Imagem da matéria: Corretora brasileira de criptomoedas que vai fechar estende data final para saques
Foto: Shutterstock

A corretora brasileira Braziliex, que comunicou o encerramento das atividades no final de maio, anunciou nesta quinta-feira (17) que ampliou o prazo para saques em reais e em criptomoedas até o dia 25 de junho. A data inicial era até amanhã.

Retiradas a partir do dia 26 não serão efetivadas por causa do término da infraestrutura de blockchain, disse a empresa em comunicado.

Publicidade

Investidores que perderem o prazo, segundo a nota, terão a chance de recuperar os recursos, mas com conversão de acordo com cotação oferecida (valor não foi citado), além de taxas de saque de R$ 120. Valores menores que esse serão perdidos:

“A partir de 26/06 os saques poderão ser realizados apenas em reais mediante conversão obrigatória das criptomoedas de acordo com a cotação oferecida pela plataforma e a taxa de saque passa a ser de R$ 120”.

“Valores inferiores a R$ 120 não poderão ser sacados e serão debitados como tarifa de encerramento da conta. Além disso, iniciaremos, a partir desta data, cobrança de taxa referente à custódia de todas as moedas conforme o item 8 sobre deslistagem de moedas em nosso Termos de Uso”.

Fechamento

A Braziliex, que estava em funcionamento no Brasil desde o início de 2017, anunciou no final do mês passado o encerramento das atividades.

Publicidade

No comunicado oficial, a exchange disse que o motivo do fim das operações era o risco de atuar no Brasil, que “se torna ainda maior diante da entrada de novos concorrentes, bem como as incertezas existentes pela falta de regulamentação”.

A empresa não citou nomes de concorrentes. A corretora Binance, no entanto, foi o principal player a chegar no Brasil e a movimentar o mercado, tirando parte da clientela das exchanges pequenas.

A Braziliex, por exemplo, negociava 480, 600 e até 720 bitcoins por mês no primeiro semestre de 2020, segundo dados do CoinTraderMonitor. Com a entrada da corretora fundada na China, o volume caiu, e a média registrada entre janeiro e abril deste bateu nos 274 BTC mensais.

Em entrevista concedida ao Portal do Bitcoin no mês passado, o sócio-fundador da empresa, Ricardo Rozgrin, disse que “plataformas melhores, maior liquidez e taxas menores fazem com que uma base relativamente grande de clientes se movimentem nessa direção”.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken