martelo de juiz com logo da ftx no fundo
Shutterstock

Ray Nasser, o CEO da empresa de mineração de criptomoedas Arthur Mining, está organizando uma operação para que investidores brasileiros que perderam mais de US$ 100 mil na FTX, tentem recuperar parte do patrimônio por meio de uma ação legal.

O empresário pretende coordenar uma ação coletiva, tipo de processo judicial no qual o autor da ação é um grupo de várias pessoas ou empresas que tem o mesmo interesse. Nasser fez a convocação nesta quarta-feira (16) no Twitter:

Publicidade

O executivo disse ao Portal do Bitcoin que não viu ninguém no Brasil tomando uma medida parecida e que está trabalhando com uma consultoria de Londres para saber qual o melhor caminho.

“A minha empresa tem zero exposição a FTX, mas precisamos ser solidários com os que nos apoiaram todos estes anos entre investidores e parceiros e ajudá-los o máximo possível. Muita gente foi lesada”, afirma Nasser.

Sobre detalhes de como a ação iria se desenrolar, o brasileiro diz que as autoridades que devem ser procuradas são as dos Estados Unidos ou Bahamas, o país caribenho onde está localizada a sede da corretora. “Todas as empresas estão conectadas e se enrolaram transferindo dinheiro de uma para outra. Ao meu ver, um processo iria atrás de todas elas e de seus diretores respectivamente”, diz.

Nasser diz conhecer muitos atores do mercado financeiro e de capitais que sofreram grandes perdas com a quebra da corretora de Sam Bankman-Fried.

Publicidade

“A FTX era a maior exchange do hemisfério oeste, não asiática. Muita gente veio me perguntar e eu quero ajudar. Já participei no passado de ações coletivas e tenho experiência nisso”, ressalta.

Quebra da FTX

A FTX enfrenta uma profunda crise de liquidez que a levou a parar de pagar os clientes na semana passada. Para tentar se salvar, a corretora tentou ser adquirida pela concorrente Binance. CZ arriscou a compra da empresa, mas acabou desistindo.

A FTX era uma das maiores corretoras do mundo e seu colapso jogou o mercado cripto em de suas crises mais profundas.

No sábado (12), SBF foi interrogado pela polícia e pelas autoridades reguladoras do setor financeiro das Bahamas. Isso foi um dia após o pedido de recuperação judicial das empresas do grupo nos EUA.

Publicidade

A crise aconteceu porque a FTX usava dinheiro de seus clientes para cobrir buracos na corretora ou na Alameda Research, firma parceira. SBF criou até uma rota secreta para movimentar fundos e a agência de notícias Reuters afirma que US$ 1 bilhão sumiram dos registros da empresa.

VOCÊ PODE GOSTAR
Nathalia Arcuri falando em evento

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria de conteúdo via blockchain

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria via blockchain e promovem educação financeira de criptoeconomia gratuita
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

ETFs de Bitcoin estão de volta? Ganhos de R$ 1,9 bilhão marcam o melhor dia em mais de um mês

ETF da Grayscale teve mais entradas do que saídas pela primeira vez em semanas
Moeda de Bitcoi sob mapa da América comd estaque para Venezuela

Venezuela quer desativar todas as fazendas de mineração de criptomoedas do país

O governador do estado de Carabobo afirmou que o governo está prestes a publicar um decreto que irá proibir a mineração de criptomoedas
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos