Imagem da matéria: Claudio Oliveira, fundador do Bitcoin Banco, está indo para Suíça, diz O Globo
Cláudio Oliveira, criador do GBB, em pronunciamento no Youtube (Foto: Reprodução/Youtube)

A grande imprensa brasileira brasileira tomou gosto pela história do Bitcoin Banco e de seu fundador, Cláudio Oliveira. Conforme o colunista d’O Globo Lauro Jardim, o empresário comprou passagem para ir para Suíça na quarta-feira (21).

Jardim diz que Cláudio se intitulava o “Rei do Bitcoin”, apelido dado na verdade pelo apresentador Amaury Junior. O colunista do Globo também diz o Bitcoin Banco “quebrou deixando milhares de investidores com o pires na mão”. O jornalista também afirma que Cláudio tem cidadania Suíça.

Publicidade

Folha, Valor e Joven Pan

Desde domingo (11), os jornais Folha de S. Paulo, Valor Econômico e a rádio Jovem Pan vem abordando o caso Bitcoin Banco, cujas corretoras de criptomoedas NegocieCoins e Tem BTC estão com os saques dos clientes travados. A cobertura acontece quase três meses do problema começar.

A Folha deu a primeira matéria na grande imprensa com título: “Grupo que negocia criptomoeda é alvo de 200 processos com cobrança milionária”. O jornal destacou a falta de fundos da NegocieCoins para ressarcir os clientes.

Valor Econômico também noticiou os problemas da empresa com a reportagem: “Cliente do GBB está há dois meses com conta bloqueada”.

A crítica às criptomoedas, contudo, ficou para a jornalista Denise Campos de Toledo, comentarista do Jornal da Manhã da Jovem Pan.

Publicidade

Com a manchete “Investidores tomam calote de criptomoedas”, o assunto foi introduzido pelos apresentadores César Rosa e Oliveira Jr. na 2ª edição do jornal da segunda-feira (12).

Crise do Bitcoin Banco

Desde o dia 17 de maio que o Bitcoin Banco vem segurando os saques de clientes. A empresa afirmou que a crise ocorreu devido a uma invasão hacker, que gerou R$ 50 milhões de prejuízo.

O GBB disse por meio de seu presidente à época, Cláudio Oliveira, que alguns clientes mal-intencionados teriam efetuado saques duplos. A empresa chegou a levar o caso à polícia.

Justiça do Paraná, por meio da 25ª Vara Cível de Curitiba, mandou intimar as empresas do grupo econômico, formado pela CLO participação e investimentos S/A; Grupo Bitcoin Banco; as exchanges Negociecoins e TemBTC entre outras a apresentar um documento produzido por uma auditoria externa independente a fim de atestar as supostas fraudes praticadas pelos requeridos.

Publicidade

Além disso, os saques suspensos motivaram aqueles investidores que não puderam ter acesso ao seu dinheiro e a tampouco às suas criptomoedas a entrarem com ações judiciais.

Numa outra ação, a Justiça mandou bloquear quase R$ 6 milhões das principais empresas do grupo. Contudo, as contas estavam vazias. O valor bloqueado foi de R$ 130 mil, sendo R$ 122 mil na BAT exchange.

Em uma das ações, os carros de luxo do empresário chegaram a ser confiscados. As partes, contudo, chegaram a um acordo, que está em segredo de Justiça, e os veículos ficaram na garagem da empresa.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao "Faraó do Bitcoin"

Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao “Faraó do Bitcoin”

Réu é acusado de ser responsável pela segurança do criador da GAS Consultoria e vender armas para a organização criminosa
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais