Imagem da matéria: CointradeCX lista criptomoedas de empresas que deram calote como a LQX, da Credminer
Foto: Shutterstock

Correção: Diferentemente do que foi escrito em versão anterior, a CointradeCX está legalmente no Uruguai, mas atua no Brasil. O texto foi corrigido.
Atualização: Após a publicação da reportagem, corretora afirmou que embora o ícone da Nasdacoin estivesse na plataforma, a listagem está sob análise. A empresa retirou o ícone do sistema.
Atualização 2: A Credminer encaminhou um contraponto à reportagem, que se encontra ao final do texto.

Mesmo com denúncias de fraudes e de falta de liquidez, a corretora de criptomoedas CointradeCX — que atua no Brasil, mas está legalmente no Uruguai — listou dois projetos que deram problemas para muita gente: Nasdacoin e LQX (criada pela Credminer)

Publicidade

Ambas são alvo de denúncias de pessoas que empenharam – e perderam – parte de seu dinheiro com esses supostos ativos. O caso da LQX é ainda mais grave, visto que a Credminer obrigou os clientes a aceitá-la em vez de pagar as promessas de rendimentos com bitcoin.

A Nasdacoin até aparece no CoinMarketCap, indicador que reúne cerca de 5.000 criptomoedas já criadas mundo afora. No entanto, a LQX não aparece na busca do agregador.

De moeda interna a ‘substituta do bitcoin’

A criptomoeda LQX foi idealizada por Antônio Silva, CEO do MDX Group, que tem entre suas empresas a antiga Credminer [atual WeHPM], cuja principal atividade era mineração de bitcoin.

Segundo seu idealizador, a ideia inicial era que a LQX fosse de uso interno dos clientes das empresas do MDX Group. No entanto, alegando dificuldades com o mercado brasileiro, pressão de bancos e da mídia, a Credminer anunciou o abandono da mineração em bitcoin e transformou o saldo de seus clientes na criptomoeda em LQX.

Publicidade

A troca do bitcoin pela LQX é apenas uma entre várias mudanças nos negócios da Credminer adotadas no semestre passado. A própria empresa admite nos grupos de WhatsApp que há clientes com prejuízo, e que as mudanças visam ressarcimento.

A Credminer disse que iria encerrar as atividades ainda em janeiro e deu a seus clientes duas opções: migrar o saldo disponível para sua substituta, a WeHPM, aberta em dezembro passado em Berlim (Alemanha); ou transferi-lo para a corretora Liquidex, que pertence ao MDX Group, para cumprimento do restante do contrato.

Quando foi lançada, a LQX era cotada a R$ 4 — um valor arbitrário determinado pela própria empresa. Atualmente, de acordo com a cotação disponível na própria CointradeCX, cada LQX vale entre de R$ 0,2 e R$ 0,4 centavos.

Em dezembro, os associados da Credminer/WeHPM usavam grupos de WhatsApp para tentar revender seus LQX em troca de bitcoin ou reais – ou mesmo por artigos como motos, carros e televisores. Dessa forma, tentavam mitigar o prejuízo com a mudança nos negócios da empresa, que vinha há meses atrasando pagamentos.

Publicidade

Em post no blog da corretora, a CointradeCX se refere à LQX como uma criptomoeda “genuinamente brasileira”. Até o momento é a única exchange a listar o ativo no Brasil.

Prejuízos com Nasdacoin

Apesar do nome, a Nasdacoin nada tem a ver com a Nasdaq, famosa bolsa de valores dos Estados Unidos que reúne ações de empresas de tecnologia.

Lançada em 2018, a Nasdacoin tem como idealizador o brasileiro Thiago Batista, também conhecido como James – apelido que diz ter ganho durante temporada que viveu no exterior.

Em meados de 2018, a Nasdacoin chegou a registrar uma valorização de 1.600% em duas semanas. Depois, caiu tão vertiginosamente quanto subiu. Atualmente é cotada no CoinMarketCap a algo equivalente a R$ 0,11.

Foi nesse momento de alta que o investidor Alex Cunha, de Mato Grosso, acabou atraído para investir na Nasdacoin. Meses depois, passou a amargar um prejuízo que passa dos R$ 200 mil.

Publicidade

Além do prejuízo, Alex e outros investidores relatam dificuldades ao tentar contato com patrocinadores e com os líderes da Nasdacoin. “Eles visualizam a mensagem no WhatsApp, não te respondem ainda te bloqueiam em seguida”, disse um deles.

O que diz a CointradeCX

Procurada pelo Portal do Bitcoin, a CointradeCX afirmou, via assessoria de imprensa, que não oferece nem recomenda qualquer tipo de investimento ou ação especulativa por parte dos usuários.

“Nosso papel no ecossistema é disponibilizar à comunidade um ambiente tecnológico seguro e confiável para a troca de tokens e moedas”.

Questionada sobre quais os critérios adotados para listar uma criptomoeda, a corretora argumenta que os ativos passam por uma análise técnico-jurídica interna, “com o objetivo de avaliar se estão em conformidade com os padrões técnicos necessários à sua efetiva disponibilização, bem como se estão aderentes à legislação vigente”.

A CointradeCX deixou aberta, no entanto, a possibilidade de rever a listagem de criptomoedas suspeitas de esconder fraudes, caso comprovadas. “Se em algum momento forem identificadas irregularidades que comprovadamente desabonem qualquer projeto, a empresa se compromete em rever a listagem do ativo, seja qual for ele”.

Contraponto da Credminer

Diante da falta de compreensão de alguns e da frequente tentativa de outros em desvirtuar a história da empresa e o modelo de negócios pro ela explorado, servimos da presente nota para esclarecer os fatos a todo e qualquer interessado.

Publicidade

A disrupção proposta pela tecnologia que envolve a criptomoeda e a valorização de moedas como o Bitcoin, expandiram os horizontes e atraiu o interesse de pessoas de todas as classes.

O expansivo movimento do mercado não trouxe apenas coisas boas. Infelizmente, como ocorre em quase todos os setores, surgiram diversos oportunistas interessados apenas em aplicar golpes, o que acabou sendo facilitado pela novidade do assunto.

Nós, CREDMINER, nascemos em um ambiente de desconfiança e descrença das pessoas, as quais rechaçavam existir empresa séria no seguimento pois, de alguma maneira, foram atingidas, ou diretamente por estelionatários ou pelo conhecimento do fracasso de amigos e parentes.

Ao longo dos mais de 3 (três) anos de nossa existência, vimos centenas de empresas abrirem e fecharem, eis que seu único propósito consistia no recrutamento em massa de pessoas que se propunham a fazer investimentos sem o mínimo de cuidado.

A MDX Rental S/A, empresa parceira do grupo armazena, minera e credita o valor minerado em “SALDO VIRTUAL” na conta do afiliado CredMiner, e duas vezes por mês é permitido o afiliado mandar este saldo para sua CARTEIRA DIGITAL cadastrada no site CredMiner, este saldo, entra em CRIPTOMOEDA disponivel nas Exchange parceiras. Em 2016 / 2017/ 2018 e 2019 nossos parceiros foram: CoinBR, Brabex, Stratum, Liquidex, e por último a Cointrade.

Para construirmos a reputação que temos hoje, nós, da CREDMINER, enfrentamos desafios de todas as ordens: perdemos parcerias, sofremos com o autoritarismo do sistema bancário, através do encerramento de nossas contas bancarias, fomos alvo o ódio dilacerante de sites caça likes, os quais foram por nós acionados judicialmente e responsabilizados, nos submetemos a diversas investigações, quase sempre fundadas em denúncias desconexas e tendenciosas a prejudicar, dentre tantas outras lutas.

Apesar disso, não desistimos e tampouco nos abdicamos dos nossos propósitos.

Ao contrário, cientes dos desafios e da necessidade diária de provarmos a licitude do nosso negócio, levamos mais de 10 mil pessoas entre os anos de 2018 e 2019 para visitar nossas instalações, atestarem a propriedade das maquinas e a qualidade da estrutura. Construímos uma forte estrutura de TI que possibilita o acompanhamento em tempo real das operações e fizemos adaptações profundas em nosso modelo e em nossa linguagem, a fim de nos adaptarmos às orientações jurídicas e regulatórias que acompanhávamos.

Todos esses movimentos revelam as nossas gritantes diferenças em relação a modelos suspeitos que são vistos no mercado: não oferecemos “investimentos”, não garantimos fixo, não temos binário, não garantimos lucros ou retornos mínimos, distribuímos o que efetivamente foi produzido, mostramos em tempo real as operações da empresa, as quais podem ser atestadas na própria rede Blockchain, cujo acesso é público.

Mesmo com nosso crescimento exponencial, que revela que é possível ter um negócio sério e sustentável, diversas pessoas continuam sendo vítimas das atrocidades de golpistas.

A infinidade de golpes aplicados no mercado somado ao crescente interesse das pessoas, despertou grande preocupação nas autoridades e atraiu a atenção das instituições para a necessidade de regulação do mercado.

As vítimas de golpes que envolvem criptomoedas, tomadas pela repulsa, acabam comparando empresas sérias, com propósitos idôneos à esquemas que só querem angariar recursos inconsequentemente.

Mesmo as autoridades, na ânsia de moralizar o setor e dar uma resposta à população, acabam cometendo injustiças contra empresas e pessoas com objetivos lícitos.

Nos últimos meses ainda acompanhamos alguns retrocessos em manifestações da CVM que, alterando entendimento anterior, passou a considerar a mineração uma promessa de rentabilidade futura e, portanto, a enquadrando no conceito de ATIVOS MOBILIÁRIOS, atraindo as empresas desse setor para sua competência regulatória.

A instabilidade verificada nas instituições e a distorção de conceitos importantes, gera fundada insegurança jurídica nas empresas e pessoas, e coloca todos nós em estado de atenção.

Nesse sentido, cientes na licitude do nosso negócio e confiantes na democracia e nas instituições, abrimos uma série de frentes de trabalhos as quais objetivam demonstrar, a quem quer que seja, a seriedade do nosso negócio, a nossa disposição em se adaptar a regras ou orientações claras que sejam dirigidas e garantir a perenidade da empresa.

1.Encerramento de novos cadastros na CREDMINER.
Conforme todos podem ver em nosso site, a CREDMINER foi encerrada para novos cadastros em 2019, com a certeza de que mais de 92% dos contratos já foram finalizados com lucros. Para os quase 8% restantes que ainda não recuperaram, está disponível para o afiliado até 05/03/2020 retirar em LQX todos os valores da plataforma para Liquidex. De lá poderá enviar para Cointrade ou qualquer outra exchange e ter liquidez, ou se preferir, poderá enviar seu saldo para o novo modelo de negócios.

2.Autorização de Funcionamento na Alemanha e Estados Unidos da América.
Entendemos que NÃO compensa mais minerar Bitcoin ou fazer arbitragens para distribuir lucros como era o modelo de negócio CREDMINER, e a maioria das moedas no mercado em 2019, pois os resultados não eram serão suficientes para pagar sequer os custos operacionais, de forma que decidimos suspender definitivamente a entrada de pessoas e continuamos pagando os poucos remanescentes.

O Grupo (Tecnoceleste S/A) sempre procurou um pais onde pudesse operar de forma LEGALIZADA e que tivesse segurança JURIDICA para o mercado de criptomoedas. Abrimos nossas estruturas na Europa e nos EUA e oferecemos nosso modelo de negócio para análise de profissionais do mercado e para as instituições locais, as quais emitiram autorização de funcionamento da CREDMINER em ambos países.

NÃO MUDAMOS APENAS DE NOME, MUDAMOS O MODELO DE NEGOCIO, e avisamos a todos e demos liberdade para as pessoas continuarem ou saírem. A maioria está achando que este novo modelo é uma “Versão” melhorada da CredMiner de forma legalizada, e NÃO É, todo o modelo será bem diferente, acreditamos que não adianta LEGALIZAR algo que não dará certo em 6 ou 12 meses.

3.SOBRE MINERAÇÃO:
Iniciamos em 2016 minerando exclusivamente bitcoin, com um grupo pequeno, sem ter nada, nem mesmo empresa aberta, as primeiras maquinas foram colocadas em mineradoras de terceiros, uma delas foi a CoinPy no Paraguai, e outras na China e Islândia, sempre deixamos isso da forma mais transparente possível com vídeos na internet e documentação. As maquinas no início, trabalhavam 3 a 4 meses e o que mineravam já pagavam tudo, o resto era lucro, em 2017 diminuiu um pouco, mas o preço do BTC estava alto e continuou compensando.

Em 2018 a dificuldade de mineração começou a aumentar muito e a cada lançamento de novas tecnologias de mineração pela bitmain, a maior fabricante, ficava mais difícil, começou a lançar uma máquina nova a cada 6 ou 8 meses. Iniciamos com D3, foi para D7, S9, S9J, S9i, T15, e agora mineramos com o modelo S17 Bitmain e B1 da BitFury.

Em 2019, maquinas como S9 com 13.5 Th/s não pagava quase a energia gasta, 80% das nossa maquinas hoje são da tecnologia S9, começamos a operar com arbitragens, e investir as moedas disponíveis em algumas empresas para render mais, tivemos apenas alguns prejuízos com esta operação, o que é inerente ao risco do negócio, hoje, apenas 20% de nossas maquinas são de tecnologia mais modernas.

Recomendamos que vá até o site da “Alloscomp Calculator” e digite 13.5 no Rash Rate da calculadora do site para saber quanto rende uma máquina S9. Hoje, cada máquina S9 gasta em média $36 dólares somente de energia e produz cerca de $51 dólares mês.

4.PERCEBENDO O FUTURO DO MERCADO:
Em 2018, a CredMiner passou a acreditar na criptomoeda que estava sendo criada, a LQX, que é uma criptomoeda para ser usada em pagamentos com PrivateSend, é livre o código de mineração, e tem valor definido pelo mercado e internamente com segurança IGUAL ou melhor que qualquer outra moeda no mercado.

LQX não tem a rede lenta, sem problemas de troco no core e conta com Masternodes e um “ecossistema” para sua circulação. Tanto que muitos afiliados a negocia no P2P para comprar de Sapato a imóveis.

LQX não é um Token como alguns falam, é uma CRIPTOMOEDA descentralizada, nenhuma empresa ou pessoa tem poder sobre ela, está na blockchain, é minerada por qualquer pessoa ou empresa, inclusive hoje, o maior Hash Rate (poder de mineração) é de empresas e pessoas que não tem nenhuma ligação com a Credminer, ela tem Masternode e pode ser usada para pagamentos em compra de produtos e serviços em empresas parceiras, diante disso, em 2019 assumimos a LQX como nossa criptomoeda oficial para pagamento de bônus.

Escolhemos a LQX para aproveitar às maquinas mais antigas que a CREDMINER tem, pois se não tivesse feito esta escolha, A UNICA GARANTIA PARA TODOS seria essas maquinas da operação, maquinas essas que estão defasadas e não compensa minerar e hoje tem preço quase zero no mercado, pois existe outras com novas tecnologias.

Todas essas ações, como visto, decorrem da proatividade da própria empresa que continua focada e determinada em seus objetivos, não prejudicou os aderentes ao modelo de negócio oferecido e continua atenta às mudanças de mercado para se manter sempre competitiva e buscando as melhores oportunidades para seus clientes.

VOCÊ PODE GOSTAR
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”