Imagem da matéria: Canadá sai na frente e aprova o primeiro ETF de Bitcoin da América do Norte
(Foto: Shutterstock)

O Canadá é o primeiro país da América do Norte a receber um ETF de Bitcoin (BTC). A novidade foi aprovada pela Comissão de Valores Mobiliários (SEC) da Província de Ontário na última quinta-feira (11). A responsável pelo instrumento é a Purpose Investiments, que administra fundos de investimentos no país.

No documento oficial protocolado junto à SEC, a empresa classifica o ETF de Bitcoin como um produto de alto risco. “Esse ETF não é um programa de investimento completo e é apropriado apenas para os investidores que podem absorver perdas parciais ou totais sobre o valor investido”, alega a companhia.

Publicidade

O instrumento consiste num de fundo de investimentos negociado na bolsa de valores como se fosse uma ação. No texto, a empresa alega que o produto vai replicar o preço do Bitcoin, mas não define a modalidade de exposição ao criptoativo. É possível que o fundo compre BTC diretamente ou invista em futuros, opções ou outros instrumentos disponíveis no mercado.

A aprovação do ETF pelas autoridades canadenses ocorreu logo após o lançamento do primeiro ETF de Bitcoin no mundo, acontecido na última terça-feira (9), pela Hashdex. A empresa, fundada por brasileiros com experiência no Vale do Silício, inaugurou o seu ETF em parceria com a Nasdaq.

ETF atrai investidores tradicionais para as criptomoedas

O ETF é um instrumento conhecido pelos investidores tradicionais. Eles utilizam o produto há décadas para diversificar o portfólio, já que os fundos podem alocar recursos em vários ativos, como o ouro e as commodities. Agora, com os ETFs de criptomoedas, é possível que os investidores tradicionais se sintam mais seguros para expor parte do seu portfólio ao Bitcoin e às demais criptomoedas.

Também se considera que os ETFs mitigam o risco cibernético dos ativos digitais. Isso porque não é necessário ter uma carteira de criptomoedas ou gerenciar chaves privadas. Também não é necessário deixar os recursos alocados em uma exchange de criptomoedas. Porém, a desvantagem reside no fato de que os investidores não possuem a propriedade direta sobre os ativos que compõem esses fundos.

Publicidade

Ademais, parte do mercado foi tomada de surpresa pela notícia. Muitos acreditavam que os ETFs de Bitcoin seriam inaugurados nos Estados Unidos, devido à preponderância econômica daquele país. Entretanto, o Canadá possui uma história de inovação com o produto. Já em 1990, a bolsa de Toronto lançou um instrumento semelhante, de acordo com a Investopedia. Esse foi o primeiro ETF bem-sucedido do mundo, já que uma tentativa feita em 1989, nos Estados Unidos, foi barrada pela justiça local.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Uma semana antes da demissão, o funcionário produziu um relatório afirmando que a DWF Labs lucrou milhões através da manipulação de mercado de seis tokens
Imagem da matéria: Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

A CVM multou a pirâmide financeira Atlas Quantum após identificar indícios “robustos e consistentes” de que tudo não passava de uma operação fraudulenta
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto