Imagem da matéria: Em vídeo, Arthur do Val promoveu empresa suspeita de pirâmide que sumiu com R$ 1 bilhão
Esquema divulgado por Arthur do Val pode ter lesado milhares de pessoas em R$ 1 bilhão (Foto: Reprodução/Facebook)

O candidato à prefeitura de São Paulo Arthur do Val (Patriota) divulgou uma empresa suspeita de pirâmide financeira que prometia lucros milagrosos com bitcoin. O esquema lesou milhares de pessoas que somadas podem ter perdido mais de R$ 1 bilhão.

Em um vídeo publicado no início de 2018, ele convoca os seguidores a investirem na Atlas Quantum: “Conheci a empresa. O pessoal é maravilhoso, é de credibilidade. Vou deixar inclusive o link aqui para você se cadastrar e comprar bitcoin pela Atlas e vou deixar o link para você investir em pessoas que investem em bitcoin pela plataforma”.

Publicidade

Porém, no dia 13 de agosto de 2019, a mesma empresa recebeu uma notificação de proibição de oferta de investimento coletivo pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Houve então uma corrida de saques e quase ninguém conseguiu retirar o dinheiro.

Ou quase ninguém. O Portal do Bitcoin teve acesso aos pedidos de saques nos meses que se seguiram à crise. São centenas de tabelas que registram o nome, o telefone (ainda hoje o mesmo usado pelo político) e o endereço da carteira de criptomoedas. Das 13.800 solicitações, somente 102 foram atendidas — duas delas de do Val, que conseguiu sacar um total de 0,47 BTC, o equivalente a R$ 36 mil nos dias de hoje.

Os dados do controle de pagamentos da empresa mostram que a solicitação foi feita no dia 23 de agosto de 2019 e o bitcoin foi depositado no mês seguinte, semanas depois que a suposta empresa havia publicamente suspendido os saques.

Procurado pela reportagem, o candidato disse, por meio da assessoria de imprensa, que o pedido de saque demorou. “Eu tinha pouco Bitcoin, demorou uns 4 meses para eles sacarem. Eu pedia, eles esqueciam, até que eu fui ver depois de fazer uma pressão que eles me devolveram”, afirmou.

Publicidade

Conforme análise feita pela lawtech C²LAW utilizando a ferramenta de rastreabilidade de bitcoins da Chainalysis, o deputado estadual também conhecido como Mamãe Falei, após receber os bitcoins de um dos endereços da Atlas, enviou-os para a corretora Foxbit. A partir daí, o rastro do dinheiro não aparece na Blockchain e fica restrito ao sigilo da corretora.

O valor não consta na declaração de bens do candidato ao Tribunal Superior Eleitoral, mas é possível que ele tenha vendido o ativo.

Os que não tiveram a mesma sorte do candidato do MBL, entraram com processos na Justiça para tentar reaver o dinheiro perdido. No momento, são milhares de processos por todo país.

Nomes conhecidos como o apresentador Marcelo Tas e o ex-CNN Leandro Narloch também divulgaram a empresa. Ambos estão na mesma lista e confirmaram ter perdido dinheiro. No caso de Tas, o prejuízo chega a quase R$ 1 milhão.

Publicidade

Artêmio Picanço, um advogado envolvido com o caso, tem 400 processos que somam um valor total de R$ 70 milhões.

“Só não tenho clientes no Acre e Roraima. De fora do país, tenho gente em Espanha, Israel, Portugal, Chile, Cuba, Estados Unidos, França e Itália”, diz Picanço.

Durante a crise, ainda em agosto de 2019, a empresa de contabilidade Grant Thornton produziu um relatório no qual atestou que a Atlas tinha um total de 15.226 bitcoins — R$ 1,17 bilhão na cotação atual.

Atualmente, a Atlas Quantum quase não existe. Dos tempos gloriosos com mais de 300 funcionários espalhados por quatro andares de um edifício nos arredores da Avenida Paulista não resta nada. O site segue funcionando, mas os clientes não têm acesso aos fundos. Sobrou um funcionário no suporte que responde a alguns emails.

O criador da empresa, Rodrigo Marques, está desaparecido e não foi possível contatá-lo. Seu antigo sócio saiu da suposta empresa um ano antes da crise após uma ação fracassada de marketing que contou com os atores Cauã Reymond e Tatá Werneck, e se tornou CEO de uma fintech chamada Mutual. Ambos têm centenas de processos nas costas.

Publicidade

Conteúdo do vídeo

O vídeo original tem 11 minutos e foi divulgado nas redes sociais do candidato. No início há uma explicação sobre o funcionamento do bitcoin e depois a convocação para que todos invistam na plataforma da Atlas.

A Atlas Quantum dizia ter um robô que fazia rápidas negociações de bitcoin em corretoras espalhadas no mundo inteiro. No chamado processo de arbitragem, o sistema encontrava os melhores trades e assim obtinha lucro. Todos os meses os clientes tinham rendimentos positivos que variavam entre 2% e 5%.

“É um puta ganho, mais que o dobro dos melhores investimentos do mercado financeiro normal”, comemora no vídeo de divulgação o Mamãe Falei.

No depoimento a favor do que se revelou um grande esquema, ele é enfático na defesa:

“Eu indico você a investir em bitcoin. Tive contato com uma ideia que é a ainda melhor: você investir em pessoas que investem em bitcoin. A ideia é a seguinte: eu vou comprar bitcoin pela Atlas. Tive contato com o pessoal, conheci a empresa, achei maravilhoso. Pessoal é de credibilidade, é legal. Vou deixar inclusive o link aqui para você se cadastrar e comprar bitcoin pela Atlas. E vou deixar o link da plataforma Quantum, que eu achei uma boa ideia”, diz.

Na abertura do vídeo, um pouco antes de começar a explicar o que é a tecnologia por trás do bitcoin, ele diz: “Eu só vou divulgar algo no meu canal se eu verdadeiramente acredito”.

Questionado sobre o apoio, ele afirmou em nota: “Me arrependo de ter apoiado, porque parecia uma empresa saudável, confiável, inclusive patrocinou vários eventos liberais, inclusive a LibertyCon, inclusive foi lá que conheci alguém que disse para fazer um video assim assim assado para ajudar o Bitcoin. Eu fiz”.

Publicidade

Ele também negou saber que a empresa fosse um esquema de pirâmide: “Eu nunca recomendei pirâmide nenhuma, recomendei uma empresa para que você investisse em bitcoins. Em nenhum momento foi pirâmide, eu nunca ganhei dinheiro com isso. Nunca fiz parte, nunca, nada”.

Vítima e Justiça

O professor universitário paulistano Evandro Teruel tinha 1,57 bitcoin na plataforma — valor que também consta na tabela de saques a que a reportagem teve acesso. A diferença é que ele não conseguiu sacar:

“Liberaram os saques de quem poderia ser um risco ao golpe que eles aplicaram. As pessoas comuns é que se deram mal”, disse ao saber que um político havia recebido.

Ele conta que foi conhecer a empresa e se sentiu confiante em investir ao ver o ambiente, conversar com os funcionários e ver a divulgação na TV — Atlas teve propagandas veiculadas até na Rede Globo.

É de Teruel a denúncia aceita pelo Ministério Público Estadual de SP e incialmente investigada pela Polícia Civil. No relatório final das autoridades, a conclusão é que, por se tratar de um caso de crimes contra o sistema financeiro nacional, o julgamento compete à Justiça Federal. A investigação está no colo da Polícia Federal, mas não foi possível saber quem é o responsável.

O professor hoje coordena um grupo de WhatsApp com 250 vítimas e outro no Telegram, com 600.

“Todos os dias vejo histórias horríveis de pessoas que perderam tudo. É muito triste, você nem consegue imaginar”, disse.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM julga hoje a Olymp Trade, corretora proibida no Brasil promovida por Ronaldinho Gaúcho

A plataforma forex prometia retornos de até 92%
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM aplica multa de R$ 680 mil em corretora promovida por Ronaldinho Gaúcho

Promovida pelo ex-craque da Seleção, Ronaldinho Gaúcho, a Olymp Trade prometia retornos de até 92%
Imagem da matéria: "Jogo do Tigrinho" deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

“Jogo do Tigrinho” deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

A liberação do “Jogo do Tigrinho” deve ser feita por meio de portaria que será emitida pelo Ministério da Fazenda
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas