate à lavagem de dinheiro. Mesmo assim, a empresa disse que não tem informações sobre algum mixer que siga normas relacionadas a políticas de KYC ou de proteção à lavagem de dinheiro (ou PLD).

Autoridades americanas já acusaram, sancionaram e multaram diversas operações de mixers desde 2021.

Em agosto de 2021, Larry Harmon, CEO do mixer de bitcoin Helix, declarou-se culpado por acusações de lavagem de dinheiro por supostamente lavar 345.468 BTC, equivalentes a US$ 300 milhões na época. Harmon, que também operava o serviço de mixing Coin Ninja, foi multado em US$ 60 milhões.

Em abril deste ano, o Departamento de Justiça dos EUA (ou DOJ) cooperou com autoridades alemãs para confiscar os servidores do site russo da darknet Hydra e sancionou o site.

Publicidade

Em maio, o Gabinete de Controle de Ativos Estrangeiros (ou OFAC) do Departamento do Tesouro Americano emitiu sanções ao serviço de mixing cripto Blender.io por possuir ligações à Coreia do Norte, classificado como a primeira sanção desse tipo. De acordo com a agência, cerca de US$ 21 milhões dos US$ 622 milhões que haviam sido roubados da bridge Ronin do jogo Axie Infinity foram enviados ao Blender.

Em junho, cibercriminosos enviaram US$ 36 milhões em ethers (ETH) roubados da bridge Horizon do protocolo Harmony ao serviço de mixing Tornado Cash. Na sequência, a Chainalysis lançou um programa de resposta a incidentes disponível 24 horas por dia para auxiliar vítimas de hackers e ataques de ransomware.

A Chainalysis afirma que os fundos que passam por mixers vêm principalmente de corretoras centralizadas, protocolos de Finanças Descentralizadas (ou DeFi) e endereços conectados a atividades ilícitas relacionadas a países sancionados, mercados da darknet e hackers, como o grupo Lazarus da Coreia do Norte.

Em breve, mixers podem se tornar obsoletos — pelo menos, de acordo com a Chainalysis, conforme a empresa “continua refinando” sua capacidade em “desmisturar” determinadas transações e verificar a fonte original dos fundos.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Agentes da Polícia Federal emoperação contra russos radicados noBrasil

PF faz operação contra mexicano que se associou a pirâmide com criptomoedas no Brasil

Acusado também afirmava ser representante de uma marca italiana de carros, convencendo pessoas a investir em uma criptomoeda que ele mesmo criou
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
Imagem da matéria: PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

“Vandathegod” foi responsável pelo maior vazamento de dados da história do Brasil
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin ganha força à espera de dados de emprego nos EUA; Paraguai propõe suspender mineração cripto

Manhã Cripto: Bitcoin ganha força à espera de dados de emprego nos EUA; Paraguai propõe suspender mineração cripto

Bitcoin e Ethereum vão em direções opostas nesta sexta-feira (5), com investidores globais atentos aos dados do mercado de trabalho nos EUA