Imagem da matéria: China condena quatro pessoas à prisão por pirâmide que arrecadou US$ 1 bilhão
Foto: Shutterstock

A Justiça chinesa condenou na terça-feira (27) quatro pessoas acusadas de aplicar um golpe de US$ 1,1 bilhão por meio do ‘WoToken’, um esquema de pirâmide com criptomoedas.

Segundo o The Block, os condenados são Gao Yudong, Li Qibing, Wang Xiaoying e Tian Bo, que tentavam se livrar através de um recurso que acabou sendo negado na corte de Yancheng que fica na província de Jiangsu. 

Publicidade

Com a decisão, os estelionatários terão que cumprir penas de até 8 anos de prisão.

O esquema do WoToken funcionava de forma análoga a uma das maiores pirâmides financeiras da história da China, o PlusToken. Por meio dela, os golpistas chegaram a angariar cerca de 4 milhões de usuários, apontou o site.

Neste novo caso, do WoToken, a Justiça diz que 715.249 pessoas foram convencidas a aplicar dinheiro. No aplicativo, que funcionava como carteira digital, os fundos eram distribuídos em mais de 501 camadas na rede.

A promessa era de lucro fácil através de operações no mercado de criptomoedas onde um robô de arbitragem fazia todo o trabalho.

Isso lembra casos que ocorreram no Brasil, como o da Midas Trend, por exemplo, que nunca mostrou o tal robô, assim com também o fez a Atlas Quantum, que chegou a ser promovida até mesmo pelo candidato a prefeito de São Paulo Arthur do Val.

Publicidade

Golpe de US$ 1 bilhão

A Justiça China declarou que os cabeças da WoToken desviavam os fundos enquanto a maioria acreditava nos rendimentos, esquema típico das pirâmide financeiras — ou esquemas Ponzi.

O golpe era percebido somente na hora de sacar, o que não era possível.

Detalhou ainda que, conforme mostraram os dados de blockchain, o esquema movimentou US$ 1,1 bilhão em criptomoedas. Só em bitcoin, por exemplo, foram 46.050 BTCs (hoje cerca de US$ 680 milhões).

As autoridades chinesas, contudo, conseguiram apreender apenas o equivalente a US$ 60 milhões.

Pirâmide PlusToken

A PlusToken apareceu primeiramente como uma empresa de investimentos na Coreia do Sul e depois passou a servir como carteira de criptomoedas que gerava rendimentos automáticos.

Em julho deste ano, a China prendeu 109 pessoas envolvidas na pirâmide. Dos presos, 27 membros supostamente faziam parte da equipe chamada “núcleo” do projeto e fugiram para o exterior.

Publicidade

Contudo, os outros 82 eram membros importantes e ajudava a elite responsável pelas operações no exterior, disseram autoridades.

Na ocasião, as investigações já revelavam que o esquema PlusToken envolvia milhões de participantes e uma arrecadação de cerca de US$ 6 bilhões).

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

Notcoin é um jogo baseado no Telegram que nos últimos meses acumulou um total de 35 milhões de jogadores
bitcoin e ethereum em grafico vermelho de queda

Bitcoin e Ethereum passam a cair e provocam liquidações de US$ 150 milhões

Tanto o Bitcoin quanto o Ethereum despencaram na manhã de sexta-feira (10), provocando uma onda de liquidação de longo prazo
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
Imagem da matéria: PEPE e BONK valorizam mais de 30% nas últimas 24 horas

PEPE e BONK valorizam mais de 30% nas últimas 24 horas

Memecoin PEPE bateu sua máxima histórica nesta terça-feira (21), em momento de forte aquecimento do mercado cripto