Imagem da matéria: Cade envia novo questionário a exchanges sobre lavagem de dinheiro e bancos
Foto: Shutterstock

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) enviou na quinta-feira (11) um questionário à sete empresas do setor de criptomoedas. Elas terão até o dia 2 de agosto para enviar as respostas. A empresa que não responder pode ser multada em até R$ 100 mil e aquela que falsificar informações corre o risco de pagar até R$ 5 milhões em multa.

O documento composto por 13 perguntas foi encaminhando às empresas All coin Wallet; Bitcoinmax; Bre Coins; Coinext; Stratum; Cointrade e Bitrecife, por e-mail.  As respostas vão compor o inquérito administrativo que visa apurar conduta anticoncorrencial dos bancos.

Publicidade

O questionário é similar àquele que foi enviado a outras corretoras e plataformas do setor cripto anteriormente, antes mesmo de o Cade iniciar o inquérito.

Assim como da outra vez, essas empresas terão de identificar os responsáveis pelas respostas para manter comunicação com a autarquia, além de informar os próprios representantes legais das respectivas companhias.

Com esse questionário, o Cade busca saber as consequências nesse mercado vindo do fechamento de contas por parte dos bancos e compreender os possíveis motivos para esse tipo de conduta vinda dessas instituições financeiras.

As empresas terão de informar se há conta mantida aberta, indicando para “cada uma das contas abertas e bancos, se a conta está aberta em função de liminar obtida na justiça e a data (mês e ano) da liminar”.

Publicidade

De acordo com o questionário, tanto as corretoras quanto as plataformas do setor cripto terão de apontar os bancos que tenham encerrado suas contas e aqueles que tenham se negado a contratar com elas.

As empresas terão de fazer duas listas diferentes, nesse caso e explicar quando o fato ocorreu, além de informar os motivos apresentados por essas instituições financeiras.

Cade preocupada com a segurança

Seis das 13 perguntas, no entanto, são referentes às medidas de segurança adotadas por essas empresas para prevenção de lavagem de dinheiro. Com isso, o órgão questiona se elas fazem transações em dinheiro vivo com clientes e se há algum tipo de transação em que não se conheça a pessoa (jurídica ou física) que seja parte.

Além disso, o Cade busca saber o que motivaria a uma dessas empresas se negar a executar uma transação com algum cliente.

Publicidade

A Classificação de Atividade Econômica (CNAE) também está sendo solicitada nesse questionário. As sete empresas terão de descrever “a atuação de sua empresa e aponte quais os códigos de Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) declarados de suas atividades principais”.

Motivo não convincente

A ausência de CNAE específica para transação com criptomoedas foi uma das razões apresentadas por bancos ao órgão regulador para o encerramento das contas das empresas que transacionam criptomoedas.

Esse argumento, entretanto, não foi aceito pela autarquia que resolveu instaurar o inquérito administrativo. O Cade afirmou na época que “ a ausência de regulamentação em hipótese alguma deve servir de argumento para tolher a livre iniciativa” . 

O órgão regulador afirmou, por meio de uma nota técnica, que “a falta de uma classificação própria” no CNAE e “de regulamentação de um setor não o torna ilícito”.

Caso essas empresas não apresentem suas respostas até o dia 2 de agosto e não justifiquem o motivo dessa omissão, passarão a sofrer a incidência de multa diária de R$ 5 mil, “podendo ser aumentada em até 20 (vinte) vezes, se necessário para garantir sua eficácia, em razão da situação econômica do infrator”.

Publicidade

A falsidade de informação também será motivo de aplicação de multa. Nesse caso, a multa poderá chegar à até R$ 5 milhões.

“A enganosidade ou a falsidade de informações, de documentos ou de declarações prestadas ao Cade será punível multa pecuniária no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais), de acordo com a gravidade dos fatos e a situação econômica do infrator, sem prejuízo das demais cominações legais cabíveis”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Também foram potencialmente expostos dados como nome do usuário, CPF com máscara, instituição de relacionamento, agência e número da conta
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM julga hoje a Olymp Trade, corretora proibida no Brasil promovida por Ronaldinho Gaúcho

A plataforma forex prometia retornos de até 92%
Imagem da matéria: "Jogo do Tigrinho" deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

“Jogo do Tigrinho” deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

A liberação do “Jogo do Tigrinho” deve ser feita por meio de portaria que será emitida pelo Ministério da Fazenda
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas