Imagem da matéria: Corretoras brasileiras de criptomoedas acionam Bacen, MPF e CVM contra Binance
Foto: Shutterstock

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) pediu na terça-feira (2) para o Ministério Público Federal (MPF) ajuizar uma ação civil pública de responsabilidade contra a Binance, maior corretora do mundo que atua no Brasil desde 2019. Banco Central do Brasil (Bacen) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM) também foram acionados pela associação.

Em nota, a ABCripto disse que a exchange está descumprindo decisão da própria CVM, que em julho de 2020 proibiu a empresa de veicular de qualquer oferta pública de serviços de intermediação de valores mobiliários.

Publicidade

Disse também que a exchange não integra o sistema de distribuição de valores mobiliários e não tem autorização para funcionar como instituição financeira ou como uma instituição de pagamento no país. Além disso, afirmou que a Binance não está autorizada autorizada a captar clientes residentes no Brasil.

A associação ainda disse que a empresa viola direitos dos consumidores na medida em que cria uma a “cortina de fumaça” sobre seu funcionamento. Por fim, afirmou que a empresa está formando “uma rede voluntária de agentes autônomos/consultores de investimento” sem autorização da CVM.

“O que se nota é que há um preocupante desprezo pelo cumprimento das normas brasileiras que regem o bom funcionamento do mercado financeiro e de capitais, o que coloca em risco investidores e a credibilidade de órgãos reguladores e autorreguladores”, disse Rodrigo Monteiro, diretor-executivo da ABCripto, em nota.

Ainda segundo Monteiro, a forma como a empresa atua no exterior dá “conta de que isto (atuação no Brasil) parece ser uma estratégia deliberada da empresa, o que agrava ainda mais esta preocupação.”

Publicidade

Em resposta ao Portal do Bitcoin, a Binance disse que as acusações apresentadas são infundadas e incorretas e são anticoncorrenciais por natureza:

“A Binance reservará todos os seus direitos legais para tomar outras medidas para proteger sua reputação. A Binance sempre trabalhou com reguladores em todo o mundo neste mercado em rápido desenvolvimento e está empenhada em continuar a fazê-lo daqui para frente”.

Outro pedido

Cabe lembrar que o Ministério Público de São Paulo pediu no início deste ano para a Polícia Federal abrir um inquérito para apurar possíveis irregularidades da empresa. O MPF-SP acionou a PF após receber uma denúncia feita pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em julho.

De acordo com o regulador, há indícios de que empresa ofereça “serviços de intermediação de valores mobiliários, sem autorização da CVM, fato que caracteriza, ao menos no campo indiciário, o crime previsto no art. 27-E da Lei n. 6386/76”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de baleia nadando com moeda de bitcoin em seu interior

Baleia movimenta R$ 321 milhões em Bitcoin pela 1ª vez em uma década

Quando o investidor desconhecido adquiriu os bitcoins em 2013, a cotação do ativo não passava de US$ 120
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira