Imagem da matéria: Cade e Ministério Público selam acordo para reprimir infrações à ordem econômica
(Foto: Shutterstock)

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e o Ministério Público Federal (MPF) firmaram um Acordo de Cooperação Técnica (ACT) para apuração em conjunto de infrações à ordem econômica e advocacia de concorrência.

De acordo com órgão, o acordo —firmado na última quarta-feira (5)— tem como objetivo fortalecer e tornar mais ágil a parceria institucional das entidades em ações conjuntas, principalmente contra cartéis.

Publicidade

O documento foi assinado pelo presidente do Cade, Alexandre Barreto, e pelo procurador-geral da República, Augusto Aras. O acordo tem validade de cinco anos.

“É mais do que um acordo de cooperação técnica, é um acordo de atuação conjunta. É um passo histórico em direção a um país mais justo, mais desenvolvido e mais competitivo”, disse Barreto durante a solenidade.

Já Aras disse que o acordo é uma oportunidade de o MPF e o Cade trilharem juntos os caminhos das melhores práticas de atuação. Aras está à frente da Procuradoria Geral da República (PGR) desde setembro de 2019, quando sucedeu Raquel Dodge.

“O nosso desejo é que esse acordo de cooperação se materialize em ações voltadas para o compartilhamento de informações, dados e conhecimentos capazes de contribuir para o fortalecimento da economia brasileira”.

Publicidade

O procurador-geral espera ainda que o MPF possa atuar junto com o entidade em análises de atos de concentração e nos enfrentamentos dos ilícitos concorrenciais.

Cripto para Cade e MPF

Nos últimos meses o Cade já agiu em relação a diferentes processos relacionados ao universo cripto, especialmente na briga entre exchanges e bancos.

Nesse caso, no entanto, a mais recente decisão é desfavorável às corretoras. Isso porque o conselho rejeitou denúncia movida pela ABCB (Associação Brasileira de Criptoeconomia e Blockchain) e deu aval para que bancos fechem contas mantidas por essas empresas.

O MPF também já manifestou posicionamento em relação ao setor. Em audiência realizada em outubro passado, na Câmara dos Deputados, o órgão pediu agilidade na regulamentação das criptomoedas.

Publicidade

dois grandes projetos em trâmite no Congresso —um na Câmara e outro no Senado— que têm como objetivo definir regras para a atuação das exchanges e de seus serviços no Brasil.

Com a parceria entre Cade e MPF, pode-se esperar uma eventual atuação conjunta das entidades em temas ligados a criptoativos.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Estudo mostra que 61% dos investidores brasileiros não pretendem vender Bitcoin

Pesquisa realizada pela Bitget releva otimismo pós-halving do Bitcoin
Três policiais na porta de suspeito de tráfico de drogas no MT

Servidor que usava sistema de secretaria para vendas de drogas com criptomoedas na dark web é preso no MT

A plataforma de comércio ilegal de entorpecentes funcionava através da rede Tor